Topo

Seu Automóvel

Toyota Yaris vai assumir as vendas para PCD do antigo Corolla de R$ 70 mil

Divulgação
Yaris é herdeiro à altura do Corolla no mercado PCD? Veremos Imagem: Divulgação

Eugênio Augusto Brito

DO UOL, em São Paulo (SP)

12/06/2018 18h56

Marca aponta que valor-limite para benefícios de isenção está desatualizado e prejudica fabricantes

Setembro de 2017: foi nessa data que relatamos que a Toyota (seguindo a Hyundai) estava suspendendo as vendas do Corolla do programa especial para pessoas com deficiência (PCD), que permitia a muitos fazer a compra ou entrar na fila para tentar ter um sedã médio por R$ 70 mil.

Junho de 2018: nove meses depois, nasce um herdeiro para o posto do "Corolla GLi Tecido". Com carro novo na praça, a marca avisa que o Yaris vai assumir esse papel.

Veja mais

+ UOL Carros destrincha o Yaris em todos os seus detalhes
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Limite de R$ 70 mil está prejudicando a indústria?

Segundo Vladimir Calvo Centurião, Diretor de Operação de Vendas da Toyota, oferecer um produto com preço "atraente" a um público diverso, seja PCD ou não, nunca foi um negócio ruim, mas a tabela desatualizada e fixada em R$ 70 mil representou ônus quando o resto do mercado se mostrou travado.

Em outros termos: a Toyota apostou forte na opção de um Corolla de R$ 70 mil para dar alguma fluidez às vendas no auge da crise -- assim como a Hyundai fez com o Creta, a Nissan com seu Kicks e a Citröen com o C4 Lounge. Com o boom de procura, porém, acabou vendo os números de lucratividade despencarem, enquanto a cobrança cresceu, daí o fim do processo.  

Ofertar o Yaris para este tipo de público é uma necessidade, a marca precisava de algo mais atrativo que o Etios nesse segmento (embora marcas como a líder Chevrolet apostem mais nos compactos do que nos médios para vendas diretas). O Yaris também tem custo de produção (e valor de tabela) mais acessível que o Corolla, o que representa menor impacto nas contas da fabricante. Ainda assim, a Toyota cobra a atualização da tabela para o benefício. 

Desde 1995, a legislação brasileira prevê a aplicação de isenção de tributos -- IPI, ICMS, IOF e IPVA são os principais -- para portadores de necessidades especiais que compram um carro zero-quilômetro. Há muita burocracia no processo e um entrave claro: o modelo pretendido pode custar máximos R$ 70 mil. 

Novamente: R$ 70 mil, limite estabelecido há um bom tempo e que, segundo os fabricantes de automóveis, está totalmente desatualizado e serve como bloqueio para a ampliação e a própria manutenção dos programas especiais.

Se um carro inserido no programa custar mais de R$ 70 mil, apenas a isenção do IPI pode entrar no cálculo, o que derruba proporcionalmente o interesse público. Dentro do limite, como UOL Carros já mostrou, o desconto total com todas as isenções de taxas e impostos pode chegar a 20%, 25% do valor do carro, um ótimo negócio.

Claro, o comprador precisa cumprir uma série de requisitos e atravessar um checklist burocrático que pode levar seis meses, além de se obrigar a ficar de seis meses a dois anos com o carro comprado, sob pena de cometer crime de evasão fiscal. A gente tem um guia falando disso tudo e o link está aqui.

Mas o fato é que, na crise de vendas, diversas fabricantes se valeram das vendas especiais para frotistas e para PCD para alavancar seus números, como também mostramos aqui.

Foi o caso do "Corolla GLI Tecido" de R$ 69.990 que virou febre: com isenções, sairia por pouco menos de R$ 55 mil. Mas que poderia também parar na garagem de qualquer consumidor disposto a esperar quase um ano e pagar o preço de R$ 70 mil -- vantagem imensa ao se considerar que o sedã mais barato na tabela padrão custava quase R$ 92 mil.

O Yaris mais cotado para o PCD é o sedã do segundo pacote -- Yaris Sedan XL 1.5 CVT --, que tem preço inicial de R$ 68.690, motor de 110 cv e 14,9 kgfm (do Etios) e câmbio CVT Multidrive (do Corolla), bem como 473 litros de porta-malas.

Claro, não é nem de perto o mesmo tipo de oferta do Corolla GLi Tecido, que era mais forte (144 cv, 18,6 kgfm), mais espaçoso (o Yaris é idêntico ao Etios e tem 18 cm a menos de espaço entre-eixos para o Corolla) e menos classudo. Mas é o retorno da marca a um dos principais filões do mercado atual de carros. E tinha muita gente esperando por este movimento. 

Mais Seu Automóvel