Topo

Segredos automotivos

Volkswagen T-Cross: vimos SUV de perto e revelamos mais alguns segredos

Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/05/2018 04h00

Flagramos dois protótipos do modelo que chega em 2019 para encarar Renegade, HR-V, Kicks, Creta e cia; veja o que descobrimos

Início da tarde de terça-feira (29). A equipe de UOL Carros rodava tranquilamente na rodovia Caminho do Mar, voltando de uma sessão de fotos, quando se deparou com dois protótipos do Volkswagen T-Cross.

O SUV compacto que a marca alemã exibirá pela primeira no Salão de São Paulo de 2018, em novembro, começa a ser produzido em São José dos Pinhais (PR) em janeiro de 2019. Objetivo é ter um rival para Jeep Renegade, Honda HR-V, Nissan Kicks e similares até o fim do primeiro trimestre do ano que vem.

Murilo Góes, nosso repórter fotográfico, registrou com seu celular imagens de diferentes ângulos dos dois exemplares, ambos parcialmente camuflados. São elas que compõem o álbum que abre esta reportagem. O motorista da primeira unidade flagrada logo entrou numa estrada vicinal de terra. Provavelmente fazia testes relacionados ao conjunto de suspensões.

Eis o que conseguimos perceber ao encarar o T-Cross de pertinho:

Veja mais

Tiguan é o primeiro novo SUV da VW; veja como ficou
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

1. Bom porte

A Volkswagen realmente se esforçou para tornar seu SUV compacto uma referência em espaço interno, tal qual fez com o Virtus. Não é à toa que o T-Cross herdará do sedã o entre-eixos de 2,65 metros. Tal dimensão só não é maior que a dos 2,67 metros de Renault Captur e Duster.

Os 2,56 metros de entre-eixos do Polo ficarão reservados ao crossover de porte menor que o T-Cross a ser produzido em São Bernardo do Campo (SP), em 2020.

Lembrando que todos esses modelos da Volkswagen utilizam/utilizarão a matriz modular MQB A0, que dará vida ainda a um quinto produto, uma picape compacta-média derivada do T-Cross.

Voltando ao SUV, ele aparenta ter ótima largura, talvez 1,80 metro aproximadamente sem contar os retrovisores. Só que não é tão longo e alto assim: apostaríamos em cerca de 4,25 metros e menos de 1,60 metro nessas duas dimensões, respectivamente.

Murilo Góes/UOL
Por este ângulo é possível perceber o estilo "larguinho" e a presença de guias de LED nas lanternas do T-Cross Imagem: Murilo Góes/UOL

2. Estilo "caixotinho"

Curioso observar que o T-Cross possui traços mais "quadrados" do que rivais como Honda HR-V e Nissan Kicks. Pelas imagens é possível perceber que segue um pouco mais o caminho do Renegade. Há leve caimento "flutuante" do teto, mas ao mesmo tempo os vincos laterais são bastante retilíneos.

No balanço traseiro, os para-lamas se tornam ligeiramente mais abaulados e dão certa proeminência às lanternas, tal qual ocorre com o Tiguan. Ainda assim, o T-Cross se notabiliza mesmo é por sua largura, que o torna um tanto "parrudinho".

Isso confere a ele um "jeitão" típico de crossover. Todavia, barras longitudinais de teto e apliques contornando a carroceria de um para-choque ao outro, pegando também para-lamas e portas laterais, dão a "pitada" utilitária e aventureira que a Volkswagen pretende.

Divulgação
Teaser da Volkswagen antecipa como será a silhueta do SUV Imagem: Divulgação

3. Fôlego e versatilidade

Quando o motorista de um dos protótipos percebeu que estava sendo fotografado, acelerou a fim de desgarrar de nosso carro. Ali foi possível constatar que fôlego não faltará ao T-Cross, pelo menos nas versões de topo.

UOL Carros aposta cada vez mais no uso do propulsor 1.4 turboflex de 150 cv e 25,5 kgfm com etanol, acoplado a câmbio automático de seis marchas da Aisin. Nas configurações mais baratas deve pintar o 1.0 turboflex (128 cv e 20,4 kgfm).

Ao tentar fugir do flagra uma das unidades camufladas encarou asfalto esburacado e um trecho de terra com relativa valentia. Isso dá uma pequena mostra de que ele terá certa versatilidade e robustez.

De toda forma, suspensões devem seguir o mesmo padrão de Polo e Virtus, com jogo tipo McPherson à frente e eixo de torção na traseira. Tração será sempre dianteira. Tração integral 4Motion devem seguir reservadas a modelos mais caros -- como o futuro rival de Compass, Equinox, Tucson e companhia a ser preparado na Argentina, e o próprio Tiguan R-Line.

Murilo Góes/UOL
T-Cross demonstrou agilidade e ótimo fôlego para fugir de nosso flagra. Desempenho reforça nossa aposta no uso do motor 1.4 turboflex de 150 cv com etanol Imagem: Murilo Góes/UOL

4. Grade, faróis e rodas 

Nossa reportagem observou que não havia LEDs nos faróis dos protótipos flagrados. Tal qual no Polo e no Virtus, a luz diurna por diodos deve ser posicionada mais abaixo no balanço dianteiro, em um nicho do para-choque. Já os faróis, propriamente, possuem estilo similar ao de hatch e sedã, com divisões internas cromadas entre as parábolas formando paralelogramos.

Lanternas, estas sim, pareciam contar com guias de LED e formato retangular, quase quadrado.

Grade estava muito bem escondida pela camuflagem emborrachada, mas conseguimos sacar a presença de divisórias em formato de colmeias e com acabamento em preto brilhante, sendo bastante próximas às do conceito T-Cross Breeze, apresentado no Salão de São Paulo de 2016.

Rodas eram de liga leve aro 17, com um desenho distinto de qualquer outro modelo da Volkswagen oferecido atualmente. Estarão elas presentes no T-Cross de produção? Talvez, mas fica claro que falta ainda dar a elas o acabamento definitivo.

Newspress
Conceito T-Cross Breeze, de 2016, dá indícios de como será a grade e o posicionamento da luz diurna em LED no modelo de produção Imagem: Newspress

5. E por dentro? E os preços?

Bem, os protótipos contavam com películas que tornavam impossível enxergar a cabine, mas é possível prever que o T-Cross replique o painel "ziguezagueado" de Polo e Virtus, deixando os comandos da porção central voltados ao motorista. No entanto, espera-se o uso de materiais um pouco mais sofisticados em pelo menos parte das guarnições.

O T-Cross deve contar com tecnologias como controles de estabilidade, assistência de frenagem pós-colisão, central multimídia com projeção de celulares e quadro de instrumentos 100% digital. Preços? A fabricante guarda bastante segredo a respeito, mas certamente ficarão na faixa entre R$ 70 mil e R$ 100 mil, como os rivais.

Mande flagras por e-mail ou no nosso novo WhatsApp

Se você fotografar ou filmar um carro diferente e/ou camuflado, envie para UOL Carros, com seu nome completo, RG e/ou CPF, telefone, cidade de residência e local do flagra. A critério da Redação, elas podem ser publicadas, sempre com o devido crédito ao autor. Não há remuneração.

UOL Carros também usa o WhatsApp como forma de receber suas imagens: basta adicionar o +55 11 9-7670-4028. Segue válida a forma por e-mail uolcarros@uol.com.br.

Mais Segredos automotivos