Topo

Testes e lançamentos

Avaliação: Ford Ka Freestyle AT quer ser "hatch utilitário" por R$ 67.990

Leonardo Felix

Do UOL, em Tatuí (SP)

28/05/2018 00h00

Ford cria termo novo, mas compacto é um "aventureiro", mesmo, e estreia novo visual do hatch em julho

O Ford Ka se tornou praticamente o "ganha-pão" da marca americana no Brasil. Com o EcoSport eclipsado por outros SUVs compactos -- embora ainda sustente um volume razoável de emplacamentos --, Fiesta, Focus e Edge quase desaparecidos, Fusion enfraquecido por SUVs médios, além da Ranger em plano secundário entre picapes médias, fica por conta do pequeno hatch segurar a marca na parte de cima do ranking.

Mas basta fazer as contas: é preciso vender três Ka a cada Jeep Compass para obter o mesmo faturamento, e ainda com margem de lucro menor. Como se manter viva no jogo? Preenchendo lacunas com lançamentos. Assim, a Ford vai colocar nas ruas em julho a linha 2019 de Ka hatch e sedã, que terá como estrela a inédita versão Freestyle. Nesta segunda-feira (28), começa a pré-venda da versão, com sinal de R$ 2 mil e promessa de gratuidade nas três primeiras revisões. Pintura branca custará R$ 500 e opções metálicas, R$ 1.300.

Veja mais

+ Toyota Yaris chega em junho
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Qual é a do Ka altinho

Seu objetivo será encarar Chevrolet Onix Activ e Hyundai  HB20X numa faixa mais alta de preços: R$ 63.490 para a configuração com câmbio manual de cinco marchas (nova caixa, 9 kg mais leve e teoricamente mais eficiente que a antecessora); R$ 67.990 para a configuração automática (seis velocidades, mesmo câmbio do EcoSport). Motor é sempre o 1.5 3-cilindros flex de 136 cv com etanol.

Mas espera lá: será que ainda há espaço para o sucesso de um compacto aventureiro? Executivos da montadora garantem que sim.

"Hoje esse tipo de versão responde por apenas 5% de todo o mercado de compactos no Brasil, mas tem potencial para passar de 20%", estima Mauricio Greco, diretor de marketing da companhia. O executivo não abriu metas de vendas, mas deixou escapar que a marca espera atingir patamar semelhante ao dos rivais, justamente na faixa entre 15% e 20% de participação.

Curioso é que a Ford tem feito todos os malabarismos possíveis para chamar o Ka Freestyle de qualquer coisa que não seja hatch aventureiro: CUV (sigla em inglês para "veículo utilitário crossover", mais adequada a modelos como EcoSport, HR-V e Nissan Kicks do que ao Ka) e "hatch utilitário" são as expressões favoritas.

UOL Carros seguirá cartilha do mercado e vai chamá-lo de hatch aventureiro mesmo, já que o carro é "altinho" e tem adereços plásticos, definidores do nicho.

Murilo Góes/UOL
Para-choque traseiro mais proeminente deixou Ka Freestyle 7 cm mais comprido do que a linha 2018 do hatch Imagem: Murilo Góes/UOL

O que ele tem

Aventureiro ou utilitário, fato é que o Ka Freestyle chega ocupando patamar tecnológico acima de seus principais concorrentes, Onix Activ, HB20X, Renault Sandero Stepway e afins. Nossa reportagem experimentou a configuração automática no campo de provas da Ford, em Tatuí (SP), e conheceu seus predicados.

Primeira boa notícia vem na parte de segurança. A versão virá equipada de fábrica com seis airbags (frontais, laterais e de cortina), controles de estabilidade e tração, auxílio à partida em rampas e assistente anticapotamento (um sensor de ângulo de deriva estima o grau de inclinação nas curvas e atua nos freios para corrigir eventuais riscos).

Mais importante ainda, a Ford resolveu se mexer após a nota zero no teste de impacto lateral do Latin NCAP e aplicou reforços à carroceria do Ka: barras protetoras nas portas laterais (só as dianteiras, frisamos) e aços com maior grau de rigidez (chapas até 1,2 mm mais espessas) para coluna B, pilares do teto e assoalho da fileira traseira.

Pacote de equipamentos traz ainda alarme, trio elétrico (com repetidores de luzes de seta nos retrovisores externos), ar-condicionado manual, sensores traseiros de estacionamento, câmera de ré, cintos de três pontos e apoios de cabeça em todas as posições, pontos de fixação para cadeirinhas infantis (Isofix), bancos revestidos parcialmente em couro sintético e a excelente central multimídia Sync 3 -- tela tátil de 6,5 polegadas, projeção de celulares e possibilidade de instalar aplicativos.

Ou seja, o modelo é bem servido, embora não apresente nenhum item revolucionário.

Murilo Góes/UOL
Painel da versão Freestyle não é tão diferente do Ka que já conhecemos, porém com tela flutuante e um jogo de botões mais bem organizado. Predominância do tom marrom causa certo estranhamento Imagem: Murilo Góes/UOL

Desempenho e dinâmica: pontos altos

Motor 1.5 Ti-VCT tem tecnologia avançada e atualizada: tricilíndrico, 12V, é dotado de controle independente de comandos de admissão e escape, coletor integrado ao cabeçote, bomba de óleo variável com dois estágios de controle de pressão e sistema de pré-aquecimento que dispensa o tanquinho de partida a frio.

Com isso, demonstra ótimo fôlego e elasticidade para um carro que pesa cerca de 1.100 kg. São 128/136 cv de potência (a 6.500 rpm) e 15,6/16,1 kgfm de torque (a 4.750 rpm), na medida para uso em ambiente urbano e rodoviário.

O escalonamento do câmbio automático de seis velocidades, com relação mais longa nas três primeiras marchas em relação ao EcoSport, deixa as arrancadas e retomadas mais suaves do que se esperaria. Parece uma decisão acertada, pois prioriza conforto e consumo de combustível especialmente na estrada. De acordo com a montadora, modelo alcançou 12,3 km/l com gasolina em rodovia no programa de etiquetagem do Inmetro.

Direção, com assistência elétrica progressiva, poderia ser um pouco mais precisa, mas está bem ajustada e conta com auxílios antivibração e de compensação de esterço em pisos inclinados, ambos muito bem-vindos. Pena que o volante tenha empunhadura grossa demais, o que atrapalha a pegada. Isolamento acústico apresenta bom nível para um compacto, graças à aplicação de materiais antirruído em para-brisa, buchas de suspensão, cofre do motor, caixas de roda e assoalho.

Apesar da altura de 18,8 cm em relação ao solo -- 1,7 cm a mais do que o atual Ka, o que proporciona bons ângulos de ataque e saída para encarar valetas, lombadas e desníveis --, o Ka Freestyle segura de maneira surpreendente a inclinação em curvas, fruto do bom trabalho aplicado às suspensões. Jogo dianteiro tipo McPherson conta com barra estabilizadora mais grossa do que a linha anterior, enquanto eixo de torção traseiro está 30% mais rígido.

Durante pequeno teste feito em pista de terra batida e cascalho, sentimos que o conjunto está, de fato, melhor calibrado e mais silencioso para encarar até aquele caminho de terra batida, bem levezinho, entre a estrada e o sítio, além de dificilmente acusar fim de curso. Por outro lado, o uso de pneus de uso urbano e baixa resistência ao rolamento compromete a aderência fora do asfalto e nos levou até a derrapar.

Segundo a Ford, a decisão de usar esse tipo de pneu e não um de uso misto, como acontecia com o extinto Ka Trail, se deu porque "85% da utilização" do modelo ocorrerá em perímetro citadino.

Murilo Góes/UOL
Altura do solo elevada em 1,7 cm ajuda modelo a lidar melhor com terrenos acidentados, e suspensões mais firmes seguram bem a inclinação da carroceria Imagem: Murilo Góes/UOL

E a cara nova?

Se o carro é predominantemente da cidade, então por que apelar a apliques de plástico por toda a extensão da carroceria, às barras longitudinais de teto e a soleiras nas portas? Estes velhos penduricalhos de utilidade questionável -- e que, além de tudo, comprometem peso e eficiência aerodinâmica do modelo -- passam longe do ar inovador que a Ford quer conferir ao modelo. Acabamento em preto brilhante para grade e capas de retrovisores são outros elementos exclusivos da linha aventureira.

Seja como for, visualmente a versão antecipa elementos reestilizados que estarão presentes em todas a linha do Ka 2019: faróis internamente rearranjados, grade hexagonal ligeiramente afilada, para-choque dianteiro redesenhado e para-choque traseiro mais abaulado. Esta última interferência promoveu um ganho de quase 7 cm em comprimento, para 3,95 metros.

Por dentro, acabamento "diferenciado", nas palavras da Ford, não convence totalmente. A receita é similar àquela vista no EcoSport Storm: painel em tom marrom escuro causa certa estranheza e não disfarça a simplicidade do plástico rígido -- que possui textura honesta, verdade. Revestimento em imitação de couro e com tecido canelado e estilizado por frisos alaranjados e cinzas dá o tom nos bancos. O forro de teto, preto, é fundo demais e não dispõe de alças de segurança.

No fim, os pontos altos da cabine são o ótimo aparador de celular, as duas entradas USB iluminadas e a boa disponibilidade de porta-objetos.

Como no Ka atual, são 2,49 metros de entre-eixos, o que deixa as pernas dos ocupantes da fileira traseira no aperto. O porta-malas de 257 litros não é amplo como o de rivais, mas pelo menos tem um interessante tapete emborrachado na base, que ajuda a proteger a integridade de objetos nas curvas.

Apesar dos vacilos e limitações, o Ka Freestyle chega ocupando degrau superior ao de outros compactos aventureiros em termos de tecnologia, segurança e desempenho. E sem cobrar mais por isso, pelo menos por enquanto. A ver se, neste momento tão delicado da Ford no Brasil e no mundo, a linha aventureira ajudará a fabricante a reencontrar o caminho da prosperidade no Brasil.

Com cinco Ka Freestyle você compra um Mutangão; conheça

UOL Carros

Mais Testes e lançamentos