Carros

Jaguar F-Type Coupé vira assunto e imã de selfie nas ruas de São Paulo

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

15/08/2014 07h01

A vida a bordo do cupê (cabine fechada) Jaguar F-Type é diferente daquela a que maioria da população brasileira está acostumada. Tudo muda antes mesmo de entrar no carro: onde quer que se estacione -- seja na garagem do prédio, do trabalho ou na rua -- haverá pessoas em volta do veículo para apreciar, tirar fotos, muitas delas procurando o escudo com o "cavalinho" da Ferrari... E sempre olhando para o dono com aquele olhar de dúvida: "esse cara é artista ou jogador de futebol?"

Reprodução
Não é comum ver um desses na rua; Jaguar espera vender uma dezena por ano Imagem: Reprodução
"Eu te conheço de algum lugar" foi uma frase ouvida a cada parada em local público. No trânsito, na fila do pedágio e no estacionamento do shopping, olhares dos curiosos, sorrisos dos mais experientes, "joinhas" dos mais jovens -- e alguns palavrões invejosos dos viciados em carro. 

Para os mais aficionados: o F-Type que UOL Carros dirigiu é o sucessor do antigo E-Type, esportivo dos anos 1960 e 1970. O novo carro foi construído para recuperar fãs e clientes da divisão esportiva da marca e homenagear o clássico do século passado, considero por muitos (até por Enzo Ferrari, fundador da scuderia italiana) como o carro mais bonito de toda a história.

Reprodução
Insígnia da Jaguar ostenta o focinho do felino; versão avaliada custa R$ 662 mil Imagem: Reprodução
REALIDADE
Nem tudo, porém, é história ou alegria. Esse Jaguar custa, na versão testada (V8 R), impressionantes R$ 662 mil. Ronca alto como Ferrari, mas é concorrente de Porsche 911 (cerca de R$ 650 mil) e Audi R8 V8 (aproximadamente R$ 750 mil). O proprietário de um F-Type ainda deverá arcar com cerca de R$ 40 mil de seguro e R$ 26 mil de IPVA (sem contar a eventual blindagem).

Apesar de não concorrer diretamente com superesportivos de mais de R$ 1 milhão (Ferrari, Lamborghini), o cupê inglês tem números de desempenho respeitáveis: 0 a 100 km/h em 4,2 segundos e velocidade máxima de 300 km/h. Responsáveis por tal comportamento são o motor V8 5.0 Supercharged (aspirado), de 550 cavalos e 69,3 kgfm de torque, e a transmissão automática de oito marchas.

Além do preço salgado, o esportivo tem outro problema quando usado no Brasil: é dureza encarar buracos, valetas e lombadas; o parachoque raspa fácil, e qualquer tampa de bueiro vira uma cratera. 

O consumo é praticamente insustentável: média de 4,7 km/litro em ciclo misto (cidade e estrada). Descendo a Serra do Mar, de São Paulo à cidade litorânea de São Vicente (SP), em oitava marcha, a 110 km/h e no modo econômico, o computador de bordo conseguiu registrar 11,5 km/l. Na subida, quase sempre em terceira marcha, o número caiu para surreais 2,8 km/l.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo