Topo

Cultura do carro

Você teria braço para manter um "muscle car" manual sob controle?

Reprodução
Ford Mustang foi uma das verdadeiras estrelas do filme "Bullitt", de 1968 Imagem: Reprodução

Chico Barbosa

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

13/04/2018 04h00

Poucos de nós, motoristas de carros urbanos e automáticos, conseguiriam realizar esta façanha atualmente

Uma das cenas mais emblemáticas envolvendo carro e cinema traz o cultuado ator Steve McQueen e um intempestivo e saltitante Ford Mustang pelas ruas de São Francisco, em uma verdadeira caçada a dois sujeitos que estão em um Dodge Charge.

Diz a história que as cenas foram todas reais, sem dublês ou manipulação das imagens. Durante a perseguição, só se ouve os pneus cantando no asfalto e o motor V8 urrando feito um felino enraivecido. Nada de diálogos, nem trilha sonora.

Há momentos em que o espectador passa a fazer parte da cena, sentindo-se dentro do carro. Exagero? Confira você mesmo a cena que tem mais de 10 minutos.

Veja mais

+ Novo Mustang, R$ 299.000, cativa com tecnologia... e com o V8
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Controle nas mãos

Com todo o respeito ao mito McQueen, "mero" coadjuvante, os atores principais do filme foram um Ford Mustang  GT 390 e um Dodge  Charger RT 440. A rigor, foram utilizados dois exemplares de cada modelo, porque as filmagens fizeram os personagens suarem feito maratonistas em prova de país tropical. Diz a lenda (que interessa mais que os fatos, admitamos) que os carros chegaram a atingir 200 km/h naquela disputa típica de "Tom e Jerry".

Algum de nós, que estamos aqui no trânsito esperando calmamente a boa vontade de uma transmissão automática avançar e recuar as marchas, consegue se imaginar domando aqueles carros no braço? Difícil, hein?

Ainda mais com o animal motorizado saltando como se tivesse molas em vez de pneus, invertendo o sentido da direção repentinamente como se feito de borracha, peito, digo, capô inflado, pedindo mais. Tem momento em que é preciso ter sangue nas veias para tomar a decisão, guiada no calor das horas pelo instinto, e não pela razão. E para isso nada melhor do que ter total domínio da alavanca de câmbio com as próprias mãos.

Não por acaso, na edição comemorativa aos 50 anos do filme "Bullitt", a Ford relançou série limitada do Mustang (agora o de nova geração), denominada Bullitt, equipada com uma insuspeita transmissão manual. E, comprovando que a deferência ao modelo que inspirou é no conceito e na estética também, a manopla do câmbio ganhou uma bola branca, no mesmo estilo daquela que Steve McQueen domou impiedosamente pelas charmosas ruas de São Francisco.

* Chico Barbosa, autor do blog "Car & Fun", é jornalista e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, editor da "CBNEWS Books" (especializada em livros sobre cultura automotiva) e editor contribuinte de Motor da revista "VIP"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Cultura do carro