Topo

Salão de São Paulo

Novo Mercedes-Benz Classe G volta ao Brasil em versão AMG por R$ 1 milhão

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/09/2018 12h31

Jipão renovado vem para o Brasil com motor V8 biturbo de 585 cv

A nova geração do Mercedes-Benz Classe G já está entre nós. O jipão começa a ser importado para o Brasil em duas versões de acabamento passando da casa do milhão de reais: o AMG G 63 sai por R$ 1.049.000, enquanto a série especial de lançamento Edition 1 custa um pouquinho mais: R$ 1.179.000.

Na Alemanha, o G 63 parte de 148.434 euros (cerca de R$ 720 mil diretos). O design "quadradão" que virou marca registrada do Classe G foi levemente atualizado e ganhou detalhes como a grade frontal Panamericana, adotada nos principais modelos da AMG, como o superesportivo AMG GT R. As rodas de liga leve podem ter até 22 polegadas.

Por dentro, nota-se o mesmo nível de requinte dos modelos mais sofisticados da marca, como o Classe S. Também como os sedãs da Mercedes, há duas telas de 12,3 polegadas para exibir as informações do painel de instrumentos e demais funções do veículo. 

Veja mais

+ Novo Mercedes GLS ganha "cara" de Classe X e mais conectividade
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Usina de força

A excêntrica combinação de um legítimo veículo off-road com preparação esportiva da AMG resultou em um motor 4.0 V8 biturbo de 585 cv e torque máximo de 86,6 kgfm. Números liberados pela fabricante informam aceleração de 0 a 100 km/h em 4,5 segundos e velocidade máxima de 220 km/h. 

Segundo a Mercedes, o par de turbocompressores tem duas passagens de fluxo paralelas e dois dutos separados no coletor de exaustão. Assim, os gases no rotor da turbina podem ser controlados separadamente. Desta maneira, os gases do escapamento do primeiro e quatro cilindros alimentam um dos dutos, enquanto os gases do segundo e terceiro cilindros vão para o outro duto. Além de evitar efeitos adversos no ciclo do gás em cada cilindro, isso "reduz a retropressão e melhora a troca dos gases", entregando mais potência em menos tempo.

O jipão vem também com o sistema de desativamento dos cilindros, que desacopla metade deles quando o modo "Comfort" está selecionado e o veículo trafega entre 1.000 e 3.250 rpm, como em estradas. Este recurso ajuda na redução do consumo de combustível.

Qualquer terreno

O Classe G traz, pela primeira vez, a opção de oito modos de condução -- cinco deles para asfalto ("Comfort", "Sport", "Sport+", "Individual" e "Slippery", este último para piso escorregadio) e três para off-road (areia, trilha e pedras).

A tração do G 63 é integral com distribuição de 40:60 para privilegiar o eixo traseiro (no modelo anterior era de 50:50) e há três bloqueios de diferencial. Já a suspensão ativa pode ser ajustada em altura e é adaptativa, ou seja, consegue se adaptar ao tipo de terreno rapidamente. É possível também selecionar o nível de rigidez entre os modos "Comfort", "Sport" e "Sport+". A transmissão é automática de nove marchas com opção de trocas sequenciais.

De acordo com a fabricante, a caixa de redução foi aprimorada e a tração pode ser acionada a até 40 km/h. Se o condutor aciona o bloqueio do diferencial central, uma embreagem multidiscos exerce a função de um diferencial autoblocante para facilitar as manobras em trilhas.

O Classe G poderá ser visto de perto no Salão do Automóvel de São Paulo, que acontecerá em São Paulo entre os dias 8 e 18 de novembro. Ao lado do jipão estarão outros lançamentos da marca, como a picape Classe X e os novos Classe A e Classe A Sedan.

Mais Salão de São Paulo