Topo

Testes e lançamentos

Jeep Renegade 2019 vai de R$ 70 mil a R$ 147 mil: veja versões e preços

Leonardo Felix

Do UOL, em Goiana (PE)

17/10/2018 14h00

Modelo ganhou retoques sutis para continuar como um dos cinco SUVs mais vendidos do Brasil; saiba mais

A FCA apresenta nesta quarta-feira (17) a reestilização de meia-vida para o Renegade, SUV que marcou em 2015 o ingresso da marca como fabricante instalada em território brasileiro.

UOL Carros já adiantou os preços das versões "civis", que vão de R$ 78.490 (versão Sport flex manual) a R$ 147.430 (Trailhawk diesel automática com pintura perolizada e opcional de teto solar). Faltava ainda a etiqueta da versão PCD, que custará R$ 69.999.

Veja mais:

+ GM trará nova geração do Camaro ao Salão de SP
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Ainda pertencente ao grupo dos cinco utilitários esportivos mais vendidos do país, embora com menos força do que teve logo que foi lançado -- ironicamente, foi o irmão maior Compass o responsável por derrubar parte de suas vendas --, o modelo recebeu retoques bastante sutis. Serão suficientes para manter o fôlego no segmento?

Confira a lista completa de versões, preços e principais itens de série oferecidos:

+ Renegade 1.8 flex PCD AT6 -- R$ 69.999: rodas de liga aro 16; direção elétrica; assistente de partida em rampas; controle de estabilidade e tração; rack de teto; freio de estacionamento elétrico; freios a disco nas quatro rodas; suspensões independentes.

+ Renegade 1.8 flex Sport MT5 -- R$ 78.490 (antes R$ 78.990): pacote da versão anterior mais start-stop (liga e desliga automaticamente o motor em paradas breves); central UConnect de 5 polegadas; câmera de ré. R$ 70 mil a R$ 80 mil. Opcional: rodas de liga leve aro 17 (R$ 1.000).

+ Renegade 1.8 flex Sport AT6 -- R$ 83.990 (antes R$ 85.490): mesmo pacote da versão anterior mais rodas de liga leve aro 17.

+ Renegade 1.8 flex Longitude AT6 -- R$ 96.990 (antes R$ 91.490): pacote da versão anterior mais rodas de liga leve aro 18; bancos em couro; ar-condicionado automático de duas zonas; sensores traseiros de estacionamento; UConnect de 8,4 polegadas com projeção de celulares. Opcionais: "Pack  Safety", com airbags laterais, de cortina e para joelhos do motorista (R$ 3.490); faróis full-LED (R$ 2.300).

+ Renegade 1.8 flex Limited AT6 -- R$ 103.490 (era R$ 96.490): Chave com sensor presencial; partida do motor por botão; teto preto; quadro de instrumentos digital de 7 polegadas; faróis integralmente em LED com luz diurna; sete airbags; rodas de liga leve aro 18. Opcional: teto solar panorâmico (R$ 7.000). 

+ Renegade 2.0 diesel Longitude AT9 -- R$ 125.990 (era R$ 118.490)mesmo pacote da Longitude flex mais: rodas de liga leve aro 18; tração 4x4 com seletor de reduzida. Opcionais: "Pack Safety", com airbags laterais, de cortina e para joelhos do motorista (R$ 3.880); faróis full-LED (R$ 2.300).

+ Renegade 2.0 diesel Trailhawk AT9 -- R$ 136.990 (antes R$ 129.990): mesmo pacote da Limited flex mais: rodas de liga leve aro 17; tração 4x4 com seletor de reduzida. Opcional: teto solar panorâmico (R$ 8.140).

A linha 2019 será vendida também com uma série de pacotes de acessórios criados pela divisão Mopar, além de três novas opções de cores metálicas: prata, marrom e azul, todas custando R$ 1.530 nas versões flex e R$ 1.630 naquelas a diesel. Opções sólidas saem por R$ 730, enquanto as perolizadas pedem R$ 2.190 (flex) ou R$ 2.300 (diesel). 

Segundo a FCA, as diferenças de preços entre os opcionais das versões flex e diesel se devem a mudanças de tributação incididas sobre os dois tipos de motorização.

Murilo Góes/UOL
Na parte de trás, única diferença está no novo comando de abertura da tampa do porta-malas, logo abaixo da placa. Cadê as lanternas redesenhadas e com LED? Esse mimo ficará reservado ao Renegade europeu Imagem: Murilo Góes/UOL

Tá, mas o que muda?

Justamente por não querer -- nem precisar -- provocar qualquer tipo de revolução no mercado, a FCA foi um bocado conservadora no facelift de seu SUV de entrada. Nas versões mais baratas é quase imperceptível dizer o que mudou.

Mas há, sim, modificações visuais. Os faróis foram reposicionados alguns centímetros para cima, a fim de desfazer a "cara de assustado"; a grade se tornou levemente convexa e ganhou moldura em preto fosco; as sete divisórias da tomada de ar superior foram alargadas; refletores laterais dianteiros deixaram de ser laranja e passaram ao tom branco.

Por fim, o para-choque dianteiro agora é único em toda a gama, seguindo padrão das antigas versões a diesel. Com isso, a configuração bicombustível teve seu ângulo de ataque ampliado de 20 para um patamar entre 27 e 30 graus, a depender das rodas utilizadas (entre 16 e 19 polegadas).

Nas versões Limited flex e Trailhawk diesel, as mais caras com propulsor bicombustível e diesel, as alterações estéticas ficaram mais acentuadas pelo uso do conjunto óptico full-LED, incluindo luzes de neblina.

Entretanto, diferentemente da Europa, nenhuma configuração do Renegade brasileiro recebeu atualização nas lanternas traseiras, que seguem com o mesmo desenho e com o mesmo sistema de iluminação por lâmpadas de filamento. Única mudança na porção traseira está no reposicionamento do comando elétrico de abertura da tampa do porta-malas, agora mais visível.

Por dentro, maior novidade está na aplicação da central multimídia UConnect de 8,4 polegadas herdada do Compass, com tela tátil e projeção de celulares, a partir da versão Longitude flex. Demais versões -- exceto PCD -- contarão com o mesmo sistema de 5 polegadas existente antes. Ar-condicionado ganhou comandos novos e, de acordo com a fabricante, está 20% mais eficiente.

Há novas faixas contrastantes em vermelho pelo painel e uma entrada USB extra dedicada a quem senta na fileira traseira. O console central foi levemente rearranjado a fim de acomodar um discreto porta-celular e, nas versões flex, um porta-objetos extra localizado à frente da manopla de câmbio. E ficou por isso mesmo.

Motorização, 100% turbo em outros países e com uso do 3-cilindros, no Brasil continuará a ser formada pelo velho 1.8 4-cilindros flex (antigo E-torq) de 139 cv e 18,9 kgfm (etanol), agora chamado pela montadora de "VIS", gerenciado por câmbio manual de cinco ou automático de seis marchas da Aisin. Haverá ainda a opção 2.0 turbodiesel de 170 cv e 35 kgfm, aliada sempre a caixa automática de nove velocidades desenvolvida pela ZF.

Murilo Góes/UOL
Principais mudanças estão nos faróis reposicionados para cima, e com LED nas versões de topo, e na grade convexa com divisórias alargadas e moldura preta Imagem: Murilo Góes/UOL

Quer vender quanto?

A fabricante não fala abertamente sobre metas de vendas, mas dá a entender que o objetivo é manter o Renegade como membro do "Top 5" entre os SUVs, mesmo que à sombra do Compass -- atual galinha dos ovos de ouro da fabricante.

Juntos, os dois irmãos de plataforma produzidos em Goiana (PE) são responsáveis por um em cada cinco utilitários esportivos zero-quilômetro emplacados no Brasil atualmente, tornando a Jeep marca líder com certa folga nesse filão.

UOL Carros já experimentou o Renegade 2019 e conta em breve suas primeiras impressões sobre o modelo renovado.

* Viagem a convite da FCA.

Mais Testes e lançamentos