Carros

Consórcio de carro vira casa, poupança e moeda de troca

Rivaldo Gomes/Folhapress
Entidades querem "fazer girar" 240 mil cartas de crédito paradas; em vez de adquirir zero-quilômetro, donos preferem resgatar dinheiro, comprar um usado ou revendê-las Imagem: Rivaldo Gomes/Folhapress

Leonardo Felix

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

08/05/2015 08h00

Para estancar o sangramento na venda de carros novos em 2015, com queda de quase 20% de janeiro a abril na comparação com 2014, três entidades ligadas ao setor automotivo -- Anfavea (associação das fabricantes), Fenabrave (federação dos concessionários) e Abac (associação das administradoras de consórcios) se uniram para montar estratégias para chamar o comprador de volta às lojas. A principal tenta estimular um tipo de consumidor nem sempre valorizado: aquele que apostou no consórcio para obter seu zero-quilômetro.  

Trata-se de um público nada desprezível: as entidades calculam que cerca de 8% de todas as vendas de carros de passeio são feitas através de cartas de consórcio. A situação econômica atual deixa o cenário ainda mais peculiar: cerca de 240 mil pessoas já têm a carta de crédito liberada em mãos, mas decidiram não fizeram uso dela para comprar um automóvel. Para convencê-las a fechar negócio, uma das iniciativas do setor é o chamado Festival do Consorciado Contemplado

Iniciada nesta semana, a campanha terá duração de 45 dias e participação de 16 montadoras. Algumas já divulgam pacotes de ofertas: a Volkswagen oferece R$ 500 de desconto para qualquer consorciado, sendo R$ 1.000 para participantes do Consórcio VW e mais R$ 1.000 se o modelo escolhido for o Gol. Fiat e Nissan também darão bônus de R$ 500 a R$ 1.000 em toda a linha.

"Queremos fazer o mercado girar", afirmou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., que espera adesão de "50 a 60 mil pessoas" até o fim da campanha.

Mas, afinal, por que há tantas cartas de crédito "paradas" na praça? UOL Carros conversou com vários especialistas e mapeou diversos fatores.

Vou ter dinheiro para manter?

Um dos principais fatores para se "engavetar" a carta de crédito parece contraditório: nem sempre quem faz um consórcio está mesmo interessado em comprar um veículo. "Muita gente vê o consórcio como uma espécie de poupança", apontou o consultor automotivo Paulo Garbossa.

Em outras situações, o objetivo é realizar o sonho do carro zero, mas a realidade financeira trava a negociação. "Os gastos com carro vão muito além do preço: tem combustível, manutenção, impostos, estacionamento. Algumas pessoas só se dão conta disso quando têm a carta na mão, e hesitam em comprar ao se dar conta", destacou o economista Samy Dana.

Arquivo pessoal
A jornalista e escritora Patrícia Lages, que é dona de um blog sobre finanças pessoais, resgatou três cartas de crédito de automóvel em dinheiro e usou para comprar e reformar um imóvel Imagem: Arquivo pessoal
No caso da jornalista e escritora Patrícia Lages, a desistência veio com uma mudança de planos. Contemplada em três consórcios diferentes, mas sem intenção de trocar seu veículo, ela preferiu usar as cartas de crédito para pagar e reformar um imóvel. "Só descobri que podia fazer isso quando a primeira completou 180 dias [de término do contrato], e a própria administradora me ligou e ofereceu a retirada em dinheiro. Depois disso, resolvi usar as outras para a mesma finalidade", contou.

Tem também quem aproveite o dinheiro para adquirir um modelo usado de valor equivalente, muito mais bem equipado. Por fim, há um amplo mercado informal no qual consorciados já contemplados tentam revender suas cartas a terceiros, mesmo antes de quitá-las. "O sujeito recebe à vista o que já pagou, para ter dinheiro vivo antes do fim do plano, e o comprador assume o restante das parcelas", explicou Dana.

Vale a pena?

Investir em um consórcio de automóvel é bom em momento de crise econômica? O consultor Paulo Garbossa acredita que sim. "Com a alta da taxa de juros e o crédito cada vez mais restritivo, o consórcio pode ser uma boa pedida para quem quer ter um automóvel em médio e longo prazo", argumentou.

O economista Samy Dana, por sua vez, enxerga restrições. "Consórcio não é investimento, em que você ganha em cima de uma aplicação, nem financiamento, em que você recebe o bem na hora", ressaltou.

Para Dana, a modalidade só vale se o consorciado for sorteado rapidamente. "Usando a mesma lógica, a loteria também vale a pena para quem é sorteado", justificou. 

Leonardo Benassatto/Futura Press/Folhapress
Marcas participantes dão desconto de R$ 500 a R$ 2 mil para consorciados contemplados Imagem: Leonardo Benassatto/Futura Press/Folhapress

Mudanças no mercado

Diante de tantas situações, tem como o festival de Anfavea, Fenabrave e Abac vingar? Para Paulo Garbossa, sim. "Se a ação mobilizar 10% dos contemplados, já terá surtido efeito. Mas o mais importante é mostrar que o setor está empenhado em recuperar a confiança do consumidor", salientou o consultor. "Até quem não tem consórcio pode ser incentivado a fazer um", acrescentou.

Na visão de Samy Dana, o sucesso depende de como as fabricantes divulgarão a campanha. "Elas têm que fazer um trabalho de marketing ativo em cima. Além de propagandas, ligar para os consorciados e falar das ofertas", disse. 

Já o especialista do setor e colunista de UOL Carros, Fernando Calmon, vê a iniciativa como uma solução que não resolve o problema de maneira definitiva. "No passado, o consorciado era obrigado a retirar o veículo até 90 dias após ser contemplado. Talvez seja hora de repensar uma medida como essa", sugeriu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo