Topo

Seu Automóvel

Mitsubishi Lancer agora briga com Virtus e Cronos; sedã parte de R$ 75 mil

Divulgação
Lancer é vendido em duas versões e motor 2.0 de 160 cv Imagem: Divulgação

André Deliberato

Do UOL, em Porto Alegre (RS)

05/09/2018 12h23Atualizada em 05/09/2018 18h00

Modelo já peitou Honda Civic e Toyota Corolla, mas hoje encara versões mais caras de sedãs compactos

Lançado no Brasil no começo da década e nacionalizado em 2014, quando começou a ser fabricado na fábrica da Mitsubishi em Catalão (Goiás), o sedã médio Lancer vive atualmente em outro patamar de sua curta vida no país. 

O três-volumes de origem japonesa segue ativo -- entregou 1.000 unidades este ano, segundo a Frenabrave -- mas, de fato, numa categoria diferente dos demais -- o líder Toyota Corolla emplacou 38 vezes mais.

Ainda assim, é uma opção: "Não há planos de interrupção da produção", garantem fontes ligadas à marca consultadas por UOL Carros.

Veja mais

Mitsubishi Eclipse Cross vai bem em crash-test
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Opção de outro tempo

O carro que chegou a ter versões mais esportivas (o saudoso Evo e mesmo a versão hatch Ralliart) agora só é vendido em sua configuração "civil" com duas versões de acabamento, com preços entre R$ 74.990 (HL) e R$ 79.990 (HL-T).

Motor é sempre o 2.0 Mivec de 16V, de 160 cv e 20,1 kgfm de torque, e câmbio automático Invecss-III (CVT) com simulação de seis marchas.

Também vale destacar que há versões para PCD com preços variando entre R$ 67.423 e R$ 71.918, respectivamente.

De um lado, são valores que colocam o sedã como opção mais em conta do segmento de médios -- mas vale lembrar que o pacote de itens não é completo como os de rivais atualizados e líderes de venda, como Toyota Corolla, Chevrolet Cruze e Honda Civic.

Por outro, o Lancer também se mostra como opção com mais espaço frente aos novos modelos compactos premium, que acabam tendo valores semelhantes em suas versões de topo -- aqui, falamos de Volkswagen Virtus, Fiat Cronos e Toyota Yaris Sedan, entre outros.

Isso acontece por ser de uma geração de mercado antiga (o Lancer não é mais fabricado globalmente) e com isso ter porte e tecnologia embarcadas de outra época. Executivos ligados à fabricante confirmaram a UOL Carros esse novo “posicionamento” do modelo.

O Lancer traz desde a versão de entrada itens como sistema multimídia (sem, no entanto, tecnologia para espelhamento de celulares); volante multifuncional com controles de áudio e controlador automático de velocidade; direção hidráulica; câmbio automático; ar-condicionado, vidros e travas elétricas; suspensão independente nas quatro rodas (McPherson na dianteira e Multilink na traseira); os obrigatórios freios com ABS e airbag duplo frontal e rodas de liga leve, além de ajuste de altura para o banco do motorista. O acabamento é correto em execução, mas simples em termos de conforto tátil e visual. 

Agora, é preciso apontar que a Mitsubishi é uma das marcas focadas no atual movimento de consumidores, que migram para SUVs de todos os tamanhhos. Em breve, a empresa apresentará o Eclipse Cross, SUV que será um dos destaques da marca no Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro, e que virá para abrigar parte da importância de mercado que antes era de Lancer e companhia, bem como brigar com rivais como o Jeep Compass.

Mais Seu Automóvel