Testes e lançamentos

Renault Captur 1.6 CVT anda melhor que o 2.0 automático; leia impressões

Fernando Miragaya

Colaboração para o UOL, do Rio de Janeiro (RJ)

20/06/2017 12h47

Novo câmbio dá tocada suave, econômico e sem trancos e barulho

"“Relançar" um carro pode soar pejorativo, mas o segmento automotivo volta e meia recorre a esta opção. Seja por posicionamento equivocado no lançamento, pelo planejamento estratégico do produto ou até por questões industriais, que impossibilitaram a estreia de algum conjunto mecânico -- as marcas dão argumentos diferentes. A Renault afirma que o Captur CVT, lançado agora a R$ 84.900 iniciais, havia sido anunciado em fevereiro, no lançamento da linha no Brasil.

Renault Captur vai vender mais com câmbio CVT?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Valide seu voto

captcha

Caso não consiga ler, ouça o que está escrito.

"Criar expectativa" foi a estratégia aqui, diz a marca. O utilitário esportivo compacto foi lançado com opções 1.6 manual e 2.0 com a defasada transmissão automática de quatro marchas. A versão intermediária do Captur agora traz o mesmo motor 1.6 SCe do modelo de entrada, só que com o câmbio X-Tronic CVT, desenvolvido pela Jatco, empresa do grupo Renault-Nissan. Popularmente é conhecido como "câmbio automático da Nissan", por ser usado no sedã Sentra e no Kicks. Claro, ele também esteve no Renault Fluence.

Quando lançamos o Captur deixamos claro que a gama não estava completa e que teríamos o CVT para chegar ao patamar de vendas que desejamos. A ideia foi despertar o desejo no consumidor e chegar, depois, com a linha completa."

 

É o que garante o Dimitri Zaharov Castiglia, responsável pelo desenvolvimento e posicionamento do Captur no Brasil.

Divulgação
Ainda um modelo urbano, mas com desempenho superior ao do 2.0: tudo no câmbio Imagem: Divulgação

Veio para vender mais

A verdade é que quando o SUV foi pensado para o Brasil, há quatro anos, a marca sequer cogitava o CVT. Com o crescimento da demanda por modelos automáticos no segmento acima dos R$ 60 mil (em especial nos SUVs), a Renault teve de desenvolver uma transmissão mais acessível e moderna em menos de dois anos.

Mesmo chegando atrasado, o câmbio CVT deve servir para dobrar o volume do Captur, que em maio ficou em 1.400 unidades. A perspectiva é otimista, mas, a julgar pelo desempenho da versão, as chances são boas.

Melhor que o 2.0 AT4

Não que o Captur 1.6 vire uma máquina de arrojo com esse conjunto. Mas como o CVT reza por sua tradição, acaba sendo mais condizente com a proposta de conforto do SUV.

A bordo da versão mais completa, a Intense CVT, de R$ 88.400, você acelera gradativamente e a caixa continuamente variável progride de forma linear, sem trancos, soluços ou imprecisões gritantes -- mas também sem emoção. Por incrível que pareça, e guardada as devidas proporções, os 120 cv (com etanol) são melhor aproveitados pelo CVT do que os 148 cv (etanol) com o câmbio de quatro marchas do modelo 2.0 topo de linha. Principalmente na cidade e em velocidades baixas.

Também há a opção de trocas sequenciais. No Captur, a Renault tascou seis marchas simuladas. Basta colocar a alavanca do câmbio para a direita e tentar ter mais interação com o SUV (não há aletas atrás do volante). Um indicador na telinha do quadro de instrumentos avisa a hora de reduzir ou subir as marchas. O duro é enxergar as letras das posições do câmbio na base da alavanca, de tão pequenas.

Na estrada, o aproveitamento também é interessante. Em velocidade de cruzeiro a 80 km/h na Ponte Rio-Niterói, o conta-giros estaciona em 1.500 rpm. Isso ajuda a minimizar o consumo, uma das queixas em relação ao Captur mais potente. Segundo o Inmetro, o CVT assinala médias de 7,3 km/l (etanol) e 10,5 km/l (gasolina) na cidade e de 8,1 km/l (etanol) e 11,7 km/l (gasolina), na estrada - 3,5 % mais econômico que o manual, segundo a marca.

Claro, quando se exige do motor na rodovia, surge o comportamento típico de CVT: a caixa segura o giro lá em cima enquanto você decide se pisa mais forte ou alivia. Em subidas e retomadas, a resposta é mais ágil, apesar de o torque máximo de 16,2 kgfm só aparecer perto das 4 mil rpm. A boa é que o Captur não grita e nem vibra demais nessas situações -- o isolamento acústico chama a atenção.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Testes e lançamentos

Topo