Carros

Vendas de carros importados recuam 28,1% em um ano

Murilo Góes/UOL
Chery QQ: como outros importados, ele recuou em abril: 885 vendas, ante 944 em março Imagem: Murilo Góes/UOL

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/05/2012 11h53Atualizada em 14/05/2012 12h27

As empresas filiadas à Abeiva (Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores) encerraram abril com 11.917 carros emplacados no Brasil, número 12,8% inferior ao de março, que teve 13.666 vendas. Na comparação anual a queda foi mais drástica, de 28,1%: em abril de 2011 as marcas da Abeiva venderam 16.573 veículos importados. Os dados foram anunciados nesta segunda-feira (14), em São Paulo (SP).

QUEM SÃO, DE ONDE VÊM
Membros e países-sede

Aston Martin (Inglaterra)
Audi (Alemanha)
Bentley (Inglaterra)
BMW (Alemanha)
Chang'an (China)
Chery (China)
Chrysler (Estados Unidos)
CN Auto (China)
Dodge (EUA)
Effa (China)
Ferrari (Itália)
Haima (China)
JAC Motors (China)
Jaguar (Inglaterra)
Jeep (EUA)
Kia (Coréia do Sul)
Lamborghini (Itália)
Land Rover (Inglaterra)
Lifan (China)
Maserati (Itália)
Mini (Inglaterra)
Porsche (Alemanha)
SsangYong (Coréia do Sul)
Suzuki (Japão)
Volvo (Suécia)

Na leitura da associação, a culpa é do IPI elevado para modelos que vêm de fora do eixo Mercosul-México, em vigência desde dezembro de 2011.

"Os primeiros sinais da influência da alta do IPI começam a aparecer", diz Flavio Padovan, presidente da entidade. "Registramos queda de 12,8% em abril, enquanto o mercado anotou desaceleração de 13,8%. Mas na comparação anual a queda foi de 28,1% para a Abeiva e 10,3% no setor automotivo em geral".

O quadro tende a piorar, segundo Padovan, porque os estoques de importados sem repasse do IPI devem se esgotar entre maio e junho, forçando as empresas a aumentarem os preços ao consumidor.

O dado do quadrimestre também é desfavorável às importadoras. Com 47.380 unidades, elas perderam 9,2% ante as 52.161 emplacadas entre janeiro e abril de 2011. É um valor maior que os 3,1% da queda geral do mercado.

A participação de mercado -- cujo percentual relativamente baixo vem sendo usado como argumento da Abeiva para mostrar que o IPI elevado é desnecessário -- também sinaliza retração: foi de 4,87% no mês passado, contra 6,07% em abril de 2011. Comparando os quadrimestres, a participação recuou de 4,96% para 4,66%.

No entanto, o número de concessionárias cresceu entre janeiro e abril, de 848 pontos de venda para 882 -- ressalvando que se tratam de contratos firmados em 2011. Segundo a Abeiva, cerca de 35 mil pessoas trabalham para as marcas filiadas em todo o Brasil.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo