Carros

GM e PSA silenciam sobre fábrica conjunta no Brasil

Paula Giolito/Folhapress
Pátio da PSA Peugeot-Citroën em Porto Real: sul fluminense pode receber nova fábrica Imagem: Paula Giolito/Folhapress

Do UOL, em São Paulo (SP)

21/05/2012 12h19

A General Motors e a PSA Peugeot Citroën decidiram manter silêncio sobre a eventual construção de uma fábrica conjunta no Brasil. A revista Veja publicou a informação em sua edição desta semana.

Nesta segunda-feira (21) a GM não quis comentar o assunto, enquanto um representante da PSA foi mais enfático e disse que não falaria sobre "rumores".

Segundo a Veja, o investimento de GM e PSA no Brasil seria de 1 bilhão de euros, valor hoje equivalente a R$ 2,6 bilhões. Rio de Janeiro e Minas Gerais seriam os endereços mais prováveis para a nova fábrica.

A aliança entre os dois grupos foi anunciada no final de fevereiro, inicialmente como uma medida para cortar custos e partilhar plataformas na produção de carros na Europa. O mercado automotivo do continente foi o que mais sofreu a partir da crise financeira de 2008, e hoje vive um tenso compasso de espera determinado pelas crises em países como Grécia, Espanha, Itália e outros.

A medida também foi entendida como uma maneira de a GM reduzir o peso da deficitária Opel, sua subsidiária alemã, em suas operações. No entanto, analistas criticaram a aliança, apontando que o grupo norte-americano -- hoje apresentando bons resultados após a concordata de 2009 -- nada teria a ganhar unindo-se à PSA.

Pelo acordo, 7% da Peugeot passaram ao controle da GM.

Uma operação conjunta de GM e PSA no Brasil pode ser entendida como uma aposta num mercado cada vez mais crucial para a indústria automotiva, que volta seus olhos para países como o nosso e a China -- neste último está boa parte do volume de vendas global que ajudou a tirar a GM do buraco.

Também pode ser vista como uma maneira de contornar dores de cabeça colaterais à instalação e gestão de uma fábrica. Na França, onde cortes de empregos são uma possibilidade real após a aliança, o presidente François Hollande, do Partido Socialista, prometeu agir duramente contra as empresas, em defesa dos trabalhadores.

Na região do sul fluminense, onde já opera a fábrica brasileira da PSA e será instalada nova planta da Nissan, a relação entre capital e trabalho parece mais amistosa.

Por ocasião do anúncio da fábrica da Nissan, em 2011, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, Renato Soares, afirmou, segundo o jornal local Diário do Vale: "Nenhuma grande empresa vai se instalar em lugares onde os sindicatos tenham atitudes radicais".

E prosseguiu: "A Nissan poderia ter ficado em São José dos Pinhais (PR), onde sua coligada Renault tem fábrica, mas é bem possível que uma greve de 37 dias feita pelo sindicato de lá na Volkswagen tenha pesado contra essa decisão".

O sindicato, que cobre as regiões de Resende e Porto Real, é filiado à Força Sindical desde setembro do ano passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo