Carros

Proteção reforçada aos passageiros de trás é nova tarefa dos airbags

Fernando Calmon

Colunista do UOL

24/12/2013 12h35

Até o momento, o grande foco dos programas de avaliação de segurança de carros novos tem sido a proteção aos ocupantes dos bancos dianteiros. Motorista e passageiro estão realmente mais expostos em acidentes, além de a frequência de passageiros no banco de trás ser bem menor. Em uso urbano, por exemplo, a média é de apenas 1,5 ocupante por carro, ou menos. Em estradas, mal alcança duas pessoas por veículo na maioria dos países, salvo em viagens e feriados.

Nos testes de colisão em laboratórios, há dois dummies (bonecos com sensores) que simulam crianças, de oito meses e três anos de idade, no banco de trás. A avaliação, basicamente, é dos sistemas de retenção dos bancos infantis e robustez de fixação. Em breve, o Euro NCAP (programa europeu de avaliação) adotará dummies que utilizam assentos de elevação para crianças até 7,5 anos de idade e também bonecos que reproduzem adultos.

Segundo a TRW, fabricante de cintos e airbags, "a segurança de passageiros no banco traseiro não pode ser considerada menos importante do que a dos ocupantes dos bancos dianteiros; testes de impactos frontal, lateral e traseiro, nos próximos anos, exigirão soluções inovadoras".

  • Divulgação

    Teste de airbags extras para passageiros do banco traseiro, conduzido pela TRW

Uma delas é o airbag de interação lateral, colocado entre os dois passageiros do banco traseiro. Tem a função de proteção adicional em acidentes em que outro veículo colide transversalmente ou há um choque lateral contra poste e outros obstáculos. Mesmo protegidos por cintos de segurança e bolsas de ar laterais e de cortina, a dinâmica do acidente frequentemente leva a um choque de cabeças dos ocupantes. Lesões mortais podem ocorrer.

Colisões laterais são bem perigosas e respondem por um terço das mortes em estradas. O grau de intrusão de outro veículo e o espaço restrito para superfícies absorvedoras de energia (em acidentes frontais e traseiros existem grandes massas deformáveis) limitam a ação protetora dos dispositivos existentes. Por isso, a empresa desenvolve duas novas tecnologias.

Uma solução é o airbag externo lateral capaz de reduzir a invasão do habitáculo e a onda de choque transmitida aos ocupantes. Critérios biomecânicos de danos no tórax, abdômen e pélvis dos dummies mostraram bons resultados quando comparados a acidentes na vida real.

Outro dispositivo avançado, o airbag lateral interno de grandes dimensões, trabalha em conjunto com bancos dianteiros capazes de se deslocar para o centro do carro, em movimento rotacional, 50 ms (milissegundos) antes do impacto. Isso permite criar espaço adicional para a superbolsa inflar. Cintos de segurança de dois estágios são utilizados para o pré-choque e o choque real.

A bolsa, então, é disparada 15 ms antes da colisão, de tal forma a estar completamente expandida e na posição correta quando o obstáculo começa a invadir a cabine. Análises dos dummies comprovam diminuição de danos corporais.

Ambos dispositivos trabalham associados aos sistemas de bordo pré-impacto, que utilizam câmeras e radares. Detectam colisões laterais iminentes e identificam características como tempo até o choque, velocidade de impacto, além de dimensões, trajetória e posição do objeto que atingirá o veículo. Permitem estratégias de ativação, no momento certo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo