Testes e lançamentos

Chevrolet Onix é meio careta para a "série hipster" Lollapalooza

Leonardo Felix

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

09/05/2014 17h42Atualizada em 23/06/2014 11h48

Lançada poucos dias antes de começar a terceira edição brasileira do festival indie-hipster-roqueiro homônimo, no início de abril, a série especial Chevrolet Onix Lollapalooza quis trazer ao sóbrio compacto da Chevrolet um ar mais jovem. Seja porque o modelo não combina com a proposta do evento, seja porque este não é assim nenhum Rock in Rio (usado como tema de versão do Volkswagen Fox), o fato é que o carro não empolga.

Baseada na versão LT do Onix, a série foi limitada a 4 mil unidades produzidas ao longo do mês passado e que ainda podem ser encontradas nas concessionárias pelo preço sugerido de R$ 41.890. Mecanicamente, é idêntica à versão LT 1.0, com motor 4-cilindros flexível que entrega 78/80 cavalos de potência (respectivamente, gasolina e etanol), a 6.400 rotações, 9,5/9,8 kgfm de torque (idem), aos 5.200 giros. O câmbio é manual de cinco marchas.

As novidades da série Lollapalooza estão no pacote de equipamentos e nos adereços que a caracterizam. Itens como direção hidráulica, ar-condicionado, travas (nas quatro portas) e vidros elétricos dianteiros, chave canivete (com acionamento remoto também do porta-malas) e o já conhecido sistema multimídia MyLink, com tela de 7 polegadas, já são de série pelo preço da tabela.

Murilo Góes/UOL
Marcas d'água na coluna central e adesivos na coluna C e tampa do porta-malas são elementos que diferenciam o Onix Lollapalooza de um Onix LT comum Imagem: Murilo Góes/UOL

Na parte estética, este Onix se diferencia pelos decalques temáticos na coluna C e tampa do porta-malas, marcas d'água com o símbolo do evento espalhadas pela coluna central, tapetes exclusivos com bordas e o nome do modelo pintados de laranja, e capas emborrachadas para os porta-copos e porta-objetos também neste tom. Os detalhes combinam com as costuras dos bancos de tecido e da manopla de câmbio.

A General Motors colocou no pacote rodas de 15 polegadas em liga de alumínio e com borda usinada (as versões tradicionais vêm com aros de 14 polegadas e aço estampado), retrovisores pintados de cinza e faróis com lanternas escurecidas, máscara negra e lentes decorativas na cor azul. Desses, os dois últimos elementos também existem como opcionais do Onix LT convencional.

Há ainda uma opção exclusiva de pintura, o laranja Flame metálico (que chegou a estar disponível nos primeiros lotes do Onix, mas depois foi descartada), que se junta ao azul Sky (também metálico) e branco Summit (liso) na paleta.


CONTRASTES
UOL Carros testou o Onix Lollapalooza durante quatro dias, por mais de 300 quilômetros em trechos urbanos e de estrada -- e pode afirmar que, pelo preço proposto, não vale a pena comprá-lo. A principal justificativa para isso está nesta reportagem que mostra prós e contras de comprar um carro de série especial. A compra é boa apenas se o valor ficar razoavelmente abaixo de uma versão convencional com o mesmo nível de equipamentos.

Murilo Góes/UOL
Adereços num tom forte de laranja formam estranha combinação com demais itens, pretos ou cromados Imagem: Murilo Góes/UOL

Não é o que acontece neste caso: enquanto o Onix Lollapalooza fica em R$ 41.890, a edição LT 1.0 munida de pacote que acrescenta todos os apetrechos de mídia e conforto, mais roda de aço aro 15, farol com máscara e efeito azul e pintura metálica, fica em R$ 41.365. Fica faltando a roda de liga leve, o que não chega a ser um detalhe dos mais visados pelo consumidor comum.

Mas atenção: algumas concessionárias da Chevrolet oferecem bons descontos pelo Onix Lollapalooza, pedindo, em média, R$ 39.900, economia de cerca de R$ 2 mil.

O fato é que a tentativa de deixar o Onix mais jovem não deu muito certo: os adesivos e ornamentos do interior contrastam demais com o perfil sério -- e até um pouco careta -- do compacto. Incomoda olhar para o habitáculo e ver que, junto aos discretos e bem combinados elementos em preto e cromado, foram acrescentados detalhes num laranja vivo. Os decalques na parte traseira também causam estranheza, embora amenizados quando presentes sobre a pintura azul ou laranja.

Apesar do bom conjunto mecânico (freios e câmbio são especialmente eficientes), faz falta a oferta do motor de 1,4 litro e transmissão automática de seis velocidades, já que parte dos jovens urbanos visados pela série podem não curtir as limitações de um 1.0.

Conclusão: adquirir o Onix Lollapalooza só é bom se o comprador obtiver desconto na loja -- ou se for muito fã do festival e/ou de suas bandas. Não é que o carro seja ruim -- muito pelo contrário. Mas é certinho demais para se aventurar numa série que deveria ser mais descolada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Testes e lançamentos

Topo