Carros

Conheça nove atitudes comuns do motorista que podem ser fatais

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

17/10/2014 08h00Atualizada em 02/12/2014 16h07

A facilidade de se comprar comida em drive-thrus, uma simples tragada em um cigarro e a elegância feminina ao se usar um scarpin são atitudes comuns e cotidianas, mas que podem se tornar gestos proibidos -- e até fatais -- quando a bordo de um carro.

É normal olhar para o veículo ao lado e ver uma pessoa comendo ou fumando, por exemplo. Apesar de não se trata de comportamentos proibidos, ambos são passíveis de multa, de acordo com o artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro, que esclarece que não é permitido dirigir com apenas uma das mãos ao volante (infração média: quatro pontos na carteira e pagamento de R$ 85,13).

Além destes três exemplos, há diversas outras atitudes absolutamente comuns que podem ser extremamente perigosas, mas que são rotineiras entre os motoristas brasileiros. Listamos abaixo nove delas.

Getty Images
1. Comer e beber Imagem: Getty Images
Apesar da imensa variedade de opções gastronômicas oferecidas no Brasil, com milhares de lojas com serviço drive-thru -- termo em inglês que indica o local onde o cliente pode comprar um produto sem precisar sair do carro --, comer e beber com o carro em movimento pode ser não só passível de multa (depende da interpretação do oficial da CET, que pode concluir que o motorista deixa de usar uma das mãos para comer), como também perigoso ao motorista. "Quando a pessoa come ou bebe, a utilização de uma só mão para o volante e o câmbio limita os recursos do motorista para uma manobra de emergência, por exemplo, podendo causar acidente", explica Gerson Burin, analista técnico do Cesvi (Centro de Experimentação e Segurança Viária). Além disso, beber de uma lata ou garrafa pode fazer com que o condutor incline demais a cabeça para cima, perdendo o foco da via à frente, ao passo em que comer um sanduíche exige cuidados para não sujar o carro, o que tira ainda mais a atenção da estrada.

Getty Images
2. Fumar Imagem: Getty Images
O ato de fumar também entra na questão da não utilização das duas mãos. "O cigarro ainda pode cair no carro ou na roupa, fazendo com que o motorista tenha mais alguns segundos de distração", lembra Burin. Mesmo assim, é permitido fumar dentro do carro, pois não há uma lei específica no Código de Trânsito Brasileiro que indique explicitamente que acender um cigarro no interior do automóvel seja infração. O motorista que jogar a bituca pela janela, porém, pode ser multado.

Getty Images
3. Braço para fora Imagem: Getty Images
Braço para fora é infração de trânsito, segundo o Código Brasileiro, do tipo média, quatro pontos e multa de R$ 85,13. As regras nacionais dizem que o motorista deve dirigir com os dois braços no volante, podendo segurar a direção com uma mão só quando precisar trocar de marcha, acionar as setas ou acionar equipamentos ou acessórios do veículo. Além disso, transitar com o braço para fora "gera risco à segurança pessoal e da coletividade". De acordo com o especialista Gerson Burin, do Cesvi, o descansa-braço da porta é ideal, já que permite que o condutor deixe o antebraço relaxado sem precisar tirar a mão do volante.

Getty Images
4. Fones de ouvido Imagem: Getty Images
Utilizar fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora ou de telefone celular é proibido, de acordo com o artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro, e infração passível de multa (média, quatro pontos, R$ 82,13). Mais importante que isso, segundo Burin, é o aumento das chances de acidentes causados por desatenção, já que reduzir o volume externo e se concentrar no áudio vindo do aparelho eletrônico reduz exponencialmente as chances de o condutor  ouvir os ruídos vindos do trânsito, que em alguns casos pode ser de extrema importância.

Getty Images
5. Celular Imagem: Getty Images
É dever de todo motorista brasileiro saber, embora a maioria não cumpra, que dirigir falando ao telefone é totalmente proibido. Hoje em dia, aliás, muita gente lê e manda mensagens digitadas no celular, seja com o carro parado no trânsito ou em movimento. "infelizmente a evolução dos aparelhos eletrônicos aumentaram consideravelmente o número de acidentes no trânsito. Atualmente, em um ou dois segundos de desatenção, o condutor pode bater na traseira de outro carro ou mudar de faixa devido à desorientação causada pelo celular", alerta Burin. "Mesmo com Bluetooth, onde o motorista não precisa tirar a mão do volante para atender, o uso precisa ser cauteloso, pois a própria conversa pode tirar atenção", completa.

Getty Imagem
6. Maquiagem Imagem: Getty Imagem
As mulheres que se maquiam no carro precisam saber que não existe lei que proíba tal prática -- o costume, porém, também é passível de multa, exatamente como no caso da comida e do cigarro, pois depende de uma interpretação de um agente de trânsito, que pode considerar que o (a) motorista deixou de usar uma das mãos para fazer a maquiagem. Isso, além de tudo, também pode ser perigoso, já que em alguns casos tal atitude exige utilização de até duas mãos, e se o carro estiver em movimento, pode por em risco os ocupantes e até mesmo veículos mais próximos. "Além do mais, caso a pessoa faça maquiagem com o carro parado, boa parte da atenção exigida pelo trânsito exige vai embora, atrapalhando a fluidez do tráfego.

Getty Images
7. Rodar com mais passageiros que o permitido Imagem: Getty Images
Além de influenciar no peso, na estabilidade e diretamente no consumo do veículo, rodar com mais gente que o permitido gera um problema grave: quais cintos de segurança, item obrigatório para todos os passageiros, os ocupantes "extras" vão utilizar? "O menos pior é o desconforto na dirigibilidade. A ameaça real são os indivíduos sem cinto soltos pelo carro, pois em um acidente eles serão os primeiros a ser projetados para fora do automóvel, podendo ferir até mesmo quem está devidamente protegido", explica Gerson Burin. Um agente de trânsito pode determinar o desembarque dos ocupantes excedentes. 

Getty Images
8. Celular na moto Imagem: Getty Images
Muitos motociclistas utilizam o celular durante a pilotagem -- a maioria prende o aparelho entre a orelha e o capacete, e só utilizam as mãos quando precisam atender ou desligar a ligação. De acordo com Burin, a atitude é ainda mais perigosa que a do motorista que fala ao telefone, pois quem está sobre a moto fica muito mais vulnerável que pessoas que estão dentro do carro. "Em um acidente, para piorar, o aparelho colado no rosto ainda pode causar sérias escoriações à face", avisa o especialista. "Quem não tem o costume de prensar o celular entre o rosto e o capacete ainda pode ter desatenções devido à adaptação do aparelho no local, aumentando ainda mais o risco", complementa.

Getty Images
9. Calçado sem fixação segura Imagem: Getty Images
O Código de Trânsito Brasileiro diz que o motorista deve usar sapatos bem fixados que não permitam uma eventual escapada espontânea do pé -- como tênis, sapatos, sandálias com fechos etc. Sapatos de encaixe (como os scarpin), chinelos e tamancos, por exemplo, podem interferir na condução e causar acidentes. "Sem querer, o sapato pode entrar no conjunto de pedais e atrapalhar alguma das funções, comprometendo o uso do veículo", explica Burin. O erro na escolha do calçado resulta em multa leve, três pontos na CNH e multa de R$ 53,20. Dirigir descalço pode.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo