Carros

Adiamento da aposentadoria de Punto e Bravo agrava má situação da Fiat na Europa

Carta Z Notícias
Bravo: carro é moderno e bonito, mas sofre com vendas medíocres no Brasil e na Europa Imagem: Carta Z Notícias

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/03/2012 17h28

Sergio Marchionne, chefão da aliança Fiat-Chrysler, coleciona elogios e amplia seu status de semideus corporativo nos Estados Unidos devido ao saneamento da parte norte-americana do negócio. Na Europa, porém, a situação é outra: cresce a percepção de que a Fiat deu um mau passo ao adiar a renovação de sua linha de carros pequenos e compactos, medida imposta por Marchionne.

  • Moacyr Lopes Jr./Folha Imagem - 2.3.2010

    Marchionne: gênio nos EUA, mané na Europa?

O resultado é um forte declínio nas vendas de modelos Fiat nesses segmentos (os principais do mercado europeu), como Punto e Bravo. O primeiro, que é o carro mais vendido da marca de Turim na Europa, perdeu 19,2% de seus emplacamentos em 2011, caindo a 225.261 unidades. O líder Ford New Fiesta atingiu 374.686 unidades. Em breve, modelos como o Peugeot 208 e o novo Clio devem acirrar ainda mais essa briga. A análise é do boletim Automotive News Europe.

Somente em 2012 a participação da Fiat no mercado europeu recuou de 5,6% para 5%.

A publicação lembra que um plano de metas de cinco anos, anunciado pela Fiat em 2010, previa a substituição de Punto e Bravo em 2013. Essa data não vale mais -- embora o ANE afirme que o carro que aposentaria o Punto já está desenhado.

A situação do Bravo é mais grave. Suas vendas despencaram 27,5% em 2011, para 31.814 carros. Seu principal rival no segmento é o Volkswagen Golf, que emplacou 484.956 unidades no mesmo período. Inicialmente, Marchionne pensou em seu substituto como um carro mais alto, com jeito de crossover e inspirado pelo Nissan Qashqai. Mas por ora, diz o ANE, esse plano foi abortado em favor de uma solução mais simples.

A Fiat lança em abril o Viaggio, variação do Dodge Dart voltada ao mercado da China. Trata-se de um sedã, mas uma carroceria hatchback está prevista (supostamente também derivada da plataforma do Alfa Romeo Giulietta, como é o caso do Dart/Viaggio). Este carro seria importado da China pela Europa, aposentando o Bravo.

Enquanto isso, fábricas da Fiat na Itália apresentam altos índices de capacidade ociosa, um reflexo do recuo no mercado automotivo interno, que encolheu 17,7% somente neste ano. As vendas "em casa" são 53% da performance da Fiat na Europa.

Uma conclusão possível, e de UOL Carros: Brasil e China serão centrais nas estratégias da Fiat para os próximos anos, enquanto os EUA perderão importância rapidamente (o fracasso retumbante do Cinquecento por lá tem a assinatura de Marchionne). Nosso país é o segundo mercado mundial para o grupo (primeiro para a marca Fiat). E a China é a China.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo