Carros

GM já contabiliza 100 mortes em escândalo de defeito na ignição

Reuters/Handout
Acidente com Chevrolet Cobalt por falha na ignição usada pela GM, ocorrido em outubro de 2006, em Wisconsin (EUA), matou duas pessoas Imagem: Reuters/Handout

Da AFP, em Nova Iorque (Estados Unidos)

12/05/2015 12h32

A General Motors reconheceu nesta semana que pelo menos 100 pessoas morreram como resultado do defeito no sistema de ignição em modelos fabricados pela montadora entre o final da década de 90 e meados dos anos 2000.

Uma falha nos interruptores de modelos como Cobalt e Malibu levavam a ignição a mudar involuntariamente para fora da posição "ligada", desabilitando airbags e outras funções. Conforme apontam as investigações do governo e de outros órgãos americanos, diretores da companhia souberam do problema mais de dez anos antes de iniciarem, em fevereiro do ano passado, o recall de 2,6 milhões de unidades afetadas em todo o mundo.

Segundo relatório do fundo de indenização independente do grupo, dirigido pelo advogado Kenneth Feinberg, pedidos de compensação financeira por 37 mortes e 537 casos de lesões em acidentes ocasionados pela falha permanecem sob avaliação. De 1º de agosto de 2014 até 31 de janeiro deste ano, período em que ficou aberto o período de apresentação dos pedidos de indenização, 4.342 requerimentos foram contabilizados.

Indenizações aprovadas

Ainda de acordo com o fundo, há pelo menos 12 casos com indenização já aprovada de lesões incapacitantes, como danos cerebrais ou dupla amputação, e 172 para hospitalização ou tratamento médico ambulatorial.

As indenizações por morte serão de pelo menos US$ 1 milhão (cerca de R$ 3 milhões); já as compensações por ferimentos físicos terão piso de US$ 20 mil (R$ 60,3 mil). Para isso, os requerentes devem renunciar dos direitos de litígio (ou seja: retirar qualquer ação judicial contra a fabricante).

No total, a GM reservou US$ 400 milhões (R$ 1,2 bilhão) para bancar as indenizações. 

J. Scott Applewhite/AP
Parentes de vítimas dos defeitos na ignição terão que retirar ações na justiça para receber indenizações da GM em acordo amigável Imagem: J. Scott Applewhite/AP

Investigações

Além de problemas com os consumidores, a GM enfrenta uma série de sindicâncias abertas por órgãos americanos como Departamento de Justiça, Congresso e Comissão de Valores Mobiliários, todas por suspeitas de negligência em solucionar o problema na época em que foi descoberto.

Em meados de abril, um juiz decidiu que o pedido de falência de 2009 isentava a montadora das ações judiciais que buscam tornar a GM atual responsável por reivindicações relacionadas a datas anteriores ao pedido de falência, caso do escândalo das ignições defeituosas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo