Carros

Mercedes-Benz mostra 'futuro de R$ 100 mil' para se ajustar ao Brasil

Brazil Photo Press
SLS AMG GT3 45th Anniversary, 571 cv, US$ 580 mil: está é cada vez menos a imagem da Mercedes Imagem: Brazil Photo Press

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

A foto que abre esta reportagem mostra o que boa parte do público do Salão do Automóvel de São Paulo espera ver no estande de marcas como a Mercedes-Benz: modelos caros, de sonho, com tecnologia de ponta e cavalos de sobra, como o superesportivo SLS AMG GT3 45th Anniversary, um dos destaques do Anhembi. Mas isso é algo que a Mercedes quer mostrar cada vez menos -- ela, assim como praticamente todas as marcas, quer vender bem e bastante, ou seja, vender carros mais baratos, que atraiam mais compradores. Veja: mais barato não quer dizer popular, nem pelado. Quem viver e ler, verá.

Os clientes tradicionais e os fãs atuais da marca certamente vão babar ao olhar o SLS GT3 45th Anniversary (veja o álbum de fotos aqui), que celebra os 45 anos da preparadora AMG. Com preparação de competição (só pode rodar em pista) e 571 cavalos de potência, tem apenas cinco unidades numeradas disponíveis no mundo. E um brasileiro (um comprador do Sul do país) ficou com o número 1, este mesmo exposto no Anhembi, e por isso você não ouvirá o ronco gutural do motor: cotado em dólar, com preço de US$ 580 mil (cerca de R$ 1,2 milhão, na conta limpa), permanecerá desligado para ser preservado.

A NOVA MERCEDES QUER VOCÊ
Se boa parte das marcas se mostra ávida por crescer no país, sobretudo em segmentos mais lucrativos, como o de modelos premium -- Ford, Citroën, Peugeot, Chrysler, Hyundai e até Kia mostraram lançamentos mais vistosos, potentes e equipados visando o comprador mais endinheirado -- os alemães querem mostrar que menos pode ser mais. Assim, o plano de quatro anos apresentado pela Mercedes-Benz indica que os futuros carros serão menores (compactos para eles, mas de tamanho médio ou um pouco maior para nós brasileiros), tecnológicos a ponto de interagir com suas impressões digitais e com os aplicativos de celular e tablet e equipados com motores menores (sempre abaixo de 2 litros, com uso de turbo e injeção direta), que trarão olhares enviesados dos mais conservadores. Mas agradarão a novos (e arrojados) clientes. 

O alicerce desta nova fase é, justamente, a plataforma menor para os novos modelos, todos parte da chamada NGCC (nova geração de carros compactos). Repetimos: compacto para europeus, médio ou médio-grande para nós. O primeiro deles é o novo Classe B, lançado no começo de outubro e já encontrado nas lojas (leia aqui nossa avaliação), mas ainda assim uma das atrações do Salão. Os demais surgirão por aqui a intervalos médios de seis meses, prometem os engravatados.

Assim, o instigante Classe A é o próximo. Considerado o mais bonito do Salão de Paris (saiba mais aqui), se ausentou do Anhembi para não dividir os holofotes com os rivais BMW Série 1 e novo Audi A3 (saiba aqui como ficará a briga). A estratégia da Mercedes é segurá-lo até maio. O preço não está fechado, mas o carro será mais barato que os R$ 116 mil pedidos pelo Classe B.

FEITO PARA O BRASIL
Uma novidade não tão nova assim e uma ausência... tem algo quente? Tem, sim. O conceito CSC (Compact Style Coupé), apresentado ao mundo no Salão de Pequim (esqueceu? Lembre aqui), ocupa a posição de destaque no estande da Mercedes, com razões de sobra. Apelidado pelos alemães de mini-CLS, em virtude do estilo acupezado (embora seja um sedã tradicional, com quatro portas e porta-malas destacado), ele está em São Paulo num teste de futurologia: vai ganhar vida em um ano (deve ser mostrado no próximo grande salão europeu, o de Frankfurt, em 2013) e chegar ao Brasil em seguida, confirmam os executivos da marca, com o nome de CLA -- será o cupê leve de quatro portas baseado no Classe A.

Tanto o hatch quanto o sedã da Classe A devem seguir os passos do Classe B e utilizar motor quatro-cilindros. No B 180, temos o 1.6 turbo de 156 cavalos e 25,5 kgfm. O conceito CSC utiliza configuração 2.0 com tração integral, 211 cavalos de potência e câmbio de sete marchas e dupla embreagem. A faixa de ataque do futuro modelo de rua já existe, se nada mudar até lá: sedãs de luxo, mas caretas de estilo, de R$ 120 mil

O modelo, aliás, está cotado para ser fabricado aqui no Brasil se e quando a Mercedes decidir retomar a produção de carros no país -- o que algumas fontes ligadas à marca acreditam ser algo "inevitável" nos próximos anos, uma vez que a grande rival BMW (atualmente detentora do posto de maior vendedora do segmento no mundo) confirmou a construção de uma fábrica em Santa Catarina, de onde sairão justamente modelos de entrada, como Série 1, Série 3 e X1.

Mas para sobreviver à briga, a família compacta da Mercedes precisa crescer mais: ao ritmo de um carro novo por semestre, chegarão ainda um SUV (provisoriamente chamado de GLA e que terá o protótipo revelado no Salão de Detroit, em janeiro) e um cupê esportivo -- todos menores que os modelos fabricados atualmente, todos feitos sobre a plataforma compacta da marca. 

"Vamos apresentar carros com design jovem, repletos de tecnologia e que nos ajudarão a conquistar novos clientes. São bons para o Brasil e o Brasil é cada vez mais importante para Mercedes-Benz", aponta Juergen Ziegler, presidente da marca para os mercados brasileiro e da América Latina.

Como funciona o farol do Mercedes-Benz CSC

  • Espelhos e iluminação especial dão aura de ser vivo ao conceito alemão; assista

O AGORA
Quer algo mais palpável e imediato? Pois saiba que a revolução do tamanho (downsizing) da marca já começou: o novo Classe C (best-seller da marca) não difere muito do que está na sua garagem, visualmente falando. Mas sob o capô, há grandes novidades: o mesmo motor 1.6 turbo citado anteriormente. Um C180 com motor 1.6 parece heresia? Acostume-se: ele consome menos, anda mais e melhor (autonomia de 17 km/l, dentro do novo padrão exigido pelo governo brasileiro) e casa com a estratégia da marca. Com pacote AMG (para-choque e saia esportivos), chega em novembro por R$ 139.900.

Para os mais conservadores, há o face-lift do roadster SL (V6 a US$ 280 mil; SL63 AMG a US$ 359 mil) e do jipão GLK (o GLK300 tem motor V6 3.5 de 252 cv e 18% mais econômico e chega em novembro por R$ 224 mil); GL (V8, 408 cv, por US$ 250 mil e chegada até final do ano) e a nova geração do ML (de R$ 319.900 a R$ 335.000); além do novo utilitário com preparação esportiva G63 AMG, agora luxuoso de verdade (US$ 385 mil, com apenas três unidades vindo este ano).

É BICICLETA OU MOTO?

  • Murilo Góes/UOL

    A até 25 km/h, a smart ebike funciona como moto elétrica, empurrada por baterias de 423 Wh; acima disso, você precisa pedalar. A característica trava à chegada: ela custaria R$ 10 mil

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
MotorDream
AutoEstrada
Carpress
Carplace
Carpress
MotorDream
Carpress
Best Cars
Carplace
Topo