Topo

Salão de Paris

Audi E-tron: SUV elétrico estreia em fevereiro e já tem 1.600 pedidos

Ricardo Ribeiro

Colaboração para o UOL, em Paris (França)

04/10/2018 04h00

Detalhamos os planos para a Europa do modelo, que também será vendido no Brasil

O grupo Volkswagen está entre os grandes fabricantes que optaram por não participar do Salão de Paris deste ano. No entanto, algumas de suas marcas, por meio de suas subsidiárias, montaram espaços na feira. A Audi foi uma delas. E foi nesse clima que o SUV elétrico E-tron estreou na Europa -- globalmente, surgiu nos EUA.

O utilitário esportivo totalmente elétrico da marca está na mira do Brasil, mas os planos para cada mercado são bastante específicos.

Sendo assim, UOL Carros apurou com integrantes da Audi francesa os planos para o E-tron na Europa: até o momento, há cerca de 1.600 encomendadas confirmadas no continente, sendo que os primeiros clientes devem começar a receber o carro entre janeiro e fevereiro.

Maior procura vem de compradores da Suécia e Noruega -- países com maior infraestrutura de recarga e, simultaneamente, calendário mais avançado na proibição a carros zero-quilômetro a combustão. Na França, o ritmo é menor: 130 pedidos até agora. Tudo no sistema de pré-venda, com pagamento de sinal.

Veja mais

+ Rivais: Mercedes-Benz EQC, Tesla Model X e Jaguar I-Pace
+ Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
+ Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
+ Instagram oficial de UOL Carros
+ Siga UOL Carros no Twitter

A Audi da França não aponta os valores do E-tron no país -- isso deve acontecer até dezembro, quando será aberto o processo de venda regular nas concessionárias europeias, com veículo na loja. Na Alemanha, custa de 75.800 a 87.700 euros -- algo entre R$ 360 mil e R$ 425.500 diretos.

Quem já encomendou o carro fez um depósito e, quando a tabela chegar, será feito o ajuste para o restante do pagamento.

Força bruta

O motor do E-tron tem 360 cv de potência. Com a função Boost, que pode ser acionada no painel ou entrar automaticamente quando o motorista pisa mais fundo, ele passa a entregar 408 cv -- e nesse modo a tração passa a ser integral. O consumo da bateria, claro, aumenta drasticamente.

Em modo normal ou quando menos exigido, a tração é traseira.

A Audi promete autonomia de 450 km, sempre a depender do ímpeto do motorista -- esse valor considera um rodar mais manso. Uma recarga em tomadas comuns leva entre seis e oito horas; já em uma estação de alta voltagem, pode receber o suficiente para rodar 100 km em um hora. Só que a ideia é usar redes especiais de "supercarga", para ter boa parte da bateria carregada em 30 minutos -- essa rede será estabelecida com acordos país a país, mas a ideia é ter 2 mil pontos pela Europa ao longo de 2019.

O retrovisor por câmeras chama a atenção: a imagem é transmitida para pequenas telas nas portas, no local onde modelos atuais instalam caixas de som, sensíveis ao toque para ajuste dos ângulos. É esquisito de olhar, apesar da tecnologia, uma vez que essas telas não estão na mesma altura dos retrovisores atuais.

São 4,90 metros de comprimento, com acabamento requintado no interior e bom espaço. Visual segue identidade da marca, com destaque para os LEDs dos faróis e à grade dianteira.

Um diferencial é a presença de duas entradas para o cabo de carregamento das baterias, uma de cada lado do veículo, com o charme de ficarem escondidas sob tampas retráteis que se abrem com um toque no logotipo do nome do carro.

Além do E-Tron, a Audi também revela em Paris uma nova versão do Q2, menor utilitário esportivo da linha, na versão esportiva S, mas este segue longe do Brasil.

Mais Salão de Paris