Topo

Seu Automóvel

Fiat Palio desaparece de site da marca e morre após 22 anos de estrada

Divulgação
Fiat Palio de segunda geração Imagem: Divulgação

Leonardo Felix e Fernando Miragaya

Do UOL, em São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ)

21/02/2018 17h12

Feito para brecar o então líder Volkswagen Gol, em 1996, modelo se "aposenta" junto com Punto

Quase 22 anos depois do lançamento da primeira geração, ocorrida em abril de 1996, o Fiat Palio deixou de constar no catálogo de produtos da marca. 

Quem entrou no site oficial da fabricante nesta quarta-feira (21) se deparou com uma pequena reformulação gráfica e também na linha de produtos: saíram da lista Palio e Punto -- ambos têm o Argo como substituto comum --, entrou o Cronos (sedã derivado do próprio Argo), que está sendo lançado neste momento.

Apesar de sentida -- afinal, trata-se de um dos carros mais icônicos da história do mercado brasileiro, com mais de 3 milhões de unidades comercializadas em duas décadas de estrada --, a aposentadoria passa longe de ser uma surpresa. Tanto que no fim do ano passado nossa reportagem publicou um obituário do Palio. O compacto, aliás, sequer chegou a ganhar uma "linha 2018".

Procurada por UOL Carros, a marca confirmou o fim das vendas nas concessionárias. Ainda há pequenos volumes do modelo sendo preparados para vendas a frotistas, mas a demanda deve ser encerrada até abril.

Punto e Weekend também tiveram produção finalizada. A perua, que nasceu como derivação aventureira do Palio, ganhou sobrevida e deve perdurar enquanto durar o estoque preparado pela montadora para abastecer a demanda pelo ano-modelo 2018, provavelmente até meados deste ano.

Veja mais

+ Avaliação: Cronos consegue reerguer Fiat entre sedãs?
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Os próximos da lista

O plano de reformulação da gama da Fiat no Brasil ainda não acabou. Weekend, Grand Siena e Doblò, ainda constantes na lista do site, devem ser os próximos a sair de circulação. Desses apenas o Grand  Siena possui um substituto confirmado, o próprio Cronos.

O motor 1.0 Fire também está com os dias contados. Atualmente ele equipa apenas algumas versões do Mobi, mas a tendência é que seja substituído pelo 1.0 3-cilindros da família FireFly no máximo até 2019.

Dos "dinossauros" restará apenas a Strada, que aguarda o desenvolvimento de uma substituta, já aprovado pela matriz. Até que a nova picape esteja pronta, a veterana segue em produção e representará o único elo ativo com o velho Palio.

Reprodução
Lista de compactos da Fiat no site oficial da marca: onde está o Palio? Imagem: Reprodução

Relembre a trajetória do modelo

O currículo do Palio é invejável. Foram mais de 3,2 milhões de unidades produzidas e quase 3 milhões de carros vendidos no Brasil, números que corroboram o sucesso do hatch, que se perdurou por, acredite, só duas gerações e a base de muitas maquiagens, diferentes motores e versões.

UOL Carros fez uma linha do tempo do compacto, que em breve dará adeus à linha de produção. Entenda a seguir os 22 anos de seu sucesso:

1. Surgimento

Desenvolvido como Projeto 178 pelo Centro de Estilo da Fiat italiana e pelo Instituto Idea, de Turim, o Palio buscava oferecer conforto superior ao Uno, além de robustez para ser vendido em mercados emergentes. Curiosamente, o "substituto" usava a mesma plataforma do "antecessor". As principais diferenças em relação à base do Uno estavam no entre-eixos de 2,36 m (9 cm a mais) e na suspensão dianteira, que usava subchassi para dar mais firmeza ao conjunto e filtrar melhor buracos.

No Brasil, o Palio foi lançado em abril de 1996 com a missão de brigar de igual para igual com o líder Volkswagen Gol e de emprestar uma aura de modernidade à linha compacta da marca italiana -- dois anos antes o Chevrolet Corsa provocou certo frenesi no segmento. O carro brasileiro até vinha com algumas bossas de segurança para a época, como freios ABS e airbag duplo como itens opcionais, barras de proteção nas portas e corte automático de combustível em caso de colisão.

Divulgação
Primeiro Palio surgiu em 1996 e uma das cores de lançamento foi este verde claro Imagem: Divulgação

2. Motores

Quando foi lançado, usava o 1.5 Fiasa, que recebeu injeção eletrônica multiponto e rendia 76 cv, e estreava o 1.6 16V de 106 cv importado da Itália. Meses depois, passou a ter opções do 1.0 de 61 cv (também Fiasa) e 1.6 8V da família Sevel, com 82 cv.

Em 2000, a novidade foi o 1.3 16V Fire, de 80 cv. O nome -- sigla para Fully Integrated Robotized Engine -- se devia à linha de montagem do motor, totalmente automatizada. Ao mesmo tempo, o conjunto tinha taxa de compressão elevada (10,2:1), bielas em peça única e mais leves e acelerador eletrônico, chamado Drive by Wire, que dispensava os cabos tradicionais.

Fato curioso: esse motor, na verdade, deveria ser classificado como 1.25 (tinha 1.242 cm³), mas como brasileiro comprava (e ainda compra) carro pelos números ostentados na tampa do porta-malas, o marketing da Fiat não pensou duas vezes em arredondar para cima a informação.

3. Variações

Em 1997 o Palio começava a dar crias no Brasil. Primeiro veio a station wagon Weekend, com o apelo do porta-malas de 500 litros. Depois o sedã Siena, que, inicialmente, vinha da Argentina. Os dois modelos adotaram basicamente os mesmos motores do hatch, com exceção do 1.0.

Só em 1999 surgiram as versões de 1 litro dessas derivações, quando a Fiat optou por colocar o câmbio manual de seis marchas. A tentativa da engenharia em dar mais agilidade ao desempenho dos carros durou pouco: no ano seguinte, a caixa passou a ser de cinco marchas. Nesse meio tempo o Palio deu outro fruto: a picape Strada, que deu o ar da graça no mercado em 1999, com a (até então) inédita opção de cabine estendida.

Foi em 1999, inclusive, que uma derivação do Palio se mostrou pioneira. A Weekend Adventure trazia o conceito de aventureiro urbano, 4 cm mais alta, com pneus de uso misto, suspensão reforçada e com curso maior, além dos diversos apliques estéticos com estilo off-road, como molduras de plástico, estribos e até mata-cachorro. A receita é usada a exaustão até hoje por outros compactos com apelo fora-de-estrada. 

Divulgação
Em 1997 o Palio começava a dar crias no Brasil, primeiro com a perua Weekend; em 1999 surgiu a pioneirra Weekend Adventure Imagem: Divulgação

4. Primeira plástica

Como é praxe no segmento de entrada do mercado brasileiro, o Palio iria se perpetuar nas lojas à base de reestilizações. O primeiro banho de loja foi assinado pela ItalDesign, de Giorgetto Giugiaro -- o renomado projetista italiano esteve até presente no lançamento do carro no Brasil, em setembro de 2000. O hatch adotou elementos mais retangulares e traços mais definidos, como nos faróis estreitos e horizontalizados, que receberam parábola dupla.

Vincos foram adotados no capô e na tampa do porta-malas -- essa, por uma queixa dos consumidores em clínicas de pesquisa, já que a porta traseira bojudinha da versão anterior amassava em qualquer batida na hora da manobra. Lanternas ainda foram arredondadas e ganharam novas lentes.

Como se tornaria praxe também, uma versão com a cara antiga do modelo se manteve em linha para ser o modelo mais barato. No caso, essa função pouco nobre coube ao chamado Palio Young.

Divulgação
Primeiro banho de loja foi assinado pela ItalDesign, de Giorgetto Giugiaro, e aconteceu em setembro de 2000 Imagem: Divulgação

5. Expansão

Mais econômicos e leves, os propulsores da gama Fire se propagaram na carona da remodelação para além do 1.3 16V. Com 55 cv, o 1.0 era menos potente que o Fiasa (que continuou no Palio Young), mas trabalhava melhor em baixos giros: o torque máximo de 8,5 kgfm surgia a 2.500 rpm.

Palio Weekend, Siena e Strada adotaram as mudanças visuais em 2001. A versão aventureira da perua, por sinal, passou a se chamar apenas Palio Adventure, enquanto a Strada estreava sua roupagem lameira na mesma lógica da irmã, com muitos apliques de plástico, suspensão elevada e pneus de uso misto.

Só em 2008 o 1.6 16V cedeu lugar ao 1.8 8V, da família Powertrain e fabricado pela General Motors. Com 108 cv, era o mesmo usado em versões dos Chevrolet Corsa e Astra no mercado brasileiro.

6. Mais um tapa no visual

Coube novamente a Giugiaro assinar a segunda maquiagem do Palio, em 2003 -- já como linha 2004. Faróis com desenho irregular e margens mais arredondadas passaram a invadir os para-choques e as laterais, e a grade com vários furinhos foram as principais mudanças na frente. Na traseira, lanternas mais verticais.

Em equipamentos, ele passou a oferecer itens opcionais diferenciados para o segmento, como airbags laterais, computador de bordo, som com CD player e MP3, regulagem elétrica do banco do motorista e sensores de chuva e luminosidade, entre outros. O painel também recebeu uma bela guaribada.

Divulgação
Coube novamente a Giugiaro assinar a segunda maquiagem do Palio, em 2003 -- já como linha 2004 Imagem: Divulgação

7. Bebe todas

A reestilização foi replicada no Siena, Weekend e Strada no ano seguinte, mas essa leva da família Palio trazia como grande novidade o motor 1.3 8V Fire que agora bebia gasolina, etanol ou a mistura dos dois. Tratava-se do primeiro flex da linha Fiat.

A potência subiu de 67 cv para 71 cv com álcool -- dois anos depois, em 2006, o 1.3 virava 1.4, com 81 cv e mais torque em baixas rotações. A inevitável onda bicombustível iniciou uma correria entre as fabricantes. Ainda em 2003, o 1.8 também passou a ser flexível, com 110 cv de potência.

O motor mais potente da linha caiu como uma luva para a Fiat ressuscitar, no Palio, a versão R que marcou presença no Uno. O Palio 1.8R tinha tudo que os aficionados por esportivos gostam: faróis com lentes escurecidas, rodas de liga-leve aro 14, bancos mais envolventes, saias e escape em tons mais escuros e vermelho nos cintos de segurança e em detalhes do cluster.

Na mecânica, a pegada esportiva ficava a cargo da suspensão 1,2 cm rebaixada e com molas mais rígidas. Amortecedores recalibrados e barra estabilizadora dianteira mais espessa, além dos pneus 185/60 R14, faziam a festa dos "playboys" dos anos 2000.

Divulgação
Motor 1.8 caiu como luva para a Fiat ressuscitar, no Palio, a versão R que marcou presença no Uno Imagem: Divulgação

8. Vida que segue

A Fiat não se intimidou em fazer a terceira reestilização no Palio, em 2007. Dessa vez, porém, o compacto ficou com cara de carro japonês, só que dos anos 1990. Os faróis mais arredondados e a grade diminuta remetiam a sedãs médios orientais da década anterior, enquanto as lanternas traseiras mais baixas lembravam as do Daihatsu Charade. Tudo para agradar ao mercado chinês, onde esse renovado Palio foi vendido.

Os motores 1.0, 1.4 e 1.8 foram mantidos, sem alterações. O sedã Siena, apresentado no mesmo ano, não foi fiel às alterações na dianteira: adotou grade maior. Já as lanternas mais fininhas da traseira pareciam inspiradas em modelos da Alfa Romeo -- que, pelo menos, faz parte do mesmo grupo. A Weekend foi na mesma linha em 2008, assim como a Strada -- que ganhava a variante cabine dupla.

Não satisfeita em só maquiar o seu principal modelo no país, a Fiat lançou mão mais uma vez da versão Fire. Com a cara antiga e apenas um bigode cromado na dianteira para disfarçar, usava os faróis de 2003 e interior do modelo 2000... Na estreia surgiu o Palio Economy com econômetro no quadro de instrumentos para indicar a hora ideal de passar marchas e economizar combustível.

Divulgação
Na terceira reestilização no Palio, em 2007, compacto ficou com cara de carro japonês dos anos 1990, mas ao menos manteve a versão esportiva R com motor 1.8 Imagem: Divulgação

9. E.torQ

Sempre criticada por usar motores obsoletos, a Fiat deu uma resposta em 2010. Após comprar a fábrica de motores da Tritec em Campo Largo (PR) -- que fornecia para a BMW --, a marca italiana estreou a linha de propulsores E.torQ em 2010 no Punto, para logo depois aplicá-la no Palio.

A versão topo de linha Essence passava, então, a usar o 1.6 16V, com 115/117 cv -- mais potência, portanto, que o 1.8 8V da GM. A notícia ruim foi o que a configuração esportiva 1.8R saiu de cena, apesar de a gama de motores ter um 1.8 16V.

10. Enfim a nova geração

O lançamento do novo Uno, em 2010, foi uma "bênção". Finalmente o Palio ganhava sua segunda geração de fato, em outubro de 2011. Com base na plataforma do irmão menor, ganhou desenho moderno, carroceria mais rígida e arquitetura mais segura. Além disso, como era de se esperar, cresceu, principalmente no entre-eixos, que passou de 2,37 m para 2,42 m.

As opções de motores continuaram as mesmas, mas o 1.0 e o 1.4 Fire receberam aprimoramentos e ganharam o sobrenome Evo. Novos componentes, mais leves e de menor atrito, melhoraram a eficiência do conjunto e o consumo de combustível.

Esta segunda geração marcou a independência do Siena do Palio. O três volumes passou a ter desenho próprio, entre-eixos de 2,51 m e porta-malas generoso para brigar com os sedãs compactos com tamanho de médio (Renault Logan, Nissan Versa, Chevrolet Cobalt etc.). Tanto que até mudou o nome para Grand Siena.

Divulgação
Finalmente o Palio ganhava sua segunda geração, em outubro de 2011, depois do lançamento do Novo Uno Imagem: Divulgação

11. Herói da resistência

Como nem tudo é perfeito na vida, o velho Palio perdurou. A versão mais barata do hatch passou a se chamar EL, com a plataforma de 1996, motores 1.0 e 1.4. O friso cromado na grade frontal e o para-choque traseiro que remetia ao Grand Siena tentaram dar uma disfarçada na antiguidade.

Já o Palio Fire perdeu a alcunha Economy em 2014 e, com o fim de produção do Mille, coube a ele a função de ser o modelo mais barato da marca no país. Ganhou até versão Way, com suspensão elevada...

Weekend e Strada ficaram na geração antiga também. Tanto a perua quanto a picape só receberam mudanças pontuais na grade e nos para-choques. A Strada ainda ostentaria terceira porta em sua configuração cabine dupla, em 2013. Curiosamente, foi nessa leva que o Palio conseguiu desbancar a liderança de 27 anos do Volkswagen Gol, em 2014. Foram 183.745 unidades emplacadas naquele ano.

Divulgação
Palio Fire perdeu a alcunha Economy em 2014 e, com o fim de produção do Mille, virou o modelo mais barato da marca no país Imagem: Divulgação

12. Ajustes

Nos últimos anos, a gama compacta recebeu discretas mudanças. A linha 2016 passou a ostentar coloração cinza no painel. Já na linha 2017, o tablier passou a ter um padrão para cada versão do Palio, enquanto o quadro de instrumentos recebeu novos grafismos e as forrações passaram a adotar novos tecidos e tons mais escuros.

13. Bossas mecânicas

Alguns equipamentos pontuaram a trajetória da família Palio nessas mais de duas décadas, além do câmbio de seis marchas e do acelerador eletrônico Drive by Wire. Nem todos, porém, agradaram.

A primeira tentativa de trazer conforto de forma "barata" para o trânsito urbano foi o Citymatic, em 1999. O dispositivo de embreagem automatizada dispensava o pedal de embreagem -- um sensor na manopla do câmbio acionava o mecanismo e o motorista fazia as mudanças nas cinco marchas à frente normalmente, sem precisar do esforço do pé esquerdo.

O Palio Citymatic, contudo, durou pouco mais de um ano: as queixas de trancos nas arrancadas e falta de pedal para dosar aceleração para subir lombadas a partir da inércia eram frequentes.

Mais Seu Automóvel