Salão de Genebra

Salão de Genebra usa belos sedãs-cupês para fugir das mesmice dos SUVs

Do UOL, em São Paulo (SP)

09/03/2017 14h12

Mercedes-AMG GT Concept, Volkswagen Arteon e Opel Insignia GS roubam cena na Suíça

SUV, Sivinho, Suvão... estamos na quarta temporada em que esta sigla e toda e qualquer derivação dominam salões, lançamentos e projetos automotivos. Já era hora de surgir um respiro, uma quebra na onda e Genebra é o evento responsável por isso: claro, há muita novidade em termos de utilitários esportivos, mas as fabricantes ousaram olhar para um outro lado no requintado salão suíço e indicam uma nova geração de sedãs de luxo com um toque de cupê.

Claro, a ideia não é nova: a Mercedes-Benz inaugurou o estilo "sedã-cupê" contemporâneo com seu primeiro CLS, em 2004. Depois vieram Volkswagen (Passat CC) e Audi (A5 e A7 Sportback) e, finalmente, Porsche Panamera. Este último recebeu enxurrada de críticas de puristas, mas é o mais bem sucedido da leva toda (é um sucesso de vendas dentro da Porsche, também).

Pois agora, em 2017, cabe novamente a um trio alemão dar "o próximo passo", como a Mercedes-Benz chama seu belíssimo protótipo AMG GT Concept. Ao lado dela, a Volkswagen mostra o instigante Arteon e a Opel (agora uma marca do grupo francês PSA) expande a linha Insignia com o GS.

Mercedes evolui com AMG GT Concept

Quatro portas e um quê de F1

Tendo o mais ancião dos sedãs executivos de luxo (outro nome para o estranho nicho de cupês de quatro portas), a Mercedes decidiu radicalizar e entregar o desenvolvimento do próximo modelo para a divisão de performance AMG. O resultado é intrigante em todos os sentidos: o nome GT Concept é repetido, mas não diz respeito ao cupê esportivo que já tem variações de 468 a 585 cavalos. Aqui falamos de um modelo de quatro portas, quatro bancos individuais... e um visual ainda mais bonito (mas também muito mais próximo dos carros da Porsche, algo que sempre se falou da linha AMG GT).

A motorização é híbrida: inclui o V8 4.0 biturbo do esportivo de duas portas, mas com reforço do sistema elétrico EQ Power, como em carros de Fórmula 1 da equipe Mercedes. A potência final não foi divulgada. 

Arte-quem?

Arteon é o nome do substituto do CC (antigo Passat CC, mais um projeto de quase dez anos que vai dar adeus ao cenário automotivo). Embora o nome em si tenha origem basca, a Volkswagen afirma que é uma junção de "Art" ("arte" em diversos idiomas) e "Eon" (radical grego para "eterno", algo que resiste).

Também feito sobre a base MQB, a mais versátil da Volkswagen, o novo sedã-cupê promete ter mais de seis opções de motorização turbo, a gasolina ou diesel, sendo a mais poderosa a 2.0 turbo de 284 cv, com tração integram 4Motion.

Claramente, trata-se de um novo topo para a Volkswagen, mas sem o peso de ter um sedã tradicional de alto luxo (lembra do malfadado Phaeton?). Tem preço salgado, inclusive para a Europa: 50 mil euros (cerca de R$ 166 mil limpos), mas promete entregar um pacote bem recheado.

A central multimídia no console central com tela tátil de 9,2 polegadas tem comandos por gestos feitos no ar. Todas as versões trazem de série bancos dianteiros com ajustes elétricos, ar-condicionado digital automático, bancos revestidos de couro (Alcantara é opcional), faróis full-LED e rodas de alumínio de 18 polegadas.

Há ainda piloto automático adaptativo de nova geração, com ajuste automático da velocidade para a via onde trafega usando informações do GPS, além da segunda geração do Assistente de Emergência que, segundo a Volks, pode detectar se o motorista está desmaiado ou incapacitado de dirigir, reduzindo automaticamente a velocidade e girando o volante para o acostamento, se o tráfego permitir.

Também promete ser maior que a linha Passat, se destacando pela enorme entre-eixos de 2,84 m, para ampliar o espaço interno, totalizando 4,86 m de comprimento. A largura de 1,87 m e a altura de 1,42 m também contribuem para o conforto a bordo e a imponência.

É há a mais instigante concretização da nova escola de design da Volks, chamada de Tornado e desenvolvida pelo chefe de estilo da marca, Klaus Bischoff. Esse estilo prega frente em forma de focinho (abruptamente mais baixa que o capô), faróis e grade integrados (inclusive nos frisos que percorrem as duas peças) e caixas de rodas salientes). Passat e novo Tiguan iniciaram o estilo, mas sem o vigor e charme mostrados agora pelo Arteon.

Grand Sport

Terceiro pilar desta nova fase dos cupês executivos de quatro portas, o alemão Opel Insignia GS tem jeitão de Mazda, mas também remete aos atuais modelos da Cadillac (o que entrega a origem GM... o modelo é anterior ao domínio da PSA sobre a Opel, claro).

Mais sóbrio dos três modelos, o Insignia GS também é muito mais acessível que o Arteon, custando pouco mais de 17 mil libras, cerca de R$ 65 mil. 

Faltou o Panamera aqui, certo? De fato, não, já que o modelo teve sua renovação no final de 2016. De toda forma, a Porsche marcou presença em Genebra mostrando seu Panamera Sport Turismo, com grande tampa traseira, borda de carga baixa, e mantendo o conceito de acomodação de passageiros 4+1. Mas é uma perua, sendo portanto outro assunto.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo