Carros

Concessionárias fogem da crise abrindo vitrines para carro usado

Murilo Góes/UOL
Concessionária da Ford em São Paulo exibe usados à venda, como esses Honda CR-V e Hyundai Tucson, na área de fora da loja, no estacionamento Imagem: Murilo Góes/UOL

Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

23/09/2015 08h00

O momento não está fácil para quem trabalha no setor automotivo, incluindo lojistas. Segundo dados da Fenabrave (associação dos concessionários), o número de lojas de carros zero-quilômetro espalhadas pelo Brasil deve cair até 5% em 2015, de 8 mil para cerca de 7.600. De janeiro a agosto, o déficit entre unidades que abriram e fecharam chegou a 347.

Murilo Góes/UOL
Usados e zero se confundem na abarrotada Fiat Ventuno, também da capital paulista Imagem: Murilo Góes/UOL
Para fugir da crise e manter o negócio em pé, vários lojistas estão abrindo espaço a carros usados e seminovos em seus pátios, vitrines e, em alguns casos, até nos showrooms.

É fácil explicar o motivo: enquanto, somando veículos de passeio e comerciais leves, o mercado de novos enfrenta queda de 20,4% nos oito primeiros meses do ano (em relação a 2014), segundo a Anfavea (associação das fabricantes), o de usados cresceu 3,63% no mesmo período (dados da Fenauto, a federação dos revendedores de carros usados).

"Sem dúvidas é o que está ajudando a gente a segurar a barra", admite Denys Tenorio, gerente de seminovos da Hyundai Caoa na Vila Leopoldina, em São Paulo (SP). Em sua unidade, dos cerca de 100 carros comercializados ao mês, 40 já tiveram pelo menos um dono. É praticamente metade das vendas.

O percentual chega até a aumentar na vizinha Ford Forte. Nos últimos quatro meses, para cada dez modelos zero que saíram de lá, outros sete usados foram negociados, uma proporção de quase 45%. "O mercado está pedindo isso", ressalta Marcos Marangom, supervisor da revenda da marca norte-americana. 

Murilo Góes/UOL
Loja da Hyundai Caoa abre metade de seu showroom interno para seminovos da marca Imagem: Murilo Góes/UOL

Formas de exibir

Cada marca tem suas próprias regras sobre a "relação" entre novos e usados no espaço. Na Ford, por exemplo, é proibido expor seminovos na parte interior das lojas. "Usamos o pátio e o estacionamento para isso", explica Marangon. Já a Hyundai Caoa autoriza a exibição dentro do showroom, desde que sejam carros da própria marca. Na Fiat Ventuno, também de São Paulo, não existe restrição: usados e zero-quilômetro compartilham espaço de forma até um pouco desordenada.

Nossa reportagem encontrou uma situação extrema na concessionária Chery Job, em Londrina (PR). Lá é raro visualizar um carro da marca chinesa. Quase toda a vitrine é voltada aos seminovos. Até a lista de estoque no site da revenda é predominada por usados de outras marcas. "Foi a opção que achamos para não perder clientes", admite o gerente, Marcelo Strauss.

Segundo ele, os usados dominam mais de 80% de tudo que é negociado no estabelecimento. Carros zero da Chery, apenas três ou quatro por mês. "Não dá para sobreviver com esse volume. É meu pior período nessa loja em dois anos. Se não fosse essa tática, não sei se ainda estaria aberto", desabafa. 

Isabella Sanches/UOL
Tirando o Tiggo, ao centro, todos os outros carros expostos nesta loja da Chery em Londrina (PR) são usados de outras marcas Imagem: Isabella Sanches/UOL

O lado dos sem-crise

Se a maioria dos revendedores de marcas generalistas está sofrendo, há exceções. Com o sucesso do HR-V, grande sensação do mercado brasileiro em 2015, a rede de concessionárias Honda Daitan, da capital paulista, não precisa dar tanta bola aos seminovos, responsáveis por menos de 30% de suas vendas.

Murilo Góes/UOL
Mesmo passando ilesa pela recessão, loja da Honda também abre espaço para os seminovos em suas campanhas Imagem: Murilo Góes/UOL
"Estamos bem. A crise não passou por aqui", brinca Charles Santos, supervisor de uma filial localizada no bairro da Pompeia. "Está até faltando carro [zero] para entregar", acrescenta. De acordo com Santos, a fila de espera para receber o SUV compacto varia entre 60 e 90 dias.

Já a recém-inaugurada Jeep Dahruj da avenida Sumaré, também em São Paulo, nem cogita mexer com usados. "Só trabalhamos com zero-quilômetro e estamos superando com folga as metas", enfatizou o gerente Emerson Teixeira. Só para setembro a expectativa é comercializar 100 unidades, o dobro do que era inicialmente esperado.

Empolgado com o Renegade, que parece enfim ter embalado, Teixeira adota discurso semelhante ao dos representantes da Honda: "A crise é lá fora. Aqui falta carro", comenta. Conforme explicou o gerente, há espera de até três meses para levar o jipinho para casa. 

Murilo Góes/UOL
Revenda de Jeep só quer saber de carro novo; marca é a que mais cresce no Brasil Imagem: Murilo Góes/UOL
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo