Carros

Ferrari expande recall de airbags: 2.600 carros em todo o mundo

Do UOL, em São Paulo (SP), com agências internacionais

20/07/2015 16h41

Logo após a NHTSA (agência de segurança rodoviária dos Estados Unidos) apontar, na sexta-feira (17), que todos os modelos da Ferrari vendidos no país estão envolvidos na convocação em massa de carros com airbags defeituosos fabricados pela japonesa Takata, a marca italiana de superesportivos decidiu convocar 2.600 unidades em todo o mundo. 

Nos Estados Unidos, o recall compulsório apontado pela NHTSA envolve 814 unidades de todo o line-up da marca: 458 Italia, 458 Italia Spider, 458 Speciale, 458 Speciale A, California T, FF, F12 Berlinetta e LaFerrari. Todas foram fabricadas entre dezembro de 2014 e abril deste ano usando airbags da Takata. 

Segundo a agência AFP, esta mesma relação vale para o recall global anunciado agora: "É um possível defeito de produção em um componente no interior dos airbags, que pode afetar cerca de 2.600 carros", explicou o porta-voz da Ferrari. 

J. Scott Applewhite/AP Photo
Senador americano Bill Nelson mostra airbag defeituoso desmontado durante investigação contra a Takata Imagem: J. Scott Applewhite/AP Photo

Falha maciça

Esta convocação da Ferrari, primeiro nos EUA e agora em todo o mundo, coloca uma das marcas mais míticas do mundo no meio do escândalo envolvendo a Takata. A fabricante japonesa bateu o recorde de maior recall automotivo da história, com 53 milhões o número de carros afetados desde 2008 (34 milhões só nos EUA), com airbags defeituosos instalados em modelos da Toyota, Nissan, Honda (que chegou a cortar salários de executivos), Subaru e BMW, entre outras. Há casos até mesmo no Brasil

Com o defeito, graves explosões no sistema de airbags podem ocorrer, quando os equipamentos são deflagrados, após acidentes. O defeito ocorre sobretudo em ambientes úmidos. Segundo denúncias, os airbags defeituosos são responsáveis pela morte de oito pessoas e por mais de 100 feridos no mundo.

Ainda assim, a empresa informou, na última semana, que não pretende criar um fundo de compensação para vítimas, preferindo tratar de cada caso -- ou de seus desdobramentos jurídicos -- separadamente, declaração que irritou congressistas americanos. 

"A Takata acredita que não é necessário um fundo de compensação em nível nacional", afirmou Kevin Kennedy, vice-presidente executivo da Takata.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo