Carros

Audi Q5, chique, fica mais esperto com motor V6 3.0; leia impressões

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

UOL Carros teve seu primeiro contato com o Q5, SUV médio de luxo da Audi, no lançamento do modelo no país, em 2009. A impressão, à época, foi de acertos (beleza, tecnologia embarcada) que seriam maculados em alguma medida pelo alto valor pedido (entre R$ 205 mil e R$ 275 mil, relembre) ou pelos bons atributos de seus rivais diretos feitos por BMW e Mercedes-Benz, entre outros. Acontece que o modelo de Ingolstadt se estabeleceu no país e desbancou os adversários em vendas... até este ano.

Só que o tempo passa para todos e, com ele, a necessidade de melhorias e atualizações. Em 2012, o Q5 entregou 256 unidades contra 222 da Classe M da Mercedes-Benz (a classe GL vendeu menos) e 210 do BMX X3 -- rivais coreanos entregaram muito mais que os alemães, por conta de preços mais em conta, ainda que o acabamento e eficiência (neste segmento) sejam discutíveis. Este ano, o jogo virou: a Audi até manteve a média semestral, entregando 126 unidades, mas BMW e Mercedes venderam três e duas vezes mais, respectivamente, no período.

Foi o que a levou a Audi a apresentar, em maio, o novo Q5 (ano/modelo 2013), revelado globalmente no final de 2012 e que finalmente é visto nas lojas brasileiras. Visualmente, o modelo ficou um pouco mais refinado, com LEDs refeitos nos faróis (um losango deitado perfeito) e lanternas (o formato de "lâmina" bota presença agora, mesmo durante o dia), além de leves alterações de para-choque e outros detalhes. Equipamentos que eram opcionais passaram a incluir o catálogo de fábrica, como o gigante teto solar elétrico e panorâmico (Open Sky), o ar condicionado automático, o volante com couro e borboletas de troca de marcha e o sistema de ré com câmeras e sensores útil demais num veículo de 4,62 m de comprimento, 1,89 m de largura, 1,65 m de altura, que garantem que você vai enxergar menos do que deveria do mundo exterior, ainda que se posicione bem dentro dos 2,80 m de entre-eixos.

Como o mundo está mais exigente, foi preciso melhorar consumo e emissões: câmbio automático de oito marchas para toda linha, bastante suave e que promete (segundo a Audi) reduzir os gastos em até 15%, algo promissor; além disso, a versão topo de gama, Ambition, praticou o "downsizing" de leve e reduziu o volume de seu V6 de 3,2 para 3 litros -- com turbo e injeção direta, o motorzão a gasolina ficou um pouco mais potente que o anterior (272 cavalos, 3 cv a mais) e muito mais parrudo (40,78 kgfm de torque, ante pouco mais de 33 kgfm).

Curiosamente, o modelo está mais barato do que há quatro anos, ainda que siga com valores salgados: parte de R$ 203.900 (2.0 Attraction), R$ 217.400 (2.0 Ambiente) e R$ 246.700 para o Ambition testado. Ou quase isso: a unidade cedida conta ainda com pacote de opcionais que facilitam a vida nos grandes centros e também na estrada, mas jogam o preço final para R$ 282.600.

Permitir acesso ao carro e partida sem uso da chave, dar assistência ao modo de condução (Drive Select, com opções de maior econômia, conforto, dinamicidade ou o modo personalizado), sensor de ponto cego e piloto automático adaptativo (ACC, que acelera, freia a mantém a distância do veículo à frente em parâmetros definidos pelo motorista) são funções do pacote Advanced (R$ 30 mil!). Dar som de home theater de luxo à cabine do Q5 é com o som Bang & Olufsen (R$ 5.900). O sistema multimídia com navegador de R$ 10.500 já faz parte do pacote Ambition, mas também deveria estar incluso em qualquer um dos outros catálogos em nossa opinião, de tão primordial.

NADA BOBO
O que fica do contato atual com o Q5 V6 é a nítida sensação de que o modelo ficou mais imponente, seja pelo visual um tanto desafiador (com seus LEDs ligados), seja pelo belíssimo som do motor roncando, sobretudo no modo Sport (jogue o câmbio para baixo ao máximo e acione o Drive Select par dinâmico). E isso é o melhor desse conjunto: ter a sensação de que um modelo tão grande não tem comportamento abobalhado, mesmo que com cinco pessoas e malas embarcadas, sensação sempre presente no Q5 2.0. Aqui, é tudo preciso.

Ou quase. O apuro final, de novo, lembrando tratar-se um modelo de mais de R$ 250 mil, poderia ser maior. Está tudo lá: bom acabamento, muita tecnologia, teto solar enorme... mas basta olhar para o volante e bancos "normais" (confortáveis, eficientes, mas sem a base achatada ou o envolvimento de corpo que o pacote S Line, de acabamento esportivo, poderia sugerir); ou para os botões, que se parecem muito com qualquer um encontrados nos modelos mais baratos da linha Volkswagen. Para espantar o desgosto, só mesmo pisando fundo.

Pisou, andou; levou o pé mais ao fundo, têm-se mais força e capacidade para colocar o carro onde for preciso na pista. A tração integral quattro, disponível desde o começo da era Q5, já deixava tudo mais fácil de controlar, mas a maior disposição do novo motor permite até abusar mais de pisos inóspitos, o que quase ninguém faz ou fará com carro assim -- mas algo do que nós de UOL Carros nunca abrimos mão. E o resultado é animador, até. O consumo ficou bem abaixo dos 11,8 km/l prometidos pela fábrica; mas como alcançamos a média de 7,2 km/l com boa dose de conforto (ar-condicionado sempre ligado) e aventura (trilhas, subidas de morro e muito uso dos equipamentos), parece razoável até. O tempo dirá, novamente, qual a dose de acerto do SUV, agora no meio de sua vida. 

  • Murilo Góes/UOL

    Lanternas em lâmina, dupla de escapes e difusor aumentam porte do modelo

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
UOL Carros

UOL Carros

Cristiano Ronaldo testa supercarro de R$ 7,8 milhões

Dizer que seu produto foi testado e aprovado por uma das maiores estrelas do futebol parece ser um bom argumento de vendas. Foi o que a Bugatti fez. Não que ela precise de muito esforço para vender o hiperesportivo Chiron, mas ainda assim a marca preparou um vídeo promocional em que Cristiano Ronaldo, multicampeão pelo Real Madrid, é convidado para acelerar o supercarro. O atacante experimentou o modelo de absurdos 1.521 cv de potência, capaz de fazer o 0-100 km/h em 2,5 segundos e de alcançar máxima de 420 km/h (e olha que ela é limitada eletronicamente), acompanhado do piloto de testes da marca francesa, Andy Wallace. Confira no vídeo. O próprio jogador fez marketing em cima da ação e publicou imagens do teste em seu Instagram, faturando milhares de curtidas entre seus 91 milhões de seguidores. Dono de um Veyron, antecessor do Chiron, o atual melhor jogador do mundo tem uma coleção de carrões de luxo de fazer inveja, formada por modelos da Ferrari, Porsche, Lamborghini e Rolls-Royce, só para citar algumas marcas. São alguns dos carros do craque os que aparecem ao seu lado no início do vídeo. Ao final da peça, Wallace sugere a Ronaldo que, caso ele queira "ficar com a chave" do Chiron, basta "ligar para a Bugatti?. Não se surpreenda se o goleador lusitano resolver incrementar sua coleção com o Chiron. Para isso ele terá de desembolsar modestos 2,4 milhões de euros, o equivalente a R$ 7,8 milhões.

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
UOL Carros - Blogs - Blog Car and Driver Brasil
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Topo