Seu Automóvel

Não precisa parar: veja como dirigir com conforto (e segurança) na gravidez

al_ter/Getty Images/iStockphoto
Grávida ao volante: mais importante é atentar para posição do cinto de segurança Imagem: al_ter/Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo (SP)

Falando do uso de carros, uma das primeiras dúvidas de qualquer mulher habituada a dirigir e que descobre que está grávida é: posso continuar dirigindo até quando? Outra é: corro algum risco com cinto e airbag?

UOL Carros ajuda com cinco dicas para motoristas gestantes elencadas pelo Cesvi, centro de estudos ligado a seguradoras e referência em segurança viária.

1. É proibido guiar estando grávida?

De cara, questão de regulamento: o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) não proíbe gestantes de dirigir.

Qualquer restrição só virá de seu médico de confiança, caso este avalie ser o caso.

E, claro, cabe a você mesma escutar seu corpo e definir se está ou não em condições de assumir o volante: caso sinta desconforto, cansaço ou qualquer outro sintoma que tire seu conforto e rapidez de reflexos ao volante, evite dirigir.

2. Como posicionar o banco?

Para regular o assento, use o ajuste longitudinal (o puxador à frente do banco nos carros mais simples; o botão horizontal no caso de carros com ajuste elétrico) e coloque o banco na posição que te permita acionar os pedais até o fim dobrando levemente as pernas, sem nunca precisar esticá-las. Essa dica, aliás, vale para todo mundo.

Com isso, hora de acertar o encosto: (alavanca ou roldana para carros simples; botão vertical naqueles com comando elétrico). É aqui que você define o conforto, a ergonomia, o acesso fácil de botões e comandos e também a distância de segurança até volante e painel do carro.

Segundo o Cesvi, "é muito importante que o ajuste do assento, associado ao do encosto, proporcione uma distância de, no mínimo, 25 centímetros do volante ao peito".

Muita gente ignora o apoio de cabeça, mas ele é fundamental: nos casos de impacto traseiro, é o bom posicionamento desta peça que evita o "efeito chicote", que pode lesionar coluna e nuca e, em casos extremos, levar à morte mesmo em colisões aparentemente menos severas.

É um ajuste fácil, na verdade: o centro do apoio de cabeça deve ser alinhado com a altura dos olhos da condutora. Se estiver no assento traseiro, faça o mesmo tipo de regulagem do encosto de cabeça. Se não houver apoio de cabeça no banco traseiro e puder, evite viajar ali.

Ruslan Dashinsky/Getty Images/iStockphoto
Apoio de cabeça deve ser alinhado com altura dos olhos; pernas ficam semi-flexionadas, nunca esticadas Imagem: Ruslan Dashinsky/Getty Images/iStockphoto

3. Dá para deixar o cinto de segurança mais confortável?

Ainda que seja desconfortável, o cinto de segurança é item obrigatório e sempre deve ser utilizado pelas gestantes. Não só por questão de multa, mas porque ele é o item que mais salva vidas em caso de acidente.

Regule a faixa subabdominal do cinto abaixo do ventre, apoiada na região pélvica, ensina o Cesvi. A faixa diagonal deve passar entre as mamas e, mais acima, sobre a região central do ombro. Atenção: essa faixa diagonal do cinto nunca deve ficar sobre a região do útero.

Se a grávida estiver no assento traseiro, deve sempre optar pela utilização do cinto de três pontos, evitando o cinto do tipo abdominal, ainda encontrado no assento central em um grande número de veículos.

4. O airbag é perigoso para grávidas?

Não. O airbag não é perigoso, porque é desenvolvido de forma a aumentar a segurança dos passageiros ao ser usado em conjunto com o cinto de segurança e com o correto posicionamento dos bancos. Surge uma dúvida aqui, porque fabricantes recomendam desligar o airbag do banco do carona ao transportar cadeirinhas. Mas isso é um caso totalmente diferente do uso normal do banco.

Traduzindo: se você está dirigindo e ajustou seu banco para manter uma distância de ao menos 25 centímetros do volante ao peito (dica 2) e se deixou o cinto de segurança corretamente posicionado (seguindo a dica 3), estará em distância segura se o airbag for acionado em um acidente.

Segundo o centro de assistência a gestantes Babycenter, em caso de colisão e acionamento dos airbags, pode haver ferimentos leves (arranhões e marcas) de face, pele do pescoço e braços, por conta acionamento rápido da bolsa de ar e de microdetritos. Ainda assim, a região abdominal (barriga e área do útero) ficarão a salvo.

Para quem viaja no banco do carona, aponta o Cesvi, vale posicionar o assento ainda um tanto mais para trás -- 45 cm em relação ao painel -- e assim afastar de vez qualquer preocupação. 

Para finalizar, outra dica que vale para tudo no carro: leia e siga as indicações do manual do condutor. 

5. Facilite a vida

Nem sempre é possível, mas quanto mais recursos o carro tiver, mais fácil fica para que a grávida siga conduzindo com conforto e segurança: carro com câmbio automático, vidros e retrovisores elétricos, direção com assistência hidráulica ou elétrica são sempre recomendáveis. Uma última dica, que vale para mulheres em geral, mas nem sempre é seguida, é a de usar calçados sem salto -- além de contribuir para o conforto da passada fora do carro, também evitam enrosco com pedais a bordo dele. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo