Topo

Seu Automóvel

Toyota Corolla para PCD acabou; alternativa é quase R$ 30 mil a mais

Murilo Góes/UOL
Toyota Corolla GLi Tecido: versão foi definitivamente extinta da gama Imagem: Murilo Góes/UOL

Alessandro Reis

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

09/03/2018 04h00

Versão GLi Tecido teve últimas unidades entregues em fevereiro. Marca agora oferece descontos à versão XEi

O Toyota Corolla GLi Tecido, versão criada para atender clientes PCD (pessoas com deficiência), não existe mais. UOL Carros apurou que a fabricante iniciou a entrega do último lote de unidades no dia 20 de fevereiro e, depois, finalizou a produção.

Os últimos exemplares servirão a atender clientes que já estavam na fila de espera pelo menos desde agosto de 2017. Foi nesse período que, devido à demanda quase incontrolável pela versão, a fabricante já havia decidido encerrar os pedidos.

Ainda é possível encontrar alguma unidade dando sopa em concessionária sem ter feito a reserva, caso o consumidor que estava na fila tenha desistido da compra. Mas se prepare: provavelmente os lojistas só fecharão a venda com ágio e inclusão de acessórios.

Veja mais

+ Acelerar e frear com as mãos: como é dirigir um carro para PCD
+ Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
+ Instagram de UOL Carros
+ Siga UOL Carros no Twitter
+ Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a TabelaFipe

Bombou tanto que ficou inviável

Havia dois grandes atrativos no Corolla GLi Tecido. O primeiro, claro, era o preço: R$ 69.990 -- praticamente o teto permitido para concessão integral de isenções tributárias --, podendo chegar a menos de R$ 55 mil quando aplicados os descontos totais de IPI, IPVA e ICMS.

Entretanto, o grande frisson foi provocado pelo fato de a versão ter estado disponível a qualquer comprador, mesmo que não fosse PCD. Muita gente se interessou pela etiqueta quase R$ 20 mil abaixo da segunda versão mais barata da gama, a GLi Couro, ainda que com perda de equipamentos tais quais sistema de som, rodas de liga leve e revestimento em couro dos bancos.

Com um descontão daqueles, quem se importaria em comprar um carro um pouco mais "pelado", não é mesmo? Só que aí a procura ficou muito acima do que a montadora podia -- e queria -- atender. Afinal, veículos configurados para PCD rendem margem de lucro menor e, portanto, costumam ter produção e venda bem mais controlados.

Alternativa temporária

Para atender à demanda específica de clientes PCD "órfãos" da versão GLi Tecido, a Toyota optou por outro caminho, pelo menos momentaneamente: oferecerá até dia 30 de junho o Corolla XEi, versão intermediária do sedã, com desconto.

Funciona assim: ao invés de pagar R$ 104.850, o preço de tabela, deficientes terão um valor base de R$ 94.362,88 pela versão, desconto de 10% referente à isenção de IPI. Porém, como o valor continua acima de R$ 70 mil, não permite abatimento de ICMS. Para compensar, a Toyota oferecerá um desconto extra de 12%, baixando o preço final a aproximadamente R$ 83 mil.

Um alento, claro, mas ainda assim R$ 28 mil acima dos R$ 55 mil cobrados pela versão GLi Tecido com todas as isenções.

A única vantagem é que o cliente PCD levará para casa um carro mais equipado: bancos de couro, ar-condicionado digital, sete airbags, volante multifuncional, central multimídia com câmera de ré, sensor de chave, partida do motor por botão, rodas de liga leve aro 17, luzes diurnas em LED e faróis de neblina são alguns dos itens de série.

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação da Toyota informou que, "conforme informado no ano passado, o estoque ainda existente da versão GLi Tecido está destinado prioritariamente aos pedidos realizados por consumidores até agosto do ano passado".

Também reitera que "não há, até o momento, planos de retomar a venda desta versão abaixo dos R$ 70 mil". Por fim, informa que "não há definição sobre qual será a política de PCD do Corolla depois de 30 de junho", quando termina a promoção vigente para a versão XEi.

Mais Seu Automóvel