Carros

Interesse por esportivos cai e marcas se unem para cortar custo de projetos

Elisabeth Behrmann

Da Bloomberg

12/11/2014 12h59

A forte crise econômica de 2008 afetou sensivelmente o setor automotivo e, em especial, o segmento de veículos esportivos, geralmente os mais caros à venda. Além disso, a redução do papel do carro como símbolo de status na Europa e nos Estados Unidos, e o aumento da poluição em mercados emergentes, como a China, motivou a migração dos compradores de maior poder aquisitivo a outros tipos de modelo, como SUVs e até limusines.

Para se ter ideia do quanto o segmento encolheu, as vendas combinadas de Audi TT, Mercedes-Benz SLK e BMW Z4, que chegaram ao pico global de 114 mil unidades em 2007, despencaram 45% até 2010, de acordo com a empresa de pesquisa IHS Automotive.

Na visão do diretor global de vendas da BMW, Ian Robertson, este é um processo praticamente irreversível: as vendas de carros voltados ao alto desempenho jamais voltarão ao patamar que alcançaram nos dias de glória. "Depois de 2008, o mercado de esportivos simplesmente desmoronou e, atualmente, é praticamente a metade do que era. Não sei se vai se recuperar completamente algum dia", previu.

Tim Urguhart, analista da IHS, apontou que a criação de novos segmentos para atender nichos específicos de consumidores também contribuiu para a queda. "O mercado foi diluído com o aumento da oferta para uma parcela da população tradicionalmente associada aos esportivos. Profissionais jovens e urbanos agora têm uma variedade muito maior de veículos que refletem seus estilos de vida", explicou. 

Murilo Góes/UOL
Outra saída é apostar em supercarros movidos a energia alternativa, como o híbrido i8 Imagem: Murilo Góes/UOL
Apesar da retração, projetar veículos que aliam performance ao luxo ainda é aspecto importante da construção da identidade de uma marca. Para permitir redução nos gastos com esse tipo de desenvolvimento, sem desacelerar o processo, diferentes fabricante estão se aliando na elaboração de projetos conjuntos. É o caso da Mercedes-Benz com a Renault e, mais recentemente, da própria BMW com a Toyota.

Na semana passada, a marca alemã anunciou uma parceria com a montadora japonesa para dividir os custos de desenvolvimento de um novo esportivo de médio porte. De acordo com o comunicado, o projeto já passou por todos os testes de viabilidade e entrou agora na fase de elaboração da versão-conceito. As empresas não quiseram dar informações detalhadas.

Outra saída é acrescentar um novo ingrediente à receita: a energia alternativa. É por isso que modelos como BMW i8, Porsche 918 Spyder e Lamborghini Asterión, todos superesportivos movidos a propulsão híbrida, estão ganhando cada vez mais espaço.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo