Carros

Atualizada em 04.09.2012 13h35

País vê novo recorde histórico na venda de carros, mas motos e caminhões vão mal

Infomoto
Avesso à euforia do mercado de carros, segmento de motos vê unidades se acumularem Imagem: Infomoto

André Deliberato
Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

A Fenabrave, entidade que reúne os concessionários de automóveis do país, confirmou nesta terça-feira (4) a expectativa de vendas recordes de carros para o mês de agosto ao divulgar seu balanço para o mês. De acordo com os dados oficiais, houve recorde histórico para o período mensal, com emplacamento de 405.518 automóveis e comerciais leves. As vendas de motos e de caminhões, porém, estão fracas e ficaram abaixo do registrado há um ano e preocupam-- a prosseguir neste ritmo, a previsão de queda é de 12% para motos e de até 20% para caminhões.

A marca histórica para carros foi atingida por conta da corrida às lojas na última quinzena do mês, naquele que se acreditava ser o último período para compras com redução do IPI -- de toda forma, a medida acabou sendo prorrogada pelo governo na última semana. Os dados da Fenabrave confirmaram previsões de analistas e dados como o do jornalista Joel Leite, colunista de UOL Carros, que apontava venda de 405.627 unidades de carros e veículos comerciais leves para o último mês (reveja aqui), ao mesmo tempo em que derrubaram a visão mais conservadora da própria entidade, que previa venda de pouco mais de 350 mil unidades no mês.

O desempenho extremamente positivo para o principal nicho do mercado de automóveis fez os analistas revisarem suas previsões para o ano. A partir de agora, a Fenabrave já admite que o Brasil deve encerrar 2012 com nova marca histórica na venda de automóveis e comerciais leves: alta de 8,05% com entrega de 3.701.235 unidades. Se confirmado o número, este será o sexto ano consecutivo de alta na entrega de carros.

Pelos dados oficiais revisados da Fenabrave, foram entregues 3.425.549 unidades de carros e veículos comerciais leves em 2011. No ano de 2010, o total havia sido de 3,3 milhões de unidades, com 3,0 milhões em 2009, 2,6 milhões em 2008 e 2,3 milhões em 2007.

NEM TUDO VAI BEM
Foram emplacadas 140.641 motos e similares em agosto, o que representa alta de 1,56% ante julho, mas também significa uma queda de 22,45% na comparação anual. A previsão para o ano é desanimadora, com queda de até 12% nas vendas em relação a 2011, para 1.707.754 unidades entregues até o final de dezembro. 

O segmento de caminhões também anda mal: deve cair 19% em 2012 -- foram registradas vendas de 139.853 unidades.

É bom notar que muitos analistas ainda enxergavam nas motos -- e a própria indústria apostava nisso -- uma válvula de escape para a questão do transporte complicado nos grandes centros. Percebe-se, agora, que com maior oferta de crédito e algum incentivo o consumidor acaba elegendo o conforto e a segurança do carro. Da mesma forma, o nicho de pesados e sua derrocada reflete que os setores de base da economia estão restringindo seus investimentos justamente num momento em que o país precisaria crescer.  

O mercado de ônibus, porém, melhorou e teve 37.529 unidades comercializadas no mês e espera-se crescimento de 8% no ano. 

Somando as desventuras de motos e caminhões e a alta de ônibus, o crescimento do setor deve ser reduzido para 0,23%, com vendas global de 5.586.371 unidades em 2012.

CASCATA DO BEM
Além do recorde na venda de carros, a Fenabrave acredita numa melhora geral do desempenho do setor automotivo no segundo semestre. A começar pela redução do índice de inadimplência: até julho, quase 8% das pessoas físicas e 4% das pessoas jurídicas não conseguiam arcar com as prestações dos automóveis financiados. O índice de aprovação de crédito chegou a 55% das propostas de financiamento feitas, também parte do pacote de medidas proposto pelo governo como forma de complementar a redução do IPI.

O grosso das alterações, porém, não deverá contribuir para o crescimento do PIB do país, que tem previsão de crescer em torno de 1,3% este ano e até 3% em 2013. Segundo a economista Tereza Fernandez, da MB Associados, ligada à Fenabrave, os segmentos do setor automotivo como o de ônibus, caminhões e motos ainda estão em marcha lenta e só deverão contribuir para melhorar a economia do país a partir de 2014.

  • Divulgação

    Linha 2013 da Renault chegou em agosto com pouca mudança visual e motor 1.6 8V refeito. Segundo executivo da marca, produtos fora da linha francesa agradaram público brasileiro

RENAULT AMEAÇA FORD
Em agosto, a Fiat manteve sua posição de liderança com 24,22% de participação (98,2 mil carros e veículos comerciais leves emplacados). Na sequência aparecem VW (21,89% com 88,7 mil unidades) e Chevrolet (18,71% de participação com 75,8 mil unidades).

A Ford viu sua participação chegar a 7,7% (31 mil unidades no mês) e sua distância para a Renault diminuir -- a fabricante francesa, única marca estranha às quatro consideradas gigantes a colocar um modelos (o hatch Sandero) entre os dez carros mais vendidos -- obteve 6,88% de participação (27,9 mil veículos). Na sequência aparecem Honda (17.086 unidades ou 4,21%), Toyota (10.119 ou 2,5%), Nissan (10.045 ou 2,48%), Peugeot (8.719 ou 2,15%), Hyundai (8.651 ou 2,13%) e Citroën (8.073 ou 1,99%).

O presidente da Renault, Olivier Murget, explicou ao colunista Joel Leite que a marca finalmente "entende" o brasileiro, que segundo ele teria rejeitado os modelos de origem francesa, preferindo a atual linha da marca, composta em grande parte por veículos de custo mais baixo, oriundos da romena Dacia: "Chegamos aqui tentando impor uma cultura europeia, trouxemos uma gama de produtos franceses e com isso chocamos o mercado, que não queria esse tipo de carro. Mas conseguimos reverter essa filosofia e agora quem define as ações que tomamos para o Brasil é o Brasil”, afirmou o executivo, em entrevista que pode ser lida na íntegra no blog O Mundo em Movimento (clique aqui).

MAIS VENDIDOS
Os 15 modelos mais vendidos do mês de agosto (com o total de vendas acumuladas desde janeiro entre parênteses), segundo dados da Fenabrave e considerando os segmentos de automóveis e veículos comerciais leves foram: 

Volkswagen Gol: 32.634 unidades no mês (188.953 no ano)
Fiat Uno/Mille: 30.373 (177.349)
Volkswagen Fox/CrossFox: 23.318 (113.884)
Fiat Palio: 21.572 (117.100)
Chevrolet Celta: 19.145 (92.904)
Ford Fiesta: 13.460 (83.600)
Fiat Strada: 12.981 (76.152)
Fiat Siena: 12.483 (57.748)
Renault Sandero: 11.743 (65.872)
10º Volkswagen Voyage: 9.699 (61.385)
11º Chevrolet Classic: 8.275 (66.632)
12º Volkswagen Saveiro: 6.593 (43.786)
13º Chevrolet Cobalt: 6.391 (44.058)
14º Chevrolet Agile: 6.257 (39.844)
15º Honda Civic: 6.239 (33.038)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
UOL Carros

UOL Carros

Cristiano Ronaldo testa supercarro de R$ 7,8 milhões

Dizer que seu produto foi testado e aprovado por uma das maiores estrelas do futebol parece ser um bom argumento de vendas. Foi o que a Bugatti fez. Não que ela precise de muito esforço para vender o hiperesportivo Chiron, mas ainda assim a marca preparou um vídeo promocional em que Cristiano Ronaldo, multicampeão pelo Real Madrid, é convidado para acelerar o supercarro. O atacante experimentou o modelo de absurdos 1.521 cv de potência, capaz de fazer o 0-100 km/h em 2,5 segundos e de alcançar máxima de 420 km/h (e olha que ela é limitada eletronicamente), acompanhado do piloto de testes da marca francesa, Andy Wallace. Confira no vídeo. O próprio jogador fez marketing em cima da ação e publicou imagens do teste em seu Instagram, faturando milhares de curtidas entre seus 91 milhões de seguidores. Dono de um Veyron, antecessor do Chiron, o atual melhor jogador do mundo tem uma coleção de carrões de luxo de fazer inveja, formada por modelos da Ferrari, Porsche, Lamborghini e Rolls-Royce, só para citar algumas marcas. São alguns dos carros do craque os que aparecem ao seu lado no início do vídeo. Ao final da peça, Wallace sugere a Ronaldo que, caso ele queira "ficar com a chave" do Chiron, basta "ligar para a Bugatti?. Não se surpreenda se o goleador lusitano resolver incrementar sua coleção com o Chiron. Para isso ele terá de desembolsar modestos 2,4 milhões de euros, o equivalente a R$ 7,8 milhões.

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
UOL Carros - Blogs - Blog Car and Driver Brasil
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Topo