Carros

Atualizada em 20.04.2012 12h00

Honda City 2013 muda pouco, mas corta versões e preços

Murilo Góes/UOL
Honda City 2013: mudanças mínimas num carro de trajetória vencedora no Brasil Imagem: Murilo Góes/UOL

Murilo Góes

Do UOL, em Campinas e Sumaré (SP)

A Honda iniciou o ano em que completa 15 anos de Brasil com o lançamento do Civic 2012, primeiro modelo da marca produzido no país e que, em sua nona geração, mostrou mudanças de conteúdo consideráveis em relação à anterior, embora não tenha atingido aprovação unânime -- principalmente no que se refere ao seu visual, pouco alterado.

Há pouco mais de um mês foram apresentados o CR-V 2012, bastante diferente e importado do México, e o Fit 2013, fabricado em Sumaré (SP) desde 2003. Enquanto o crossover efetivamente mudou de geração, no hatch apenas pequenas alterações estéticas foram feitas.

Agora chegou a vez do Honda City 2013, terceiro modelo a ser produzido pela marca no Brasil (desde 2009). Como era de se esperar, o carro que carrega o rótulo de "Fit sedã" -- embora mais completo -- seguiu o exemplo do "irmão menor" e, em sua primeira reestilização em três anos de Brasil, também não mudou muito, apresentando apenas um face-lift externo e a inclusão de itens de conforto e segurança em novas versões.

A Honda divulga que, para acompanhar a padronização mundial do modelo, o novo City teve 344 itens modificados. Visualmente, porém, o que se observa externamente, em qualquer das suas versões, são apenas os novos parachoques dianteiros e traseiros, a grade cromada sobre a maior entrada de ar frontal e novos faróis, lanternas traseiras e rodas. Itens que tipicamente sofrem alterações numa reforma de meio de ciclo.

Na parte interna, além do painel à parte com informações sobre autonomia, consumo instantâneo, consumo médio, hodômetro parcial e hodômetro total, o que muda é apenas a cor da iluminação do painel de instrumentos que passa a ser azul, e a cor do painel central, de prata para grafite.

A capacidade do tanque de combustível, a exemplo do Fit 2013, cresceu de 42 para 47 litros, aumentando a autonomia. O motor continua sendo o i-VTEC Flex (com controle variável nas válvulas) de 1,5 litro, com 115 cv a 6.000 rpm (gasolina) e 116 cv a 6.000 rpm (etanol) e torque de 14,8 kgfm a 4.800 rpm.

De resto, o novo City é praticamente o mesmo do ano-modelo anterior: câmbio manual ou automático de cinco marchas, sistema de som com rádio CD-Player (MP3/WMA) e entrada auxiliar (P2/USB, menos na versão DX), regulagens de bancos e volante manuais, bancos traseiros reclináveis (fora a versão DX), porta-malas com capacidade para 506 litros, air bag frontal para motorista e passageiro etc. Clique aqui para ficha e lista de equipamentos.

O que muda de verdade no Honda City é o número de versões (acabamento/conteúdo mais transmissão): eram oito, agora são apenas quatro: DX (manual), LX (manual e automático) e EX (A/T), extinguindo-se , portanto, a versão EXL.

No pacote de equipamentos, a DX continua sendo a de entrada, oferecendo apenas câmbio manual e freios dianteiros a disco e traseiros a tambor. A LX, além de oferecer a opção pelo câmbio automático, possui sistema de freios ABS (antiblocante) e EBD (distribuidor de força de frenagem). Em ambas versões o sistema de ar-condicionado é manual -- mas a LX também passa a contar com sensor de estacionamento (apenas traseiro) e rodas de liga leve de aro 15 com novo desenho.

Na versão EX, que passa a ser topo de linha, além do sensor traseiro foram incluídos tweeters nas colunas das portas dianteiras, bancos de couro, novas rodas de aro 16, maçanetas e ponta de escape cromadas, ar-condicionado digital e hastes para troca de marchas atrás do volante -- itens antes encontrados na extinta versão top EXL. Uma versão EX manual fica no banco de reservas: ela poderá ser produzida de acordo com a demanda do mercado.

Seguem os novos preços do modelo:

City 2013 DX 1.5l 16V Flex Manual (M/T): R$ 53.620
City 2013 LX 1.5l 16V Flex Manual (M/T): R$ 58.990
City 2013 LX 1.5l 16V Flex Automático (A/T): R$ 62.190
City 2013 EX 1.5l 16V Flex Automático (A/T): R$ 66.855


Tomando como referência a tabela de preços sugeridos pela própria Honda em seu site oficial do City ano-modelo 2012, na quinta-feira (19) para regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a versão DX manteve o mesmo valor. A versão LX manual teve um aumento de R$ 1.570, e a dotada de câmbio automático subiu apenas R$ 890, mesmo com os novos itens de conteúdo.

Na versão EX, surpreendentemente, a variação teve sentido contrário, isto é, para baixo. E não foi pouco. O City EX também mantém o valor do ano-modelo 2012 (o EX A/T valia R$ 66.855), mas agora teve incorporados todos os itens de série da extinta EXL, que tinha preço sugerido de (inacreditáveis) R$ 72.625. Sendo assim, o City EX 2013, agora o novo topo da linha, incorpora um "desconto" de R$ 5.770 em relação a versão topo do modelo anterior (EXL).

Mas, apesar disso, o City continua sendo um carro caro, com valores mais próximos dos sedãs médios que dos compactos, segmento a que pertence. O próprio Honda Civic, em sua versão de entrada, tem preço sugerido pela montadora em R$ 69.900, enquanto o novato Chevrolet Cruze parte dos R$ 67.900.

BRIGA COM QUEM
Recheado de equipamentos para adquirir a aura de premium, o City continua a rivalizar com Ford New Fiesta, Volkswagen Polo, Fiat Linea, Kia Cerato e agora também com o novo Chevrolet Cobalt (em breve com câmbio automático), que assumiu a liderança de vendas entre os sedãs compactos em janeiro deste ano e se mantém nela até o momento -- seguido, justamente, pelo City.

Em março, por exemplo, dados da Fenabrave (federação das concessionárias) apontam o Cobalt com 6.062 unidades vendidas (muitas delas para taxistas), contra 1.884 do City e 795 do New Fiesta. A provável chegada da quarta geração do Hyundai Accent poderá deixar a disputa no segmento ainda mais acirrada.

A Honda, porém, parece não se sentir preocupada ou ameaçada. Afinal, o City já alcançou mais de 76 mil unidades comercializadas no Brasil nos três anos em que aqui é produzido, e está sempre entre os líderes de vendas no segmento. Talvez isso explique a manutenção do modelo sem grandes alterações, seguindo a máxima de que "em time que está ganhando não se mexe".

A própria apresentação do carro à imprensa especializada, realizada na semana passada, deu pistas disso: em vez de um test-drive digno do nome, a Honda ofereceu o que preferiu chamar de "experimentação": apenas uma volta em cada uma das versões do veículo na pista de testes da fábrica, em Sumaré, com cerca de 3 km de extensão. Ou seja: não há o que testar naquilo que já é conhecido.

Viagem a convite da Honda do Brasil
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
MotorDream
AutoEstrada
Carpress
Carplace
Carpress
MotorDream
Carpress
Best Cars
Carplace
Car and Driver
UOL Carros - Blogs - Blog Car and Driver Brasil
Da Redação
AutoEstrada
Carplace
Carplace
Carsale
Best Cars
Carsale
Carplace
Carplace
Carsale
Topo