Topo

Testes e lançamentos

Do 147 à Toro, um passeio por 40 anos de evolução; assista

Reportagem: Leonardo Felix. Imagens: Murilo Góes e Rodrigo Ferreira. Edição: Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em Betim (MG)

06/07/2016 18h57

Muita coisa mudou de 1976 para cá no universo automotivo: a evolução tecnológica permitiu construir veículos cada vez mais completos, complexos, seguros e interativos. Não é preciso conhecer muito da mecânica: basta sentar e dar a partida (muitas vezes sem nem precisar girar a chave na ignição). Por outro lado, para guiar e usar cada uma das muitas funções dos novos carros é quase necessário fazer um "cursinho pré-vestibular" -- bem diferente do "acelera e anda" de antes. 

Fiat 147 e Toro sintetizam essa mudança na linha da Fiat, que completa 40 anos no Brasil. Enquanto a picape representa o que de mais moderno no portfólio da fabricante (é inclusive feita na fábrica de Goiana-PE, unidade mais avançada da Fiat-Chrysler no Mundo), o hatchzinho elenca as precariedades da época.

Ao mesmo tempo, o 147 é capaz de gerar uma relação muito mais íntima entre o motorista e seu carro: ter os cuidados adequados, conhecer todas as manhas era um exercício necessário para lidar com os modelos da época.

UOL Carros andou com hatch e picape na pista de testes da Fiat, em Betim (MG), para sentir os detalhes da disparidade e o resultado é a vídeo-avaliação "40 anos de evolução".

A história do 147

Inspirado no 127 europeu, o compacto 147 é capaz de proporcionar as mais distintas emoções, e isso vale tanto para quem teve um, quanto para aqueles que ajudaram a construí-lo e continuam até hoje trabalhando na montadora.

Por um lado, foi para fabricá-lo que a Fiat abriu sua unidade em Betim (MG). Por outro, falamos de um modelo nascido com uma série de problemas, que inclusive atrapalharam a formação da imagem da marca no país e contribuíram para que ela demorasse a desafiar Ford, General Motors e Volkswagen.

As famosas falhas na correia dentada e a polêmica transmissão manual de quatro marchas são, até hoje, estigmas que pesam contra o veterano que completa, junto com a própria divisão brasileira da fabricante, 40 anos de vida.

Reprodução
UOL Carros está no WhatsApp; adicione o número +55 (11) 94477-1331; envie a mensagem: garagemV8; receba notícias pelo aplicativo Imagem: Reprodução
Do alto da condição de clássico, porém, o pequenino hatch já consegue provocar olhares muito mais simpáticos, e até orgulhosos. Afinal, mesmo com todos os defeitos, foi capaz de gerar uma produção de mais de 700 mil unidades até 1986, ano do fim de sua fabricação local.

Defeitos à parte, trouxe soluções interessantes para o setor automotivo nacional: foi o primeiro produto local a contar com motor transversal (4-cilindros. 1 litro, oito válvulas, carburador de corpo simples, 55 cv e 7,8 kgfm), o que permitiu uma redução do cofre e a aplicação de 80% de seu espaço interno a ocupantes e bagagens.

Mais tarde, foi o primeiro carro nacional com motor a etanol (estreou o programa Pro-Álcool em 1979) e gerou uma família com sedã (Oggi), perua (Panorama), furgão (Fiorino) e picape (147 Pick-up, que era vendido como o menor "caminhãozinho" do país...). 

Por falar em porta-malas, o do 147 não precisava abrigar estepe e macaco, que eram presos no próprio compartimento do motor (!). Tudo isso otimizava o uso dos 3,63 metros de comprimento -- 40 cm menor que o concorrente Volkswagen Brasília; 7 cm maior que o atual compacto da Fiat, o Mobi.

Experiência a bordo

Sentar na pequena poltrona revestida de couro, sem encosto de cabeça, "torta" para trás e se deparar com o volante grande, de aro fino e apenas dois raios é uma experiência que pode até assustar motoristas acostumados com os carros atuais.

Mas há algo de requintado, até: o painel tem faixa central amadeirada, os comandos são em forma de interruptor, alguns com luz espia embutida -- tudo é um divertido exercício de retorno aos anos 1970.

Ergonomia e segurança? Outra noção: os pedais era tortos; volante, assento, alavanca do freio de estacionamento e comandos ficavam longe das mãos do confutor, que se sentava perto demais da porta. Cintos com só dois pontos de fixação eram o padrão -- e quem os usava? Não havia retrovisor externo do lado do passageiro.

Mexer com afogador é algo nostálgico para quem pegou a era dos veículos carburados. Agora, é misteriosa engenhosidade na era da injeção eletrônica. E não espere qualquer forcinha eletro/hidráulica para manobrar: tudo é mecânico, e responde puramente aos músculos do condutor. 

A ação do tempo também cobra seu preço em relação a ruídos e respostas dos pedais: na unidade testada, ano/modelo 1978, foi preciso bombear o freio com veemência. A sensação de guiá-lo, porém, é inexplicavelmente melhor: a interação entre homem e máquina parece muito mais plena e pura.

Mais Testes e lançamentos