Topo

Carros

Trabalhadores que fabricam HB20 entram em greve, mas Hyundai promete honrar entregas

Leonardo Soares/UOL
Fábrica de Piracicaba (SP) tem capacidade para produzir 34 unidades do HB20 por hora Imagem: Leonardo Soares/UOL

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

13/11/2012 13h51Atualizada em 13/11/2012 14h33

Os operários da unidade da Hyundai em Piracicaba, no interior de São Paulo, anunciaram greve por tempo indeterminado nesta terça-feira (13), apenas quatro dias após a inauguração oficial da fábrica, que produz o compacto HB20, modelo projetado e produzido exclusivamente para o mercado brasileiro. Pela manhã, os trabalhadores do primeiro turno haviam rejeitado a proposta de reajuste da marca e cruzado os braços; à tarde, por volta de 17 horas, foram seguidos pelos companheiros do segundo turno após nova reunião.

De acordo com a Hyundai, as negociações seguem ocorrendo e uma nova assembleia será feita na quarta-feira, mas a proposta de piso de R$ 1.600 tende a ser mantida pela fabricante. Os trabalhadores querem um piso de R$ 1.800, além de outros benefícios. O que se busca agora, segundo a marca coreana, é um meio-termo entre as partes com ambos os lados cedendo em alguns pontos e acordando em outros.

Apesar da cerimônia de inauguração de Piracicaba ter ocorrido apenas no último dia 9, a fábrica está produzindo de fato desde o dia 20 de setembro. O HB20 foi apresentado à imprensa especializada no dia 13 de setembro (relembre e veja preços versões e impressões sobre a versão mais equipada do modelo aqui) e teve suas vendas iniciadas no último dia 10 de outubro (saiba mais aqui).

Além disso, os trabalhadores da unidade têm o mês de novembro como data-base, seguindo o calendário estabelecido pelo movimento sindical do setor metalúrgico, não as datas de fundação ou inauguração da fábrica.

De acordo com a assessoria da fabricante, a paralisação foi decidida pelos representantes do primeiro turno de produção, que assumiria suas funções às 6 horas da manhã desta terça-feira. Em assembleia iniciada ainda na segunda-feira (12), os trabalhadores discordaram da proposta de aumento feita pela Hyundai e não começaram a jornada de trabalho do dia. Uma nova assembleia, encerrada às 17h deste terça-feira e conduzida pelos representantes dos trabalhadores do segundo turno de produção e da Hyundai, ratificou a decisão inicial dos grevistas.

Álbum mostra o HB20 em detalhes
Veja Álbum de fotos

Segundo a Força Sindical, entidade à qual estão vinculados os metalúrgicos de Piracicaba, o piso salarial pago pela Hyundai passaria dos atuais R$ 1.287 para R$ 1.600 (aumento de 24,47%), abaixo das pretensões da entidade e dos operários, que buscam um salário-base de pelo menos R$ 1.800. Para a Força, a situação é apenas um desdobramento da falta de acordo em negociações iniciadas ainda na fase de implantação da fábrica, quando apenas 100 operários estavam trabalhando na unidade.

Além da discussão sobre o piso, os trabalhadores também estudam a proposta de  aumento de cerca de 8% nos salários gerais, com ganho automático de 5% após seis meses de trabalho e novos reajustes de 5% após um e dois anos de trabalho, além de benefícios, revisão da jornada de 40 horas semanais e direito à PLR (Participação nos Lucros e Resultados). 

Veja como funciona a fábrica da Hyundai em Piracicaba
Veja Álbum de fotos

HYUNDAI PROMETE ATENDER DEMANDA
Mesmo que haja uma surpresa e os trabalhadores do segundo turno decidam trabalhar, a Hyundai admite que não conta com a produção que seria esperada das primeiras oito horas (primeiro turno) desta terça-feira. A empresa não informa qual seria o atraso total em termos de unidades não produzidas, mas a capacidade média de produção de Piracicaba é de 34 carros por hora, em situações normais. Apesar da conta de multiplicação ser simples, o resultado prático pode ser alterado por uma série de fatores.

O certo é que a Hyundai afirma que manterá o compromisso divulgado na inauguração de entregar 26 mil unidades do HB20 até o final do ano. A demanda pelo novo modelo é alta: de acordo com a Fenabrave (entidade que reúnes os concessionários do país), pouco mais de 3 mil unidades do hatch foram emplacadas em outubro. Pelas contas da Hyundai, cerca de 10 mil unidades foram entregues aos lojistas desde o lançamento do carro e há outros 50 mil pedidos fechados (traduzindo, com pagamento efetuado).

Ou seja, com ou sem greve muitos dos compradores do compacto da Hyundai só irão receber  o carro comprado agora em 2013, fato já apontado por UOL Carros.

O HB20 é um dos lançamentos que marcaram o setor automotivo no ano, a ponto de já ter uma variante anunciada -- o "aventureiro" HB20X, mostrado no Salão do Automóvel (veja mais aqui) --, além da carroceria sedã prometida para 2013. Ambas sairão da fábrica da Piracicaba, como o hatch.

Além disso, o carro estreou bem na avaliação do Inmetro de carros mais eficientes  com nota A de consumo para o motor flex de três cilindros e 1 litro (saiba mais sobre os menos "gastadores" aqui).

Mais Carros