Topo

Salão de Genebra

Volkswagen reage: T-Cross surge disfarçado em Genebra; Tiguan vem reforçado

Acredite: Skoda Vision X Concept (acima) "esconde" um dos carros mais importantes do ano para o Brasil

Fernando Calmon, Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Pulo (SP)

28/02/2018 04h00Atualizada em 28/02/2018 15h18

Alemães vão fechar brechas no segmento de SUVs compactos com pelo menos três forças e opções para cinco e sete pessoas

O segmento de SUVs, sobretudo compactos, reúne os principais esforços das fabricantes globalmente atualmente. No Brasil, pega fogo há pelo menos três anos, com novidades constantes e briga apertada pela liderança. Ainda assim, a Volkswagen se mantinha estacionada, ofertando apenas o Tiguan antigo. Já alertamos que isso vai mudar e agora podemos indicar que será algo para breve: a marca vai mostrar, no Salão de Genebra, indícios do Volkswagen T-Cross, sua aposta no segmento.

Indícios? Vamos explicar. O evento suíço, que acontece entre dias 8 e 18 de março, mostrará o equivalente ao Volkswagen T-Cross para a Europa. No caso, será o ainda conceitual Skoda Vision X Concept, SUV que terá a mesma distância entre-eixos do sedã Virtus, recém-lançado aqui no Brasil: 2,65 metros. 

Linhas terão alguns disfarces típicos de carros-conceitos, mas o modelo está praticamente em sua forma final -- o interior, por exemplo, está definido. O carro de produção baseado no Skoda Vision X está programado para ser revelado no Salão de Paris, em outubro.

Já a versão da Volkswagen, o T-Cross, vai aparecer globalmente pouco depois, em novembro, no Salão do Automóvel de São Paulo.

Veja mais

+ BMW X2 já roda em testes no Brasil
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Com 4,20 m de comprimento (Honda HR-V tem 4,29 m, mas entre-eixos menor, de 2,61 m; Hyundai Creta tem 4,27 m e 2,59 m), o modelo da Volkswagen terá estilo assinado pelo brasileiro Arnaldo Cruzeiro e seu visual e caraterísticas foram pensados para encarar, na medida, os expoentes atuais do segmento. Alguns elementos do que se verá no SUV de produção já foram vistas no conceito T-Cross Breeze, conversível que surgiu no último Salão de São Paulo, em 2016. 

Chegada às lojas, porém, fica para o primeiro trimestre de 2019: a produção inicial (SOP) está agenda para começar em 1º de janeiro, em São José dos Pinhais (PR). Na Europa, o modelo da Skoda começa a ser fabricado em novembro e colocado nas lojas no final de 2018 ou comecinho de 2019.

Como ocorreu com o Polo, as datas de lançamento europeu e nacional serão muito próximas -- a diferença, neste caso, é que cada mercado verá o SUV com uma marca diferente.

Murilo Góes/UOL
Diversos elementos do Volkswagen T-Cross foram adiantados pelo conceito Breeze, em 2016 Imagem: Murilo Góes/UOL

Andar de cima

Não para aí: o "andar de cima", dos compactos premium será ocupado com opções de cinco e sete lugares. Já se sabia, por exemplo, que a nova geração do Tiguan chegaria importada do México (não mais da Alemanha) em configuração para sete passageiros e entre-eixos longo, de 2,79 m.

Interessante, porém, é que o Brasil receberá também, ainda em 2018, versão para cinco passageiros. Detalhe: diferentemente do que ocorre na Europa, o Tiguan mexicano para cinco pessoas não terá entre-eixos menor (2,68 m): serão mantidos os 2,79 m, abrindo um bom espaço para ocupantes e bagagens.

Volkswagen notou que o mercado muito aquecido não permite muito mais tempo de espera. Ou seja, a marca não poderá aguardar pelo início da fabricação do "projeto Tarek", na Argentina, em 2020. 

Com isso, o mercado será do novo Tiguan em duas variações, até que a solução local esteja pronta. Depois, gradualmente, será feita a troca do Tiguan de cinco lugares pelo novo modelo.

Tarek ou Teramont?

Esse SUV feito na Argentina terá o tal entre-eixos curto (2,68 m -- o mesmo do novo Jetta, aliás), espaço para cinco passageiros, mas é possível que seu nome de projeto não seja mantido.

Teramont é um nome mais adequado para o mercado local e já foi registrado pela Volkswagen no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) no início deste ano. A informação de que a nomenclatura havia sido registrada no instituto brasileiro de patentes fez muita gente cravar que outro SUV novo da Volks, o grandalhão Atlas, seria vendido por aqui batizado desta forma, uma vez que é assim que ele é vendido na China.

Acontece que o Brasil também pode receber, no futuro, o modelo maior dos Estados Unidos, onde é fabricado. Desta forma, não compensaria haver a troca do nome Atlas para outro em uma linha de produção já em andamento. Mas faz sentido usar um nome que já é da marca -- e que tem mais força, como é o caso de Teramont -- para registrar um novo produto por aqui.

Mais Salão de Genebra