Carros

Tóquio quer Olimpíada de 2020 como prova para carros autônomos

AFP PHOTO / JUAN MABROMATA
Delegação japonesa comemora escolha de Tóquio para 2020; Toyota quer pegar carona Imagem: AFP PHOTO / JUAN MABROMATA

Claudio Luís de Souza

Do UOL, em Tóquio (Japão)

19/11/2013 22h50

Em 2011, o 42º Salão de Tóquio foi realizado ainda sob o impacto de duas catástrofes naturais: o terremoto seguido de tsunami que atingiu o Japão em março daquele ano; e as enchentes na Tailândia, que destruíram diversas fabricas das montadoras nipônicas. A 43ª edição, que abre ao público no próximo sábado (23), quer mostrar que superou o estado de choque de dois anos atrás e que voltou o foco ao futuro -- especificamente a 2020.

Daqui sete anos, Tóquio volta a sediar uma Olimpíada, e as fabricantes de carros locais querem aproveitar a ocasião para mostrar qual é seu papel numa sociedade ultratecnológica e muito bem servida pelo transporte público. "Cerca de 90% das competições da Olimpíada vão acontecer num raio de 8 km dentro da cidade", explica Koki Konishi, executivo de relações públicas da Toyota do Japão. "Queremos que esta área seja um exemplo de mobilidade urbana individual segura, com acidente zero e emissões poluentes quase zero também".

Konishi se refere não apenas a lotar a Tóquio olímpica de carros elétricos e -- especialidade da casa -- híbridos. A ideia é criar uma espécie de zona urbana em que a direção autônoma seja plenamente possível; nela, haveria interação carro/carro, carro/rua e carro/pedestre, por meio de dispositivos instalados nos veículos (boa parte já em uso, como câmeras estereoscópicas e radares) e na infra-estrutura urbana.

Curiosamente, a Mercedes-Benz foi a primeira fabricante a indicar uma data para oferecer no mercado um modelo que pode dirigir a si mesmo -- e esta data também é 2020 (o carro é a próxima geração do Classe S).

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

UOL Carros apurou que a Toyota ainda vai levar seu plano para a Olimpíada ao governo japonês, mas que não há qualquer dúvida quanto ao apoio oficial, dada a influência que a empresa tem na economia local -- até porque Shinzo Abe, atual primeiro-ministro do Japão, vem tomando medidas econômicas heterodoxas que incluem mais gastos em infra-estrutura. As demais montadoras devem aderir (particularmente a Nissan, que também investe em direção autônoma).

Vale notar que, enquanto no Rio de Janeiro debate-se o impacto positivo da Olimpíada de 2016 para o transporte público da cidade (caso todas as obras previstas sejam concluídas), em Tóquio a situação é diametralmente oposta: o sistema de ônibus, metrô, trem e monotrilho da cidade é soberbo, e pesquisas vêm detectando um crescente desinteresse dos japoneses mais jovens por dirigir/possuir um carro.

Melhorar a infra-estrutura de transporte individual para acomodar um trânsito que praticamente se auto-dirige, que não deixa vítimas e que não emporcalha o ambiente, pode ser uma solução para reavivar o gosto pelo carro entre os japoneses.

Viagem a convite da Toyota

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo