Carros

GM ignora crise e investe R$ 13 bi no Brasil para trocar toda linha

André Deliberato/UOL
Cúpula da GM anunciou planos para fazer uma nova família de carros no Brasil Imagem: André Deliberato/UOL

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

28/07/2015 18h39

A GM anunciou nesta terça-feira (28) um investimento de R$ 6,5 bilhões no Brasil até 2019 para a produção de uma nova família global de veículos, que será fabricada no Brasil e em outros países emergentes a partir de 2019. A marca almeja produzir 2,5 milhões de unidades no mundo por ano, a partir de 2020.

Estes R$ 6,5 bilhões divulgados agora complementam outros R$ 6,5 bi anunciados em agosto do ano passado (totalizando os R$ 13 bilhões), que fazem parte do planejamento da marca para a construção de veículos compactos para mercados emergentes em acordo com a chinesa Saic. Sabe-se, por enquanto, que caso exista um sucessor do Celta, ele será derivado visualmente do novo Spark.

Mark Lennihan/AP
Spark 2016 pode ser a base visual de uma possível próxima geração do Celta Imagem: Mark Lennihan/AP
Produzida por um time multinacional de engenheiros (que inclui alguns brasileiros), a nova linha será inteiramente feita sobre uma  plataforma totalmente nova, não terá qualquer derivação ou compartilhamento de peças com a atual GSV (que produz a linha Onix/Prisma/Cobalt/Spin/Cruze/Tracker) e será focada em segurança ativa e passiva, tecnologia e baixo consumo de combustível.

"Estamos cientes da atual situação econômica do Brasil, mas acreditamos no país e na recuperação do mercado, que é fundamental para a GM", explica Jaime Ardila, presidente da General Motors América do Sul. "Já passamos por situações complicadas no Brasil e em outros lugares e nos saímos muito bem. É por isso que estamos apostando e investindo novamente por aqui", complementa Dan Ammann, presidente global da GM.

Divulgação
Nova família começa a ser feita no Brasil em 2019, mas ainda não se sabe em qual fábrica Imagem: Divulgação

Que carros são esses?

Serão seis modelos, sendo que nenhum deles é do segmento de entrada (onde hoje habitam Celta e Classic) ou de luxo (acima do Cruze). Os novos carros formarão praticamente a nova gama da marca.

Por dedução, é possível imaginar quais são estes modelos, levando-se em conta que Cruze, Camaro, Malibu, Volt e Corvette foram recentemente atualizados e ganharam nova geração -- e que uma nova família subcompacta está em desenvolvimento para substituir Celta e Classic entre 2016 e 2017.

(Linha atual | Linha 2019)

  • Celta

    Continua até 2016

  • "Novo Celta"

    Chega entre 2016 e 2017

  • Classic

    Continua até 2016

  • "Novo Classic"

    Chega entre 2016 e 2017

  • Onix

    Continua até 2019; deve ter um facelift em breve

  • "Novo Onix"

    Chega em 2019 (nova família)

  • Prisma

    Continua até 2019; deve ter um facelift até lá

  • "Novo Prisma"

    Chega em 2019 (nova família)

  • Cobalt

    Continua até 2019; deve ter um facelift em breve

  • "Novo Cobalt"

    Chega em 2019 (nova família)

Note que há seis futuros modelos que podem ser da "nova família", mas vale ressaltar que esta é uma suposição de UOL Carros e estes dados não são da Chevrolet. Outro fator importante: os nomes dos carros podem, ou não, continuar os mesmos, decisão que vem exclusivamente do departamento de marketing.

"Não vamos entrar em detalhes sobre o investimento, mas podemos adiantar que os novos carros terão o máximo em tecnologia, conectividade e modernidade que um Chevrolet pode oferecer", avisa Ammann.

André Deliberato/UOL
Dan Ammann, presidente global da GM, veio ao Brasil fazer o anúncio Imagem: André Deliberato/UOL

Motor 3-cilindros?

Além da plataforma totalmente nova, o investimento também inclui o desenvolvimento de novos motores e caixas de câmbio. "Estamos sempre atentos ao mercado e trabalhando em um motor pequeno, mas não podemos ainda falar em número de cilindros. Podemos apenas dizer que ele será uma obra-de-arte", revela Ardila.

A GM ainda não definiu em qual das fábricas brasileiras (São Caetano do Sul e São José dos Campos, em SP; e Gravataí, no RS) os modelos serão produzidos e também cogita produção em outros mercados sulamericanos, como na Argentina, por exemplo.

"Queremos manter a força da nossa marca, como somos hoje no varejo; ter uma aliança ainda melhor com nossa rede de concessionárias; e oferecer produtos globais e de qualidade para os clientes. Estes são e sempre serão nossos três pilares no país", finaliza Santiago Chamorro, presidente da GM Brasil.

Nacho Doce/Reuters
Dan Ammann, da GM global, fala com Jaime Ardila, presidente da GM América do Sul Imagem: Nacho Doce/Reuters

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo