Carros

Toyota Etios a R$ 70 mil convence como "carro maior"? Assista

Eugênio Augusto Brito
André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/10/2016 14h19

Um dos efeitos da crise instaurada no mercado automotivo é positivo: há maior oferta de modelos, seja com lançamentos frequentes, seja com ampliação do recheio de carros já existentes. Se não tiver algo novo, o consumidor foge. Mas sem poder investir muito em modelos inéditos, diversas marcas apelam ao incremento de modelos menores, que recebem equipamentos para atuar em patamares superiores.

Foi isso que a Volkswagen fez com o Fox, ao substituir o Polo antigo, sem trazer o atual Polo europeu. Foi o que a Fiat fez com o Uno, ao elevá-lo a preços entre R$ 42 mil e R$ 53,7 mil. O que a Kia fez com o Soul, que virou carro premium -- e encalhado -- de mais de R$ 90 mil. Em exemplo mais recente, o que a Honda fez ao Civic, com diferentes versões, a mais equipada delas custando R$ 125 mil

É isso, também, o que a Toyota quer fazer com o Etios, que chegou ao Brasil em 2012 sob fortes críticas por conta do projeto indiano, visual antiquado e acabamento abaixo do padrão da marca. A Toyota fez a lição de casa e mexeu bastante no compacto durante seus quatro anos de mercado e, mesmo sem mudar a geração do modelo, deu grandes saltos. Será o bastante?

Fato é que agora há dois tipos de Etios -- vamos tomar o sedã como exemplo: um deles é Etios X, que tem o mesmo visual de sempre, parte de R$ 49.960 com novo câmbio manual de seis marchas e chega a R$ 54.690 com câmbio automático de quatro marchas, que até é bem calibrado, mas que sofre do mal de qualquer caixa defasada (falta marcha, sobra ruído quando se exige do acelerador). Há boa oferta de itens de segurança e o painel central evoluiu bastante ao copiar bem o Prius.

Outro é o Platinum, testado por UOL Carros, que traz acabamento revisto e em tons escuros (não elimina a profusão de diferentes plásticos existentes na cabine, mas melhora a percepção), central multimídia até que bem completa (tem até TV, mas não projeta smartphones Android e Apple) e visual externo (para-choques e grade dianteiros) melhorado, como pode ser visto aqui na vídeo-reportagem de André Deliberato. O câmbio é apenas o automático de quatro marchas.

A questão é que este outro Etios custa R$ 68.120, o que cria uma situação estranha, para dizer o mínimo: se você tem R$ 70 mil no bolso, vai preferir sair da loja Toyota a bordo do Etios ou de um Corolla?

O sedã médio com motor 1.8 flex de 144 cavalos (etanol) sai por R$ 68.740 na configuração manual da versão GLi; ou R$ 69.040 com câmbio automático CVT, que emula sete velocidades e é muito, muito mais eficiente.

Divulgação
Versões Ready (hatch) e Platinum (hatch e sedã) têm visual diferenciado; estratégia da Toyota é desassociar clientes das configurações mais caras ao público de entrada Imagem: Divulgação

Convence?

Descontando esse toque realista, supondo que alguém escolhe o Etios Platinum nesta situação, temos outra questão: ele consegue se posicionar no andar de cima?

Os carros citados inicialmente na reportagem realmente melhoraram em termos mecânicos e tecnológicos -- embora, na opinião de UOL Carros, não justifiquem os preços cobrados. Já o Etios mudou, como também dissemos, mas fica longe de convencer plenamente nesta nova faixa de preço. 

É importante lembrar que, em 2012, ele custava entre R$ 29.990 e R$ 44.690

Agora que a Toyota disfarça as versões mais caras, e cria um degrau feito de maquiagem visual, equipamento e acabamento realmente melhorados é preciso apontar um fato: as duas faces do Etios são montadas exatamente sobre o mesmo carro.

Este carro anda de forma exemplar para o segmento, com o motor 1.5 flex de 107 cv (com etanol) entregando bom fôlego, potência e economia de combustível, ainda que o câmbio de apenas quatro marchas tire parte da esperteza do propulsor. Também é um carro seguro e com muito espaço (só que nunca ao nível do Corolla).

Mas quando se cobra R$ 70 mil é preciso entregar mais, algo que o Etios não oferece: sentimos que a cabine é escura demais, pouco aconchegante durante viagens noturnas na estrada (faltam luzes-espia e sinalizadores de comandos, redução de custo que atrapalha o condutor), notamos que o sistema de ar-condicionado deveria ser mais eficiente e que em nenhum lugar do mundo é aceitável que um carro desse valor tenha sistema de limpeza do para-brisa tão simplório.

Neste patamar, é preciso ir além da carinha diferente: andar bem é fundamental, mas também é necessário entregar experiência realmente superior.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo