Mobilidade

Brasil vai receber R$ 20 milhões da Alemanha para ligar carro elétrico

Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

15/03/2016 08h00

Depois de revelar intenção de ter 1 milhão de carros verdes circulando até 2020, a Alemanha se dispôs a ajudar o Brasil a também desenvolver o mercado de veículos híbridos e elétricos: o plano prevê investimento de R$ 20 milhões (5 milhões de euros) e deve ser colocado em prática até início de 2017.

Por ora, nossa maior conquista na área é a isenção do Imposto de Importação, que ajudou a baratear um pouco os raros modelos verdes comercializados aqui: BMW i3 (o único elétrico), Toyota Prius, Lexus CT200h e Ford Fusion Hybrid.

Como vai funcionar

Segundo o MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), os alemães atuarão em três frentes: formação de estratégias de disseminação; criação de um marco regulatório para uso dos carros verdes; e estratégias de incentivo à criação de tecnologias inovadoras.

É preciso frisar que os R$ 20 milhões não serão usados para financiar diretamente a produção de elétricos e híbridos no país. "O projeto deve dar diretrizes para formar linhas de financiamento, porém via BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) e Finep (Fundo de Incentivo à Inovação e Pesquisa)", explicou a UOL Carros Margarete Gandini, diretora de mobilidade do ministério.

Os euros investidos serão destinados a serviços como "preparação de estudos, contratação de consultores, cursos de capacitação, realização de missões e visitas técnicas para conhecer iniciativas em outras partes do mundo", na descrição do próprio MDIC.

A contrapartida brasileira será oferecer estrutura para que membros do governo alemão estejam presentes e atuem diretamente no projeto, como uma espécie de supervisores -- além, é claro, de saber que a evolução acompanhada no Brasil servirá de estudo e aprendizado para o próprio país europeu.

Para quem?

O projeto terá duração de quatro anos. Ainda conforme a explicação de Gandini, ele pode até formar diretrizes de financiamentos para projetos tanto independentes quanto de grandes montadoras que queiram produzir e comercializar elétricos e híbridos localmente (caso da Toyota com o Prius, da Nissan com o Leaf e da BMW com o i3).

A normatização também deverá contemplar soluções de infraestrutura, como multiplicação dos postos de recarga e métodos de cobrança pela energia elétrica usada, além de adaptação da rede em espaços públicos e privados. "O que se pretende é estruturar todas as bases para a disseminação dos novos sistemas de propulsão, em especial a eletromobilidade", completou a diretora.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo