Carros

Chefões das montadoras acreditam que PIB brasileiro cresce até 3% em 2015

Da Redação, em São Paulo (SP)
Com Joel Leite, da AutoInforme

07/01/2015 06h54Atualizada em 07/01/2015 07h22

O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro vai crescer, mas não muito, em 2015, segundo executivos do setor automotivo que traçaram suas perspectivas a pedido da Agência AutoInforme, do blogueiro Joel LeiteUOL Carros faz aqui um resumo das opiniões -- que, na média, são mais otimistas que as de outros agentes da economia.

O primeiro boletim Focus do Banco Central deste ano, divulgado no dia 5, apurou expectativa de 0,5% de crescimento do PIB. O documento resume as impressões do mercado financeiro. Especificamente para o setor automotivo, a Fenabrave (associação das revendas) prevê para 2015 nova queda, de cerca de 7%, nas vendas de automóveis e utilitários leves.

Divulgação
Luís Curi, vice-presidente da Chery, vê economia crescendo 1,5% este ano Imagem: Divulgação

Nenhum dos executivos das montadoras ouvidos pela AutoInforme acredita em PIB negativo este ano. O presidente da Suzuki, Luiz Rosenfeld, foi o único que falou em crescimento zero. "É difícil fazer uma previsão do PIB, isso é coisa para economista, mas sinto que o Brasil não vai crescer [em 2015]", arriscou ele para a AutoInforme.

François Dossa, presidente da seção brasileira da Nissan, também é relativamente pessimista. Para ele, se houver crescimento, será modesto, "não mais do que 0,2%". Nesta terça-feira (6), a marca japonesa anunciou a produção de um inédito motor 3-cilindros em sua fábrica no Rio de Janeiro; na ocasião, o chefão global da empresa, Carlos Ghosn, afirmou que a marca "acredita no Brasil".

Divulgação
Cledorvino Belini, presidente da FCA, vê o PIB pedalando até atingir os 3% este ano Imagem: Divulgação
Antônio Maciel Neto, que assumiu a direção da operação Caoa-Hyundai em 2014, disse que, na melhor das hipóteses, o PIB brasileiro em 2015 não passa de 1%.

A AutoInforme notou que os executivos mais otimistas com a economia neste ano são exatamente aqueles cujas empresas mais cresceram em 2014. Robert Richard, que comanda a Mitsubishi -- que, pela primeira vez, figura entre as dez maiores vendedoras de carros no Brasil, segundo números da Fenabrave --, garantiu que o PIB pode chegar a 3%. "Deve variar entre 2% e 3%", disse ele.

Outro entrevistado pela agência foi Luís Curi, vice-presidente da Chery no Brasil, e que viu a marca chinesa crescer 27% em 2014 e inaugurar fábrica em Jacareí (SP). Ele disse apostar num PIB de 1,5%. Já José Ricardo, diretor da Toyota, cujas vendas cresceram 8% no ano passado, subiu a aposta para 2%.
 
 
Cledorvino Belini, presidente da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) e ex-presidente da Anfavea, foi outro que falou em crescimento de até 3% do PIB. Ainda no primeiro trimestre, a empresa inaugura sua nova fábrica no Brasil, em Goiana (PE), de onde sairá o Jeep Renegade.

Disseram acreditar em crescimento do indicador, mas não arriscaram números, os executivos Sérgio Bessa, diretor comercial da Honda Automóveis; Herbert Junior, da chinesa Geely; e Marcel Visconde, presidente da Sttutgart, importadora oficial dos modelos Porsche.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo