Carros

Com preço ainda inviável, laser será o futuro dos faróis dos carros

Divulgação
Farol a laser (à direira) é mais potente e menos gastão que o de LED Imagem: Divulgação

Fernando Calmon

Colunista do UOL

13/02/2015 20h43

Quem já dirigiu um carro dos anos 1960, de noite, sabe quão cansativa era a viagem. Os faróis, além de iluminarem uma distância relativamente curta, apresentavam grande difusão lateral e o facho alto ofuscava com facilidade o motorista no sentido contrário.

Se a estrada tinha um pouco mais de tráfego, nem mesmo a luz alta podia se usar. Lâmpadas halógenas melhoraram um pouco a visibilidade noturna, mas somente na última década do século 20 é que os faróis de xenônio realmente representaram um salto qualitativo, com mais potência luminosa e regulagem de altura automática no facho baixo.

Já neste século os blocos de LED (diodos emissores de luz) começaram em lanternas e sinalizadores de direção, evoluíram para a iluminação diurna e, finalmente, chegaram aos faróis. Sua luz branca, com temperatura que se aproxima à da luz do dia, o que garante conforto aos olhos, um facho focado quase exclusivamente na estrada e alcance 50% maior que lâmpadas de xenônio. Além disso, controles eletrônicos eliminam possibilidade de ofuscamento.

Alguns modelos atuais utilizam faróis baixos convencionais e altos com LEDs (por razão de preço). A diferença de iluminação é tão grande que o motorista até poderia pensar em problemas no circuito elétrico. Para se ter ideia, enquanto um farol de xenônio tem custo até quatro vezes superior a um convencional, a nova tecnologia alcança preço 12 a 15 vezes superior. Como sempre, os modelos de topo de gama ficam com a primazia.

FUTURO
Mal refeito da surpresa de viajar à noite com tranquilidade e tempo de reação adicional por enxergar mais longe, eis que o primeiro carro com faróis totalmente a laser começa a ser vendido no início de 2015: o híbrido (plugável em tomada) e esportivo BMW i8. A Audi desenvolveu o sistema inicialmente no R8 LMX e começa a oferecê-lo para seus modelos mais caros, também como opcional.

O alcance do facho de um farol a laser pode chegar a inimagináveis 600 metros -- a diferença de quase o dobro da distância em relação aos faróis de LEDs aparece claramente na foto ilustrativa. Os diodos de laser encapsulados em um sistema óptico são diminutos em comparação a uma célula de LED, o que aumenta o espaço e permite maior liberdade no estilo frontal dos automóveis. Sua potência luminosa é cerca de 70% maior, porém o consumo de energia atinge menos da metade do conjunto de LEDS, por si só já muito baixo. Isso significa menor gasto de combustível, hoje fundamental, e inclusive uma melhora na autonomia de veículos híbridos e puramente elétricos.

Um cone de luz tão estreito e concentrado aumenta bastante a segurança em estradas com muitas retas. No entanto, essa tecnologia consegue adaptação automática tanto à velocidade quanto ao tipo de estrada. O brilho intenso facilita a identificação de qualquer obstáculo na pista, seja objeto, buraco, animal, pedestre ou ciclista. Embora se espere diminuição de preço com o aumento de produção, dentro de alguns anos, o fato é que, por enquanto, o sistema a laser é caro, muito mais que os LEDs.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo