Carros

Mesmo com IPI maior, Sentra de R$ 62.190 é opção mais em conta

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

19/02/2014 07h00

Lançada em novembro de 2013 no Brasil, a nova geração do Sentra já está até R$ 1.500 mais cara, em decorrência do aumento do IPI -- o imposto voltou a subir este ano e será incrementado de forma progressiva até julho. A versão de entrada, S, saltou de R$ 60.990 para R$ 62.190; a SV, intermediária, pulou de R$ 65.990 para R$ 67.390; e a SL, topo de gama, subiu de R$ 70.990 para R$ 73.490.

O rival mais barato com configuração similar ao Sentra S é o Corolla GLi 1.8, que custa R$ 64.860. São R$ 2.670 de vantagem para o Nissan.

Assim, apesar do aumento de preço por conta do IPI -- que vale para todos --, o bom pacote de série faz com que o modelo da Nissan siga atraente. O Sentra S oferece faróis e lanternas com LEDs, luzes de neblina, cintos de três pontos traseiros, fixadores para cadeirinhas infantis do tipo Isofix, ignição por botão, piloto automático, rádio CD-Player com MP3 e conexão por Bluetooth, volante multifuncional, além de itens básicos desta categoria, como alarme, vidros elétricos e direção assistida e mais airbag duplo e freios com sistema ABS obrigatórios.

Há uma única bola fora do sedã: não disponibilizar, em nenhuma das versões, controles de tração e estabilidade, algo praticamente obrigatório em sedãs médios atuais -- Honda Civic e Chevrolet Cruze, por exemplo, têm. O Sentra também não conta com assistente de partida em rampa (que segura o carro por alguns instantes, até que o motorista tenha tempo de pisar no acelerador), já presente em rivais.

Não há opcionais na lista do Sentra. A garantia é de três anos e o sistema de revisão conta com preços fixos até os 60 mil quilômetros. Para consultar a lista completa de equipamentos, clique aqui.

NO MERCADO
"As vendas vão bem, obrigado", diria a Nissan. A meta, de acordo com estimativas da marca durante o período de lançamento, era vender as cerca de 1.400 unidades que seriam importadas por mês (cerca de 8% do mercado de sedãs médios no país). Em dezembro o carro emplacou 1.073 unidades (2,92% do segmento), enquanto em janeiro deste ano o número subiu para 1.086 carros (6,21%).

Note que apenas 13 veículos fizeram o Sentra saltar na participação de um mês para outro. A explicação é simples: em dezembro de 2013, a categoria de sedãs médios registrou 22.799 carros vendidos; em janeiro esse número caiu para 17.501. Ou seja, apesar da queda de mais de cinco mil carros do segmento, o modelo da Nissan conseguiu praticamente manter o nível de vendas do mês anterior -- e com isso saltar da nona para a quarta posição.

Compare os relatórios da Fenabrave, de dezembro e janeiro, e veja como o Sentra se manteve firme na disputa. UOL Carros não considera o Ford Fusion como sedã médio, já que seu comprimento (e entre-eixos) o classificam como sedã grande.

NA PRÁTICA
UOL Carros avaliou por uma semana a versão S, de entrada, equipado com o mesmo motor de 2 litros das configurações mais caras, mas com câmbio manual de seis marchas. O carro está mais gostoso de dirigir na comparação com a geração anterior.

O espaço interno é o mesmo que o do Sentra SL, avaliado em 2013: ótimo para três ocupantes traseiros sem comprometer a capacidade do porta-malas, que leva até 503 litros (um Honda Civic 2014, como exemplo, carrega 449 l).

O câmbio manual tem engates precisos, mas com relação alongada. Agrada a quem gosta de fazer reduções para ultrapassagens e incomoda no trânsito caótico, quando o ideal seria ter câmbio automático.

O motor é progressivo e tem força e potência suficientes tanto para a cidade como para a estrada, além de ser econômico: em percurso predominantemente urbano, alcançamos a média de 10,9 km/litro de gasolina. Segundo o Inmetro, o sedã na configuração S tem nota A e é capaz de fazer 7,2 km/l na cidade e 8,7 km/l na estrada com etanol; e 10,5 km/l e 12,9 km/l com gasolina nas mesmas condições.

O valor mais salgado em 2014, portanto, não serve de justificativa para o consumidor fugir do Sentra, já que todos os sedãs médios passaram por aumento de preços. O modelo da Nissan está longe de ser o mais bonito e não é o mais moderno, mas, considerando as opções disponíveis, é o que continua oferecendo o melhor custo-benefício.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo