Topo

Carros

Fiat 500 ganha motor flex nas versões mais caras; leia impressões

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

18/07/2013 21h17

Sob rumores de que deixará de ser feito no México, o que aumentaria seu preço no Brasil, o Fiat 500 chega à linha 2014 no país com uma novidade importante: o motor MultiAir 1.4 flex. Ele equipa as versões Sport Air e Cabrio (atenção: MultiAir é o nome do motor, e não outra versão) e rende 107 cavalos e 13,8 kgfm de torque com etanol. Com gasolina, os números são os mesmos de antes: 105 cv e 13,6 kgfm.

Importante ressaltar o aumento da taxa de compressão, que passou de 10,8:1 para 11,7:1 (quanto mais alto o valor, melhores serão desempenho e o consumo do veículo). Além disso, há uma nova junta do cabeçote, as bronzinas foram substituídas por outras de maior resistência e foi instalado um quinto bico injetor, para o sistema de partida a frio -- que usa o tradicional tanquinho de gasolina.

A transmissão automática de seis marchas das versões mais caras foi recalibrada "para ficar mais abrasileirada", diz a Fiat.

O 500 Lounge, que era topo de gama, desapareceu. Dessa forma, o Cinquecento agora é oferecido nas seguintes configurações (o preço é do ano-modelo 2013):

Fiat 500 1.4 EVO Cult -- R$ 42.840
Fiat 500 1.4 EVO Cult Dualogic -- R$ 45.920
Fiat 500 1.4 MultiAir Sport Air -- R$ 49.390
Fiat 500 1.4 MultiAir Sport Air automático -- R$ 53.430
Fiat 500 1.4 MultiAir Cabrio automático -- R$ 60.200

A Fiat deve revelar ainda nesta semana os valores do ano-modelo 2014, mas adianta que não deve haver grandes mudanças. UOL Carros atualizará esta reportagem assim que os preços saírem. 

A marca também diz que o Cinquecento, por ser carro de nicho, não tem concorrentes diretos, mas citou modelos como Ford New Fiesta, Citroën C3, Peugeot 208, Chevrolet Sonic, Smart Fortwo e até Volkswagen Polo como possíveis rivais.

A meta da Fiat é manter o atual volume de vendas do compacto, de aproximadamente 1.000 unidades/mês. Desse número, apenas 15% serão das versões com motor MultiAir (Sport Air, 8%, e Cabrio, 7%). 

RECHEADO
Fora as novidades mecânicas, o 500 continua oferecendo bom pacote de equipamentos desde a versão de entrada. Airbag duplo, freios ABS (antitravamento) com EBD (distribuidor da força de frenagem), ar-condicionado, assistente para partida em aclives, controle de tração e de estabilidade, chave-canivete com comando para abertura do porta-malas, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo com dados da condução, controlador automático de velocidade, direção elétrica, faróis de neblina e faróis principais com regulagem de altura, Isofix, rodas de liga leve de 15 polegadas, trio elétrico, rádio CD-Player com MP3 e entrada auxiliar e volante com regulagem de altura, entre outros itens, fazem parte da lista

Para comparar os equipamentos de cada versão, clique aqui.

IMPRESSÕES
UOL Carros
fez um rápido test-drive, nesta quinta-feira (18), com o 500 SportAir com câmbio automático.

Por dentro e por fora, a estética do carrinho continua a mesma. Foi mantido o mesmo visual simpático, inspirado no antigo Fiat 500 fabricado entre os anos 1950 e 1970. Como consequência, o espaço segue apertado, seja para os dois lugares traseiros (claustrofóbicos para pessoas com mais de 1,70 metro) ou para os passageiros da frente (uma pessoa com mais de 1,80 m se irrita com o console central, que bate no joelho). Para a cabeça, o espaço dianteiro é suficiente.

A qualidade do material interno é boa para um carro de R$ 50 mil, mas há exagero de plástico em certos pontos. Falta, por exemplo, um acabamento emborrachado, como existe no Punto (até no mais barato). O porta-malas de 185 litros é praticamente nulo.

MOTOR E CÂMBIO
O câmbio automático, fabricado pela japonesa Aisin (não se trata do Dualogic), já era bom e ficou ainda melhor. Está realmente mais acertado para o gosto brasileiro: dá menos trancos no modo normal, mantém a marcha engatada em movimentos mais fortes (o antigo costumava subir uma marcha nas saídas de curva) e reduz mais rapidamente as trocas quando kickdowns são feitos no acelerador. 

AO CONTRÁRIO

  • Murilo Góes/UOL

    Câmbio automático é bem acertado, mas trocas manuais são ao contrário: para subir uma marcha, é preciso dar um toque para baixo; para reduzir, movimento é para cima

O único ponto fraco da transmissão continua lá: as trocas manuais comandadas pela alavanca de câmbio são feitas de modo invertido. Para subir uma marcha, é preciso dar um toque para baixo na manopla. Para reduzir, o movimento é para cima. Normalmente, é o contrário. Mas pelo menos elas não são feitas por um botão lateral da alavanca, como os câmbios de alguns modelos concorrentes...

O motor parece não ter sofrido alterações de comportamento, apesar de render 2 cv e 0,2 kgfm a mais. A sensação de guiar é a mesma do 500 somente a gasolina. O consumo com etanol, naturalmente, é mais alto. Mas foi bastante exagerado na unidade avaliada: 5,7 km/l. Foram 10 litros de combustível para rodas exatos 57 quilômetros, sendo apenas 15 deles em trechos urbanos ou de baixas velocidades.

Talvez o problema estivesse no carro testado por UOL Carros, e não nos demais disponíveis para avaliação, mas é um número ruim para um compacto 1.4 de 1.125 kg. Com tanque de 40 litros, sua autonomia seria de apenas 228 quilômetros.

Veja fotos exclusivas do Fiat 500 2014
Veja Álbum de fotos

Mais Carros