Topo

Mobilidade

"Eletrovia" Rio-SP prevista para março atrasou para crescer mais, diz BMW

Eduardo Anizelli/Folhapress
Rede ficará dentro de postos comuns de combustível Imagem: Eduardo Anizelli/Folhapress

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

27/04/2018 12h00

Postos de recarga para carros elétricos ao longo da Via Dutra não têm nova data para funcionar; fabricante alemã diz que será "em breve"

Projetada para ser a primeira "eletrovia" em funcionamento no país, a rede de postos de recarga para carros elétricos entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo atrasou. O prazo para inauguração venceu em março, e a BMW (principal empresa envolvida no projeto) afirmou a UOL Carros que não vai divulgar uma nova data, por enquanto.

Nesse meio tempo, o Paraná ficou com a "primazia" de inaugurar dois postos de recarga e ter, assim, a primeira eletrovia do Brasil.

Segundo a comunicação da fabricante alemã, o projeto inicial atrasou porque a precisou crescer por conta da demanda de energia, mas a questão está resolvida e as obras estão "na etapa final". "Esse aumento de demanda já foi solucionado e os carregadores estão em processo de instalação em seis postos da Rede Ipiranga", aponta o comunicado da BMW enviado a UOL Carros.

Veja mais

Quem paga a conta do desenvolvimento de carros e tecnologias no Brasil?
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Demanda ampliada

Seguindo o projeto inicial, a eletrovia do eixo rodoviário da rodovia Presidente Dutra (BR-116) terá seis pontos de recarga para carros elétricos -- três deles no sentido SP-Rio e outros três no sentido Rio-SP, cobrindo 430 quilômetros em cada trecho. Todos serão integrados a postos convencionais de combustível da Rede Ipiranga, que é parceira da BMW no negócio.

Informações iniciais davam conta de que falta de regras públicas para a carga e a cobrança pelo serviço de abastecimento de elétricos -- um dos pontos que podem ou não estar contemplados no "Rota 2030" -- teria contribuído com o atraso, mas a BMW descartou essa hipótese. O atraso ocorreu porque a demanda inicialmente planejada se mostrou aquém da realidade.

Pelo projeto, pelo menos dois carros podem ser carregados em cada ponto por vez (mas a empresa diz esperar mais do que esse tráfego simultâneo). Mas o que não foi dimensionado de forma correta foi a tensão adequada para que "a luz não caia" caso a procura seja alta, sobretudo nos horários de pico.

"Redimensionamos a demanda pré-contratada na rede elétrica para que funcione sem queda de energia, mesmo com operação 24 horas com forte demanda e mesmo nos horários de pico", apontou a BMW.

Esse contrato de fornecimento de energia de pontos de recarga é feito, claro, com as operadoras de cada Estado. No caso dessa eletrovia, a Light abastece os trechos no RJ, tendo a Eletropaulo como responsável pelo fornecimento em SP.  

"Visitas técnicas realizadas nos pontos escolhidos apontaram a necessidade de atualização da infraestrutura elétrica dos postos de combustível parceiros do projeto, exigindo aumento de demanda da rede e instalação de equipamentos adicionais ao inicialmente planejado", explicou também a BMW. "Os carregadores estão em processo de instalação em seis postos da Rede Ipiranga, com uma distância máxima de 100 km entre eles, permitindo uma direção 100% elétrica entre as duas capitais".

Copel
Eletrovia do PR foi feita em parceria pelo governo estadual, Copel (companhia de eletricidade local) e ABB Imagem: Copel

Recarga rápida

Além de BMW e Ipiranga, a EDP (empresa portuguesa do setor de eletricidade) está no projeto, fornecendo totens e rede de recarga. Pelas contas iniciais, o projeto terá custo total de R$ 1 milhão -- bem abaixo dos R$ 5,5 milhões investidos nos oito postos da eletrovia paranaense, que vai ligar Paranaguá a Foz do Iguaçu (por ora, apenas as estações de Curitiba e Paranaguá estão ativas).

Nenhuma das empresas divulgou a localização exata dos pontos na Dutra, mas a BMW garante que todos serão instalados próximos a retornos e dentro de postos com ampla oferta de serviços. Cada posto de recarga promete ter ainda diferentes tipos de bocais para atender a modelos elétricos e híbridos plug-in de diferentes marcas, não apenas da BMW.

Ainda de acordo com a montadora, o ponto de recarga será de altíssima velocidade: será possível realizar uma recarga rápida de até 80% das baterias do carro em 25 minutos, "tempo suficiente para aproveitar e tomar um cafezinho ou fazer uma refeição rápida". É o mesmo tempo previsto para os postos da eletrovia do PR.

Além do projeto da eletrovia, a BMW afirma ter pontos de recarga montados em parceria com supermercados, shopping-centers e lanchonetes em pelo menos 70 localidades de diferentes cidades do Brasil.

Mais Mobilidade