Carros

Com escândalo e multas, Volks questiona utilidade de Bugatti e cia

Elisabeth Behrmann, Christoph Rauwald e Charles Penty

Da Bloomberg

20/10/2015 18h17

Confrontada por 30 bilhões de euros (mais de R$ 130 bilhões) em custos com o escândalo de fraude nas emissões, a Volkswagen pode ter que considerar uma reformulação do império de 12 marcas construído nas últimas duas décadas que produz de tudo: de carros baratos e motocicletas a caminhões.

Embora no passado a VW pudesse se dar ao luxo de sustentar divisões em dificuldades financeiras como a unidade espanhola Seat, a marca de supercarros Bugatti e os caminhões MAN com o lucro robusto da Porsche e da Audi, esse dinheiro agora precisará ajudar a cobrir os custos ligados à crise.

"A VW tem diversas marcas que entram na categoria 'é bom ter'", disse Stefan Bratzel, diretor do Centro de Gestão Automotiva da Universidade de Ciências Aplicadas em Bergisch Gladbach, na Alemanha, que estima que o escândalo custará até 30 bilhões de euros à empresa. "A Bugatti, a Lamborghini e a Ducati também -- elas não são fundamentais para a empresa em termos de lucros".

O novo CEO Matthias Müller disse neste mês que, embora a VW não precise de uma revolução, ele atrasará ou cancelará projetos não essenciais para reduzir os custos após a revelação de que a VW fraudou testes de emissões de diesel nos EUA. Na semana passada, a fabricante de automóveis anunciou um recall de 8,5 milhões de veículos a diesel na Europa e Müller diz que as consequências do escândalo custarão muito mais do que os 6,5 bilhões de euros que a fabricante de automóveis já separou para o caso. Um porta-voz da marca preferiu não fazer comentários sobre a estrutura.

Entre as marcas do mercado de massa da fabricante, grupo que abrange a marca Volkswagen Automóveis e a unidade checa Skoda, a que está sob análise mais cuidadosa é a Seat. A marca espanhola não registra um lucro de ano cheio desde 2007 e tem uma carteira de produtos que atende a parte mais baixa do mercado, sobrepondo-se à Skoda, que registrou um lucro operacional de 522 milhões de euros no primeiro semestre.

Bugatti descartável?

A fabricante italiana de supermotos Ducati foi agregada ao grupo em 2012 a um custo de 860 milhões de euros para complementar o rol de marcas de luxo que já incluía a fabricante italiana de carros esportivos Lamborghini, a marca de luxo britânica Bentley e a Bugatti. Todas foram reunidas ao chamado Grupo Audi. 

Atingido pelas vendas lentas na China, o lucro operacional da Bentley caiu 43% no primeiro semestre, para 54 milhões de euros. Embora a VW não divulgue os números financeiros específicos da Lamborghini e da Bugatti, nenhuma das duas colabora significativamente com o resultado final da empresa. A Bugatti, que produziu apenas um punhado de carros, vendidos a 1 milhão de euros cada, não é rentável desde que a VW comprou os direitos da marca francesa em 1998.

"A Bugatti está entre as coisas mais supérfluas do grupo Volkswagen", disse Frank Schwope, analista da NordLB em Hanover, Alemanha. "Nos bons tempos ela melhora a imagem da VW, mas agora é provável que as pessoas apontem o dedo para a marca perguntando aonde ela quer chegar com a Bugatti".

Caminhões

A VW também poderá avaliar mais de perto a estrutura de sua unidade de caminhões. Após adquirir a Scania na Suécia e a MAN na Alemanha, a fabricante de automóveis ainda precisa conseguir alguma eficiência de custo significativa entre as duas marcas.

A MAN enfrenta dificuldades sob o comando da VW, registrando uma queda de 17% no lucro do primeiro semestre, para 185 milhões de euros. O retorno sobre vendas da empresa com sede em Munique no período foi de 2,8%.

Bratzel disse que uma possibilidade seria separar a unidade de caminhões, deixando a VW com uma participação majoritária. Essa seria uma inversão de estratégia, mas como Müller está há pouco tempo no comando, ele não está ligado a decisões tomadas no passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo