Carros

Atualizada em 01.06.2012 14h13

Americanizado, novo Toyota Camry surpreende; problema é o preço

Murilo Góes/UOL
Todo reto: novo Toyota Camry abandonou os traços delgados da geração anterior Imagem: Murilo Góes/UOL

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

Nada de banho-de-loja ou faróis redesenhados: o assunto é o Toyota Camry -- o carro mais vendido nos Estados Unidos em 2009, 2010 e 2011 -- de nova geração (a sétima), que desembarcou em março no Brasil, junto com o esportivado Corolla XRS (leia nossas impressões sobre o médio aqui). O carro vendido por aqui é a versão global do modelo, que não é comercializada nos EUA (lá, onde é vendido como médio, ele tem outro desenho, mais atraente ao público jovem, e motores diferentes). Só que, mesmo assim, o nosso Camry -- feito no Japão e importado como sedã grande -- é mais americano do que nunca.

Basta reparar nas suas formas para perceber que o carro ficou ainda mais aristocrático, com linhas mais retilíneas e vincos pronunciados na carroceria. O visual cada vez mais conservador parece ser a chave do sucesso dos modelos da Toyota. Lembrou do Corolla? É mais ou menos essa a receita: um modelo discreto, com o padrão atual da marca, com (muito) esmero no acabamento. Como o público gosta.

ENTRE, SENHOR
Por dentro o Camry tem espaço abundante, principalmente pra turma de trás. E é silencioso. Os dois assentos extremos da fileira traseira reclinam eletricamente e permitem até que se tire um belo cochilo -- como um bom carro de patrão deve permitir fazer (após o expediente, claro). Os comandos, tanto do painel no console central, quanto os do descansa-braço que se abre sobre a posição central do banco de trás são bem organizados e intuitivos, com letras em fontes grandes e bem definidas para os clientes que tiverem maior dificuldade com a visão -- cá entre nós, o Camry trata bem seu público, mais maduro.

Ainda no interior, o revestimento plástico e os apliques amadeirados são de boa qualidade, mas passam a sensação de nostalgia e você vai se ver, de novo, a bordo de um modelo luxuoso... dos anos 1990. Tudo bem, sabemos que o comprador de um Camry gosta disso e não irá reclamar -- mas dava para fazer algo mais moderno: é só compará-lo com alguns modelos coreanos para ter uma aula de refino atual.

O console do Camry, ao alcance do motorista -- e, perceba, só agora tratamos de quem vai ao volante -- ainda ganhou uma tela sensível ao toque de sete polegadas. A coluna de direção também tem novidades, como o ajuste elétrico de altura e profundidade. O ar condicionado é de três zonas -- uma para cada lado ocupante da frente e outra para os bancos de trás, com comandos privativos. Quem gostava do teto solar da geração anterior terá de reclamar com a Toyota: antes opcional, ele deixou de existir.

SURPRESA DO V6
Aperte o botão de partida e ouça um ronco intenso e surpreendente. O motor V6 de 277 cv a 6.200 rpm empolga até mesmo àqueles que não gostam do carro. Ele é elástico e dá agilidade de sobra ao sedã -- parte disso se deve ao bom torque de 35,3 kgfm (disponível, por inteiro, a 4.700 rpm) e ao duplo comando variável de válvulas, que otimiza o processo de aceleração, deixando-a mais progressiva e nervosa, ao mesmo tempo. Trafegando em bom ritmo e dispondo de todo luxo permitido, chegamos ao consumo médio de 9 km/l de gasolina.

O câmbio automático de seis marchas não está no degrau mais alto de tecnologia, mas também não decepciona: ele faz as trocas sem muita demora, mesmo desobedecendo aos comandos em certos momentos -- as trocas também podem ser feitas no modo manual, pela alavanca.

A suspensão, bem, é típica de um carro americano, apesar da origem do "nosso" Camry ser oriental: molenga, faz carro e passageiro se comportarem como talher sobre gelatina, mas aguenta bem o tranco e as imperfeições do nosso asfalto e não tem batidas muitos secas.

Em suma, o Camry é um bom carro, com motor surpreendente e bom número de equipamentos. Mas que custa caro: R$ 161 mil (não houve desconto de IPI, por conta de seu motorzão). E o caro se transforma em caríssimo na comparação com os principais concorrentes: o Honda Accord V6 é R$ 16.500 mais barato (R$ 144.500); o Hyundai Azera V6, em nova geração, custa R$ 114.920; o Ford Fusion, também com motor seis-cilindros, mas perto da aposentadoria (a nova geração deve chegar até 2013) sai por R$ 94.360. Mas se sua intenção é ter um sedã de motor V6, recheado de tecnologia, confortável, espaçoso, com aroma de luxo e perfil tradicional -- e se você não tem problema com o bolso -- o Camry é a pedida.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
UOL Carros

UOL Carros

Cristiano Ronaldo testa supercarro de R$ 7,8 milhões

Dizer que seu produto foi testado e aprovado por uma das maiores estrelas do futebol parece ser um bom argumento de vendas. Foi o que a Bugatti fez. Não que ela precise de muito esforço para vender o hiperesportivo Chiron, mas ainda assim a marca preparou um vídeo promocional em que Cristiano Ronaldo, multicampeão pelo Real Madrid, é convidado para acelerar o supercarro. O atacante experimentou o modelo de absurdos 1.521 cv de potência, capaz de fazer o 0-100 km/h em 2,5 segundos e de alcançar máxima de 420 km/h (e olha que ela é limitada eletronicamente), acompanhado do piloto de testes da marca francesa, Andy Wallace. Confira no vídeo. O próprio jogador fez marketing em cima da ação e publicou imagens do teste em seu Instagram, faturando milhares de curtidas entre seus 91 milhões de seguidores. Dono de um Veyron, antecessor do Chiron, o atual melhor jogador do mundo tem uma coleção de carrões de luxo de fazer inveja, formada por modelos da Ferrari, Porsche, Lamborghini e Rolls-Royce, só para citar algumas marcas. São alguns dos carros do craque os que aparecem ao seu lado no início do vídeo. Ao final da peça, Wallace sugere a Ronaldo que, caso ele queira "ficar com a chave" do Chiron, basta "ligar para a Bugatti?. Não se surpreenda se o goleador lusitano resolver incrementar sua coleção com o Chiron. Para isso ele terá de desembolsar modestos 2,4 milhões de euros, o equivalente a R$ 7,8 milhões.

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
UOL Carros - Blogs - Blog Car and Driver Brasil
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Topo