Topo

Carros

BMW arruma visual do Série 1, que será fabricado no Brasil este ano

Divulgação
Série 1 2016 reestilizado melhora frente polêmica e amadurece traseira Imagem: Divulgação

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

16/01/2015 17h31Atualizada em 19/01/2015 13h20

A BMW alemã revelou na sexta-feira (16) a atualização do hatch Série 1, de duas e quatro portas, que chega ao mercado como ano/modelo 2016. A filial brasileira também confirmou "que a produção nacional do BMW Série 1 se iniciará em 2015, sem data confirmada". Não houve informação sobre o modelo específico, mas é difícil imaginar que a fábrica local, tendo o novo na mão, se dedicaria a fazer o antigo. Resta a definição sobre o uso de motor flex. 

Com a reestilização, a marca bávara acerta o visual da dianteira e zera o "estrabismo" divergente dos faróis do Série 1. Esse visual vinha recebendo críticas desde o lançamento da geração, em 2011. Houve também o redesenho das lanternas, agora horizontalizadas como nos sedãs e SUVs da marca.

Foram atualizadas ainda as opções de motor, que se alinham ao outras linhas de produtos do grupo BMW: a linha 3-cilindros introduzida pela nova geração do Mini Cooper passa a equipar o Série 1, bem como 4-cilindros, todos com tecnologia TwinPower de turboalimentação. O 6-cilindros vai empurrar o esportivo M135i.

Pacotes tecnológicos também ampliam o conforto da cabine do Série 1, bem como a capacidade do modelo em se manter conectado à internet. Nada de mudanças nas dimensões, claro: 4,32 m de comprimento, com 2,69 m de espaço entre-eixos, seja com duas ou quatro portas.

COMO FICOU?
Ficou melhor, pelo menos externamente: algumas pessoas comparavam o Série 1 atual a um dos pássaros do desenho/game Angry Birds. A nova frente adota faróis redesenhados e que fazem melhor uso da tecnologia LED -- os diodos servem de luz diurna na versão mais barata, enquanto as mais caras usarão o sistema full-LED. Já o para-choque ficou menos careta ao adotar nichos laterais (onde estão as luzes de neblina) mais angulosos e uma nova tomada de ar central em formato trapezoidal. Nada, nada, pode-se dizer que há uma influência do rival Mercedes Classe A aí.

Mais imponente, a traseira troca a lanterna pequena, que se alojava entre a coluna traseira e a tampa do porta-malas, por um modelo seccionado: parte invade um pouco mais a lateral do hatch, enquanto parte invade a tampa traseira ao mesmo tempo em que se afunila. LEDs unem os dois segmentos em desenho mais maduro, elegante e que faz o hatch "conversar" com sedãs e SUVs da marca, do X1 ao Série 6.

Murilo Góes/UOL
Série 1 atual, ainda vendido no Brasil, tem faróis "estrábicos" Imagem: Murilo Góes/UOL
FLEX?
Com a nova família de motores, o Série 1 terá as seguintes configurações e potências: 116i, 1.5 3-cilindros, 110 cv; 118i, 1.6 4-cilindros, 138 cv; 120i, 1.6 4-cilindros, 180 cv; 125i, 2.0 4-cilindros, 221 cv; e M135i, 3.0 6-cilindros, 330 cv. 

Para o Brasil, fica a promessa (feita no lançamento global do Mini Cooper) de que a nova linha de motores já esteja adaptada para usar tanto etanol quanto gasolina. Haverá ainda versões a diesel disponíveis para o mercado europeu. 

Os nomes das versões começam pela nova Advantage, mantendo as atuais Sport Line, Urban Line e M Sport.

A BMW amplia ainda o pacote tecnológico oferecendo sensores de luminosidade, chuva, pressão dos pneus e ar-condicionado automático como itens de série, bem como a nova tela central de 6,5 polegadas. São opcionais: suspensão adaptativa, suspensão esportiva, caixa de direção com auxílio adaptativo esportivo e freios esportivos, bem como ConnectDrive (conexão à internet), controle de cruzeiro ativo (monitora carros à frente para definir aceleração e frenagem) e auxiliar de estacionamento -- itens que têm se tornado comuns nos rivais do segmento premium, ainda que em versões mais caras.

Mais Carros