Topo

Carros

Cidade de São Paulo inicia projeto de táxi elétrico com dois Nissan Leaf

Divulgação
Projeto piloto de frota de táxis elétricos começa com acordo entre Nissan, Prefeitura de São Paulo e associação de empresas de frota de táxi. Serviço se inicia na próxima segunda (11) Imagem: Divulgação

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

05/06/2012 13h58Atualizada em 05/06/2012 15h01

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta terça-feira (5) o início da fase de testes para implantação de uma frota de táxis elétricos na capital. A operação do programa piloto, como é chamado, terá início na próxima segunda-feira (11), quando duas unidades do elétrico Nissan Leaf, hatch médio importado, passam a circular com passageiros a partir do ponto de táxi localizado na esquina da avenida Paulista com a rua da Consolação.

O anúncio do projeto foi feito na sede de uma empresa de táxi no bairro do Belém, Zona Leste da capital, e contou a participação do prefeito Gilberto Kassab (PSD), que pouco falou durante o evento e preferiu posar para fotos, ora perto de um dos pontos de abastecimento do táxi elétrico, ora dentro do veículo.

"As empresas envolvidas deram um presente à cidade de São Paulo, no Dia Mundial do Meio Ambiente", afirmou Kassab em rápida entrevista coletiva, dando a entender que o projeto não term qualquer custo para os cofres da Prefeitura. Segundo o prefeito, "o uso de carros movidos a energia elétrica como táxi vai trazer credibilidade ao modelo e fazer com que ações, principalmente no sentido de estudo da redução de cargas tributárias, sejam estudadas". Ele afirmou ainda que planeja a extensão da parceria com a Nissan para que carros elétricos também sejam utilizados na assessoria do prefeito, mas ressaltou que este projeto adicional "leva tempo para sair, talvez apenas no final do ano, e que assim não vai me beneficiar, mas servirá ao próximo prefeito". 

CIDADE TERÁ DEZ CARROS
A entrega dos dois carros elétricos faz parte da segunda fase do Acordo de Intenções assinado em junho de 2011 (quando o Leaf foi mostrado no país pela primeira vez) pela Prefeitura de São Paulo, pela Nissan e pela AES Eletropaulo (concessionária de energia elétrica que abastece a capital). A previsão é que outros oito carros elétricos complementem a frota de testes até outubro de 2012 -- com isso, o projeto terá um total de dez carros elétricos rodando pela capital e cidades da Grande São Paulo.

Cada um dos carros será entregue em regime de comodato a uma empresa privada de táxi da cidade -- neste primeiro momento, Táxi Sampa e Alô Táxi foram as escolhidas e terão de arcar com os custos de manutenção e recarga dos carros. O contrato de comodato tem duração de três anos, com revisão anual dos termos, e é assinado diretamente entre a Nissan, que se compromete a fornecer suporte e manutenção dos carros na rede de concessionários, e cada uma das empresas de frota de táxis associadas, que arcam com os custos de manutenção e de recarga e também indicam os motoristas de cada um dos elétricos.

O valor dos contratos não foi divulgado, mas estima-se que cada unidade do Leaf desembarque no Brasil por cerca de R$ 200 mil. É preciso lembra que o país não tem qualquer política de incentivo para veículos elétricos -- a tributação deste tipo de carro segue a de um modelo a gasolina com motor acima de 2 litros, ou seja, com alíquota original de IPI de 25% mais os 30 pontos adicionais cobrados desde setembro de 2011 (e sem direito ao pacote de redução até outubro próximo). Nos Estados Unidos, por exemplo, o Leaf é vendido por US% 35 mil (R$ 71 mil), mas bônus federais, estaduais e municipais podem reduzir este preço até cerca de US$ 25 mil (R$ 25,5 mil).

  • Divulgação

    O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, recebe instruções sobre recarga do táxi elétrico

CUSTOS
A autonomia média prometida para o elétrico Leaf com as baterias carregadas é de aproximadamente 160 quilômetros. Ao final da carga, o motorista deve conectar o carro a um ponto de recarga padrão (de 110 ou 220 Volts), que custa cerca de US$ 2 mil (quase R$ 4.500) e precisa de um prazo de oito a 21 horas para completar a capacidade da bateria (durante o evento, os representantes falavam em tempo menor, de seis a oito horas, não comprovado por nenhum manual ou ficha técnica do carro).

Num primeiro momento, a cidade contará com dois destes pontos instalados, um em cada sede das empresas de táxi, chegando ao total de dez até outubro. Paralelamente, espera-se que a Eletropaulo instale outros cinco pontos de recarga rápida (de 440 V), que darão conta de carregar até 85% da carga da bateria do carro elétrico em tempos que variam de 30 minutos a três horas -- os locais destes pontos ainda serão definidos, mas ficarão próximos das regiões da Radial Leste (Zona Leste), Lapa (Oeste), Casa Verde (Norte) e nas cidades de Guarulhos e Osasco. No total, serão 15 pontos de abastecimento elétrico, somando os locais de recarga rápida e lenta.

Apenas para comparação, um táxi normal, com motor convencional a combustão e abastecido com álcool ou gasolina, consegue rodar cerca de 200 quilômetros diários na cidade e entorno, gastando para isso até meio tanque de combustível. O ganho do carro elétrico, segundo as entidades e empresas envolvidas, é ambiental, uma vez que o carro elétrico não emite poluentes (descarta-se neste cálculo qualquer emissão por parte das fontes geradoras de eletricidade).

O custo de recarga total do carro elétrico é estimado em R$ 8, enquanto um motorista de táxi convencional gasta em abastecimento de R$ 35 (para encher o tanque com gasolina) a R$ 39 (com etanol). O custo de abastecimento com gás natural veicular não foi fornecido pelas empresas.

COMO ANDA O LEAF
Primeiro modelo 100% elétrico construído no mundo em larga escala (o pioneiro Toyota Prius e o super-comentado Chevrolet Volt, ambos testados por UOL Carros, são híbridos, unindo motores e baterias elétricas a propulsores a gasolina), o hatch Nissan Leaf tem algumas diferenças, mas também muitas semelhanças com um carro convencional dotado de algum luxo e conforto: abertura do carro e partida do motor podem ser feitos sem uso da chave, que precisa apenas estar no bolso. Mas ao se apertar o botão de Power do motor com o pé no pedal do freio, surpresa, nada acontece. Algum tempo depois, o motorista de carro elétrico de primeira viagem percebe que tudo já está ligado e o carro, pronto para rodar: o desenho de um carrinho verde se acende no painel, embora o motorista não ouça nada, nem note qualquer tranco ou vibração. O Leaf é suave a todo tempo, característica de elétricos, já que o motor elétrico quase não tem partes móveis. Se quiser, o usuário pode programar avisos sonoros, que funcionam como a música que toca quando você liga o computador, o telefone ou até mesmo TVs de LCD.

A potência máxima entregue pelo motor de 80 kW, perto dos 107 cv (típico de um carro com motor a combustão de 1,4 l, por exemplo), não chega a surpreender -- é até abaixo dos padrões de motor a combustão para um hatch de porte médio. Mas o diferencial surge no torque, a força transmitida às rodas e que tira o carro da inércia, de 28,5 kgfm, acima do torque do antigo Volkswagen Jetta 2.5 (24,5 kgfm), e que está disponível de modo imediato.

O Leaf carrega sob o assoalho 48 módulos, parecidos com marmitas de metal, cada um do tamanho de um laptop de 14 polegadas. Cada módulo abriga quatro baterias que carregam o combustível do Leaf. Com garantia de 100 mil quilômetros ou oito anos,os quase 50 kits compõem o centro vital do Leaf, sendo que sua troca corresponderia a 50% do valor do carro. A ausência de peças como filtros de ar, correias de transmissão, velas, coxins e óleo, típicos de carros a combustão, demandam reparos menores. A capacidade das baterias é de 24 kWh, o que permite um deslocamente por até 160 quilômetros numa estrada ideal, plana e sem obstáculos -- a autonomia, porém, pode variar em função do tipo de condução e do uso de ar condicionado e, principalmente, ar quente.

Entenda como o elétrico Leaf funciona
Veja Álbum de fotos

Mais Carros