Topo

Salão de Nova York

Novo Toyota Corolla é real; veja spoilers que hatch entrega do nosso sedã

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/03/2018 04h00

Décima segunda geração do modelo médio surge como carro de produção em carroceria hatch no Salão de Nova York

Agora é real: a 12ª geração do Toyota Corolla apareceu em sua carroceria definitiva no Salão de Nova York 2018, realizado nesta semana. Em Genebra, no início do mês, o carro já dera as caras como conceito (sob a alcunha Auris, como a variante hatch da família de médios é conhecida na Europa).

Sim, esta é apenas a derivação hatchback, que muito provavelmente -- podemos afirmar com 99,999% de certeza -- não será vendida no Brasil. Só que a plataforma é a mesma do futuro sedã, assim como o visual (principalmente da ponta até a coluna B) e a motorização também têm tudo para seguirem o mesmo caminho.

Portanto, veja os spoilers que o exemplar azul piscina mostrado nos Estados Unidos nos dá a respeito do futuro Corolla sedã brasileiro.

Veja mais

+ RAV4 bebe de várias fontes visuais e ganha tecnologias inéditas
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter 

Pistas sobre o Corolla brasileiro

O Corolla se tornará ainda mais global. Compare a dianteira dos hatch americano e europeu e veja como estão quase idênticas, exceção apenas ao número de projetores e guias em LED nos faróis.

É uma ótima notícia para nós, brasileiros. Por quê? Porque indica que o sedã deve seguir no mundo todo a mesma linha visual em relação à porção dianteira. Ou seja: nosso três-volumes não terá muito para onde fugir, e seguirá proposta estética bastante similar à dos modelos europeu e americano.

Divulgação/Arte UOL
Quando comparamos o Auris europeu (esq.) ao novo Corolla hatch americano (dir.), observamos que o visual é praticamente idêntico, mudando apenas a quantidade de projetores e guias em LED nos faróis Imagem: Divulgação/Arte UOL

Também será padronizado na América do Norte e no Velho Continente o uso do novo motor 2.0 4-cilindros naturalmente aspirado com 40% de eficiência térmica e dotado de "tecnologias redutoras de tamanho, peso e perda [de energia]".

Ele estará acoplado a câmbio manual de seis marchas ou à inédita caixa "CVT-DSG", que utiliza uma "engrenagem de partida". para fazer a transmissão inicial de torque às rodas no momento da arrancada, passando às polias do CVT convencional apenas com o veículo já em movimento.

Também haverá uma configuração híbrida utilizando o mesmo trem-de-força do Prius -- 1.8 + motor elétrico + câmbio CVT --, porém "com mudanças significativas", segundo executivo da marca ouvido por UOL Carros no Salão de Genebra.

Embora não pudesse, por estratégia, revelar qual o tamanho da mexida, o executivo apontou que ela seria vista em outros mercados, certamente. 

Se o Corolla vai utilizar essa mesma motorização em tantos mercados, por que não no Brasil? É provável que a Toyota siga o mesmo caminho por aqui, especialmente se o "Rota 2030" sair do papel -- algo que, ao que parece, enfim está para acontecer -- e exigir novas metas de eficiência energética por parte das fabricantes.

Como apontamos, o 1.8 híbrido flex que está sendo testado neste momento tem tudo para estar no novo Corolla brasileiro. Resta aguardar também por esse novo 2.0.

Lembrando que, no Brasil, o Corolla foi atualizado em março de 2017 e, portanto, terá pelo menos mais dois anos de vida útil antes de trocar de geração. Não espere, portanto, ver um Corolla com a cara desse hatch aí em nossas ruas antes de 2020. Melhor contermos a ansiedade.

Mais Salão de Nova York