Carros

Há 20 anos, Honda Civic inaugurava era de carros japoneses "made in Brazil"

Leonardo Felix

Do UOL, em Porto Feliz (SP)

10/11/2017 00h00

Seis de outubro de 1997. A Honda inaugurava em Sumaré (SP), em terreno de 1,7 milhão de metros quadrados, sua primeira fábrica de automóveis no Brasil. Transformava-se, assim, na primeira marca automotiva fora do eixo "Fiat-Ford-GM-VW" a ter uma grande operação fabril no país.

Lá começou a ser produzido o sedã Civic, então em sua sexta geração e que se tornava um dos modelos mais tecnológicos de fabricação local até então. Devido ao refinamento, inclusive no acabamento, a Honda ajudou a estabelecer novos parâmetros tecnológicos para os modelos de fabricação nacional. De quebra, abriu a "era dos carros japoneses" no Brasil, que viriam a se tornar quase sinônimos de qualidade de construção e durabilidade.

Veja mais

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Refinado e para poucos

Vamos falar do Civic 6: UOL Carros teve oportunidade de conhecer de perto o primeiro Civic feito no país -- primeiro mesmo, com chassi 00001 --, pertencente à Honda até hoje. Veja como está sendo conservada a relíquia em nosso álbum exclusivo.

Baseado no primor americano e vendido em cinco versões, o sedã que começou a ser feito no Brasil trazia de série itens pouco usuais para os anos 90, sendo que alguns deles não estão disseminados entre modelos tidos como "populares" mesmo em 2017.

Por exemplo, a versão de entrada LXB já contava com pintura metálica ou perolizada, trio elétrico (vidros, travas e retrovisores), rádio toca-fitas, direção com assistência hidráulica e ajuste de altura, barras de proteção nas portas laterais (algo que muitos de nossos compactos deixam de oferecer mesmo 20 anos depois...), banco traseiro bipartido, comandos internos para abertura de porta-malas e bocal do tanque de combustível e desembaçador do vidro traseiro.

A intermediária LX acrescentava ar-condicionado e a de topo, EX, trazia ainda airbag duplo frontal, freios ABS e controle de cruzeiro. 

Motor era sempre 4-cilindros de 1,6 litro e 16 válvulas com bloco e cabeçote de alumínio, porém em duas especificações: uma com comando de  válvulas simples, de 106 cv, e outra com comando variável para admissão, chegando a 127 cv (ambas a gasolina). Eram bons números para a época, mas que hoje já são alcançados por propulsores 1.0 turbinados como o TSI da Volkswagen (que rende 105 cv na configuração do up! e 128 cv na do Polo).

Câmbio era manual de cinco ou automático de quatro marchas, com tração dianteira e suspensões dotadas de arquitetura duplo-A (braços triangulares sobrepostos) na dianteira -- solução bastante rara em carros de pequeno e médio porte -- e multibraço na traseira.

É claro que a marca cobrava um preço salgado pelo padrão superior de acabamento e pelo recheio generoso. O Civic brasileiro nasceu custando de R$ 25.950 a R$ 35.700, valores que, corrigidos pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), equivaleriam a uma faixa entre R$ 90 mil e R$ 130 mil nos dias atuais.

Curiosamente, são preços muitíssimo similares aos do Civic de décima geração, encontrado nas concessionárias entre R$ 87.900 e R$ 124.900.

Invasão asiática

Da boa reputação do Civic, da Honda e, no geral, das marcas japonesas surgiu um fenômeno fundamental para estimular a concorrência, ao passo em que permitiu uma "invasão" de carros asiáticos -- primeiro da Coreia do Sul (com uma primeira tentativa de menor sucesso e uma segunda bem fundamentada), depois da China. 

Falando apenas de operações nipônicas, a Toyota se instalou somente um ano depois e, mais recentemente, a Nissan seguiu o mesmo caminho (em 2014). Mitsubishi e Suzuki também operam localmente, por meio de linhas de montagem mantidas por representantes oficiais -- no último mês, a Nissan oficializou o controle sobre a Mitsubishi (dentro da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi), mas ainda não há definição sobre os rumos dessa união no Brasil.

Evolução em números

Focando na Honda e em seus 20 anos, vale lembrar que o Civic já era comercializado como modelo importado desde 1992. Depois de nacionalizado, o sedã foi responsável por 62 mil exemplares comercializados na sexta geração, que ficou no mercado até 2000. Outros 2.400 exemplares de carroceria hatch, importados, ganharam as ruas brasileiras até o fim dos anos 90, quando foram descontinuados. 

Em outubro de 97 o complexo de Sumaré contava com 280 funcionários e capacidade de 15 mil veículos montados anualmente, em dois turnos. O Civic, na época, era produzido praticamente em formato CKD, visto que o departamento de estamparia só passou a funcionar um ano mais tarde.

Duas décadas depois o número de empregados cresceu ao patamar de 3 mil empregados e o volume de automóveis fabricados por ano saltou a 120 mil em três turnos, com picos de 150 mil incluindo horas extras.

Além do Civic, a Honda produz por lá os compactos Fit (monovolume), City (sedã compacto), WR-V (crossover) e HR-V (SUV). Há uma segunda estrutura prontinha para expandir a produção em Itirapina (SP), mas que aguarda melhora no cenário econômico nacional para enfim entrar em operação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo