Carros

Rodamos 1.700 km com o Toyota Corolla GLi: bom na estrada, fraco no recheio

Claudio Luís de Souza
Murilo Góes

Do UOL, em São Paulo (SP)

31/07/2014 20h14

Escrever sobre o novo Toyota Corolla é fácil: o carro ficou mais bonito, mais gostoso de guiar, mais pobre por dentro, mais caro na hora de fechar negócio.

Dissemos isso sobre a versão Altis, que hoje custa quase R$ 94 mil e não possui sequer dois itens básicos (repetimos, hoje eles são básicos) de segurança ativa, os controles de tração e estabilidade. O Ford Ka de R$ 40 mil tem.

Murilo Góes/UOL
Bonito e bom de guiar, novo Corolla em sua versão de entrada peca pela avareza Imagem: Murilo Góes/UOL
Agora UOL Carros provou a versão mais barata do novo Corolla, a GLi, e na configuração mais básica possível: com câmbio manual de seis marchas e sem opcionais/acessórios que mascarassem a simploriedade do conteúdo. Sob a embalagem inegavelmente bela do novo visual do Corolla (qualidade acentuada se a carroceria tiver cor escura), continua a haver um sedã com o mínimo de conteúdo e o máximo de preço (R$ 67.810; caso se acrescente o câmbio CVT, vai a R$ 69.990).

A equipe dirigiu o sedã em duas viagens rodoviárias (uma delas São Paulo/Rio de Janeiro/São Paulo), totalizando 1.664 km de convivência. Depois dela, a principal constatação também não foge do que foi dito no primeiro parágrafo. O Corolla é um carro gostoso de dirigir, com suspensões bem acertadas -- que não negam firmeza em velocidades mais altas -- e motor vigoroso. Apesar do volante excessivamente torto para a esquerda, e mesmo tendo de trocar marchas manualmente e "pedalmente", deu para encarar longas horas de estrada sem cansaço, e sem jamais esgoelar o motor para chega a, e manter-se em, velocidades de cruzeiro adequadas.

Murilo Góes/UOL
Traseira do Corolla ganhou barra cromada unindo as luzes de ré: ficou bonito Imagem: Murilo Góes/UOL
Ponto para o veterano propulsor de 1,8 litro, bicombustível, 144 cv com etanol, cuja performance não deve nada ao 2 litros das versões XEi e Altis, apesar dos 200 cm³ e quase 10 cv de diferença. As seis marchas aproveitam bem sua força, e ainda por cima o consumo foi baixo: cerca de 15 km/l com gasolina e 12,5 km/l com etanol; em trajeto urbano, com etanol, o Corolla cravou 8,8 km/l.

O problema está no pacote.

Entre outros itens, a versão mais em conta do Corolla traz, de série, revestimento dos bancos (em tecido) na cor cinza; painel central em piano black; ar-condicionado (manual); direção com assistência elétrica e ajuste na coluna; sistema de áudio com CD player, rádio, entradas USB e AUX, seis auto-falantes e Bluetooth; espelhos retrovisores externos com indicador de direção e regulagem elétrica; vidros frontais com película antirruído; cinco airbags (dois frontais, dois laterais dianteiros e um de joelho para motorista); sistema ISOFIX para fixação de cadeirinha para crianças no banco traseiro.

Murilo Góes/UOL
Basta olhar para esta cabine para notar o quanto o Corolla GLi é... "austero" Imagem: Murilo Góes/UOL
Aqui, vale o exercício de ver as coisas pelo avesso: na comparação com uma ou com as duas versões acima, o Corolla GLi não oferece rebatimento elétrico dos retrovisores, partida por botão, faróis de neblina, airbagas de cortina, cruise control, sistema multimídia com navegação por GPS, acendimento automático dos faróis e modo de condução esportivo (tecla Sport). Verdade que tem muita coisa dispensável nessa lista, mas carros muito mais baratos oferecem isso tudo e muito mais.

(Sem contar, claro, o pecado original de não ter controles de tração e estabilidade. E sim, sem eles o Corolla escapa de traseira em curvas mais fortes.)

De resto, a beleza externa do novo Corolla não migrou para dentro da cabine. Os bancos são revestidos em tecido que parece fino demais, e o painel de instrumentos dessa versão (nas demais é melhorzinho) parece de carro popular. O espaço interno, porém, merece ser valorizado. O ideal é levar quatro pessoas, mas mesmo com cinco a bordo todos se acomodam com conforto e sem apertos para pernas e cabeças (entre-eixos de 2,7 metros numa carroceria de 4,62 metros). O porta-malas (470 litros) é outro destaque, mesmo com as caixas das rodas traseiras e as dobradiças da tampa criando "volumes mortos" aqui e ali.

Qualidades o Corolla GLi tem, e várias. Foi um bom companheiro na estrada. Poderia ter sido melhor ainda com um pouquinho mais de capricho, pelo muito que ele custa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo