Carros

Mopar espera Jeep se firmar de vez para mexer em carros no Brasil

Murilo Góes/UOL
Fiat Bravo equipado com acessórios da Mopar; divisão de peças e preparação também já desenvolveu protótipos da picape Toro e do mais recente lançamento da Fiat, o Mobi Imagem: Murilo Góes/UOL

André Deliberato

Do UOL, em Las Vegas (EUA)

30/04/2016 08h00

A Mopar, tradicional divisão de peças e acessórios e preparadora da Crysler -- agora FCA --, quer repetir no Brasil o sucesso que conquistou nos Estados Unidos.

A tarefa é complicada, já que o costume do motorista brasileiro não é de investir em acessórios -- ao contrário do que se vê nos EUA, onde cerca de 50% dos carros que saem das concessionárias têm algum tipo de equipamento.

A empresa aposta no crescimento próprio obtido nos últimos dois anos (foram 10% de aumento de 2013 a 2015, levando-se em consideração que suas vendas começaram oficialmente em 2013) e no fortalecimento do próprio mercado de peças e acessórios, que cresceu 93% de 2012 a 2015.

"Os acessórios aumentam o valor agregado de um carro e o brasileiro já percebeu isso, pois mesmo com o setor em queda, como neste ano, esse mercado cresceu", aponta Norberto Klein, executivo responsável pela marca Mopar na América Latina. "É importante que o cliente saiba que o acessório original de fábrica aumenta o valor do seu patrimônio", completa.

Fabiano Fonseca/Fullpower
Picape Toro, subcompacto Mobi... qualquer carro da FCA pode ter acessórios Mopar Imagem: Fabiano Fonseca/Fullpower

Prepara

Questionado sobre a possibilidade de modificar não só o visual dos veículos da FCA vendidos no Brasil, mas também nos motores -- a Mopar é reconhecida historicamente por também aumentar a potência dos carros, criando até mesmo expressões famosas entre entusiastas, como "Mopar or no car" (com Mopar ou sem carro) e "With us or behind us" (conosco ou atrás de nós) --, Klein afirmou que isso depende da velocidade da Jeep em se instalar de vez no país.

"A Mopar é a mesma em todo o lugar. Não há como dizer que jamais mexeríamos em carros do grupo, isso depende do que o mercado procura. Precisamos primeiro esperar que a marca Jeep se consolide de vez no Brasil para podermos pensar em modificações próprias para esse mercado", explica o executivo, ressaltando que a marca de acessórios e peças tem uma área destinada à sua própria produção na fábrica da FCA em Goiana (PE).

Challenger e Charger longe

Fãs de muscle cars terão que esperar mais um pouco. Por conta do investimento que o grupo fez sobre a marca Jeep e fará, em seguida, na Alfa Romeo, a possibilidade de importar para o Brasil os sonhados pony cars norte-americanos Challenger e Charger foi descartada.

"Tivemos que escolher alguns caminhos e infelizmente abdicar de outros. Por enquanto é praticamente impossível levar esses V8 por um preço competitivo. O investimento para preparar esses motores para receber o combustível brasileiro é muito alto", revela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo