Topo

Cultura do carro

Ronaldinho Gaúcho: rei do "rolê aleatório" curte carrão, mas vai de carona

Murilo Góes/UOL
Ronaldinho no banco do carona: astro participou de ação com piloto da stock Lucas Foresti Imagem: Murilo Góes/UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

04/10/2018 04h00

Um dos craques da Copa de 2002 tinha Audi TT antes de ir para Europa; hoje prefere SUVs com rodas grandes e som potente

Não são poucos os jogadores de futebol que adoram desfilar em supercarros. O português Cristiano Ronaldo, por exemplo, possui uma coleção com mais de 20 veículos esportivos e de luxo. Mas Ronaldinho Gaúcho é diferente. O astro, que foi campeão da Copa do Mundo de 2002 e eleito o melhor jogador do mundo por duas vezes, até gosta de automóveis e já teve bólidos chamativos. Mas as coisas mudaram:

"Atualmente prefiro andar no banco do passageiro curtindo um som ou mandando um pagodinho com os amigos, né?", afirmou.

Conhecido por ser o rei dos "rolês aleatórios", o ex-jogador foi o convidado especial da ação "Rolê Hot Wheels" (que acontece até o dia 14 em São Paulo e de 15 a 21 de outubro em Belo Horizonte), realizada pela marca de carrinhos de brinquedo Hot Wheels (que celebra seus 50 anos, nós já mostramos) em parceria com a Uber. Ao lado de Lucas Foresti, piloto de Stock  Car, o craque surpreendeu passageiros que pediram um carro pelo aplicativo apenas na última terça-feira (2), em São Paulo. No intervalo da ação, deu carona à UOL Carros.

Veja mais

+ Diversão sem motor: conduzir carruagem é mais fácil que carro
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

De Palio a Hummer

"Quando ainda estava no Grêmio gostava muito de dirigir, mas fui embora do Brasil muito novo. Sempre que chegava nos lugares eu não conhecia as cidades e não falava o idioma, então acabei parando. Sinto saudades, mas hoje gosto de ser co-piloto", explicou à nossa reportagem.

Murilo Góes/UOL
Lucas Foresti foi o piloto da ação realizada em São Paulo Imagem: Murilo Góes/UOL

Durante a carona, o "bruxo" (apelido dado a Gaúcho nas redes sociais por suas habilidades com a bola nos pés) revelou até qual era o primeiro modelo, bem como o xodó antes de deixar o Brasil para jogar no Paris Saint Germain, da França, em 2001.

"Meu primeiro carro foi um Fiat Palio e, antes de ir embora, tinha um Audi TT conversível. Adorava aquele carro, gostava de abrir a capota e sair por aí", relembrou.

Durante nossa "corrida", Ronaldinho também revelou que mudou de predileção, adotando carros grandes -- um deles, inclusive, está guardado até hoje na Europa.

Murilo Góes/UOL
Quando está no Brasil, Ronaldinho aproveita rolês de Chevrolet Suburban Imagem: Murilo Góes/UOL

"Me apaixonei por caminhonetes e carros grandes quando estava no Barcelona. Foi por isso que comprei um Hummer H2 preto na Espanha e até levei o carro para a Itália (quando foi jogar no Milan), onde está até hoje. A gente ainda usa o carro quando vai para lá".

Boa parte da imprensa europeia lista outros modelos muito mais chamativos -- e caros -- como parte da garagem europeia do ex-jogador: Volvo XC90, Bugatti Veyron, Lamborghini Huracán seriam alguns deles. Mas Gaúcho não confirma.  

Fato é que no Brasil fica mais complicado manter modelos parecidos. Ainda assim, Gaúcho achou um modelo tão norte-americano e gigante quanto o Hummer: "Aqui no Brasil tenho um Chevrolet Suburban com umas rodas grandonas", revelou.

Aos 38 anos, admite que prefere comodidade à velocidade. Mas uma coisa não pode faltar.

"Quando eu dirigia queria só ter carro rápido. Depois, quando você já não dirige mais, você prefere um carro confortável. Mas sempre fiz questão de ter um bom sistema de som", concluiu, com o mesmo sorriso no rosto que fez sua imagem no mundo inteiro.

Murilo Góes/UOL
Eis a prova: nosso repórter pegou carona com o rei dos "rolês aleatórios" Imagem: Murilo Góes/UOL



Mais Cultura do carro